Edificio do BCE
Shutterstock

O Banco Central Europeu (BCE) publicou um estudo em que analisa o uso de criptomoedas como investimento e reserva de valor, fazendo para isso uma comparação dos movimentos do Bitcoin (BTC) contra 44 moedas fiat, destacando que, entre outros fatores, a liquidez e volatilidade do sistema financeiro impactam a moeda digital.

Por outro lado, a autoridade europeia aponta que em economias emergentes e em desenvolvimento (EMDEs), o Bitcoin parece oferecer também benefícios transacionais, uma vez que a negociação aumenta quando o valor da moeda nacional é instável. Diante disso, os economistas destacam que a moeda digital pode ser vista como uma reserva de valor nesses locais.

Publicidade

“A instabilidade macroeconômica pode potencialmente estimular um maior uso de criptoativos. Este resultado é importante para a teoria de precificação de ativos de criptoativos, sugerindo que o valor fundamental do Bitcoin pode ser substancialmente diferente entre economias desenvolvidas e emergentes”, diz o relatório, assinado por Paola di Casola e Maurizio Michael, ambos economistas do BCE.

Eles destacam ainda que o estudo encontrou uma correlação na utilização de pagamentos com criptos em países que possuem sistemas financeiros tradicionais subdesenvolvidos. Os países com populações mais jovens e menos avessas ao risco também usam mais o Bitcoin.

Esse tipo de cenário tem sido muito visto em países em crise, caso da Argentina e algumas nações africanas, onde diversas pesquisas apontam um alto uso de Bitcoin e outras criptos como forma da população não só escapar dos impactos da inflação e derretimento das moedas locais, mas também para garantirem posse e controle de suas reservas, conseguindo transferir para outros locais se acharem necessário.

Riscos e o futuro com stablecoins

Apesar de apontar para algumas vantagens do uso de Bitcoin em nações subdesenvolvidas e emergentes, os economistas do BCE alertam para riscos nesses países sobre o uso de criptomoedas.

Publicidade

“As nossas conclusões apontam claramente para potenciais riscos de estabilidade financeira nos EMDEs com baixos níveis de desenvolvimento financeiro e moedas fiduciárias instáveis”, diz o relatório, que complementa dizendo que a volatilidade intrínseca do preço do Bitcoin pode desencorajar a sua utilização.

Por outro lado, o BCE destaca que outras alternativas podem surgir para resolver a questão desses riscos. “No futuro, outros ativos cripto, como as stablecoins que se comprometem a garantir uma paridade com o dólar americano ou outras moedas de reserva, poderão tornar-se mais amplamente utilizados por indivíduos e empresas, a fim de compensar a falta de alternativas financeiras”, diz o estudo.

Como conclusão, os economistas do Banco Central Europeu ainda apontam que, mesmo com esse uso do Bitcoin como reserva de valor em alguns países, o resultado do estudo reforça a hipótese, atualmente predominante na literatura, de que a negociação de Bitcoin é motivada por motivos especulativos, sendo esse um fenômeno global.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin ao lado de celular com logo da mt gox

Despejo da Mt. Gox ameaça muito mais o Bitcoin Cash do que o Bitcoin, diz analista

Ao todo, os clientes da Mt. Gox terão para receber US$ 9,5 bilhões em Bitcoin e US$ 73 milhões em Bitcoin Cash
Tela de celular do Telegram

Telegram acaba de tornar mais fácil “farmar” jogos cripto como Hamster Kombat

Alternando entre Hamster Kombat, Yescoin, PixelTap, Catizen e outros jogos do Telegram? Trocar agora é muito mais simples
Imagem da matéria: Solucionar problema da privacidade é o foco principal do Drex, diz coordenadora do BC

Solucionar problema da privacidade é o foco principal do Drex, diz coordenadora do BC

Em painel do Febraban Tech, Clarissa Souza, coordenadora de tecnologia do Banco Central, destacou os desafios do Drex e as próximas etapas do projeto
Imagem da matéria: Robinhood planeja lançar contratos futuros de criptomoedas, diz Bloomberg

Robinhood planeja lançar contratos futuros de criptomoedas, diz Bloomberg

Produtos seriam lançados para mercado dos Estados Unidos e Europa em 2025 por meio das licenças da Bitstamp, comprada em junho