Imagem da matéria: Banco Central do Brasil tentou esconder a compra de toneladas de ouro
Foto: Shutterstock

O Banco Central do Brasil comprou a maior quantidade de ouro das últimas duas décadas em apenas três meses. Na época que as compras aconteceram entre maio e julho de 2021, o BC se negou a responder aos questionamentos da imprensa sobre as aquisições do metal precioso, escapando até mesmo da Lei de Acesso à Informação com um suposto sigilo bancário que lhe dá carta branca para segurar informações de interesse público.

Apesar da indisposição que a administração de Roberto Campos Neto pareceu ter com a transparência, dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) mostraram que o Banco Central foi o terceiro país do mundo que mais comprou ouro em 2021, atrás apenas da Hungria e Tailândia.

Publicidade

Tudo começou em maio, quando o Banco Central comprou 11,7 toneladas de ouro na primeira aquisição do tipo desde novembro de 2012. Em junho o BC adquiriu uma quantia ainda maior de 41,8 toneladas do metal precioso, e em julho, adicionou mais 8,5 toneladas à reserva.

Em apenas três meses, o BC realizou a maior compra de ouro vista desde o ano 2000. Neste ritmo, as reservas internacionais do Brasil fecharam julho com cerca de 129 toneladas de ouro (4.168 milhões de onças-troy). Esse é o maior quantidade de ouro em posse do país desde novembro de 1999, uma quantia que equivale a R$ 39 bilhões.

ouro banco central
Variação na reserva de ouro do Brasil em 2021. Fonte: FMI

Falta de transparência

A movimentação do Banco Central foi notada pela primeira vez em 14 julho quando o analista do World Gold Council, Krishan Gopaul, divulgou no Twitter que o Brasil havia comprado 41,8 toneladas de ouro. 

O Portal do Bitcoin entrou em contato com a assessoria do BC para confirmar e obter mais detalhes sobre a aquisição. No entanto, o órgão se negou repetidas vezes a passar qualquer dado oficial. Também não quis confirmar as informações do FMI, se limitando a mandar o link de um relatório de Gestão das Reservas Internacionais, com dados de 2020.

Publicidade

A reportagem recorreu à Lei de Acesso à Informação para conseguir as informações solicitadas, enviando um pedido em 16 de julho. Com o fim do prazo de resposta no dia 9 de agosto, o Banco Central mais uma vez não respondeu nenhuma pergunta sob a alegação de que os dados estariam protegidos pela lei de sigilo bancário. O BC disse ainda que a divulgação sobre as compras de ouro poderia ser “prejudicial e revelar estratégias da gestão das reservas internacionais”.

Resposta do BC a pedido de informação pela LAI.

Por fim, a reportagem teve acesso a uma planilha pública que apresenta um demonstrativo da variação das reservas internacionais do BC. O documento traz informações atualizados de julho que ainda não estavam disponíveis no banco de dados do FMI.

Embora o documento estivesse “escondido” no site do Banco Central, ele derrubou o argumento genérico de que a divulgação de tais informações seriam prejudiciais — se de fato fossem, não estariam públicas.

ouro banco central
Demonstrativo de variação das reservas internacionais. Fonte: Banco Central

Gustavo Inácio de Moraes, professor de economia da PUC-RS, disse à reportagem que o Banco Central poderia estar evitando tocar no assunto para não provocar especulação no mercado.

Publicidade

“Talvez eles não queiram induzir o mercado de modo que os investidores tentem antecipar o movimento do BC,  que vai ser no sentido de comprar mais ouro. Existe um efeito manada no mercado onde investidores tendem a copiar os movimentos de um player importante, como o Banco Central”, explica. 

Essa postura, no entanto, pareceu se limitar ao Brasil. Outros países que estavam entre os maiores compradores de ouro em 2021, como Tailândia e Hungria, foram transparentes em relação às suas aquisições.

O BC da Hungria, por exemplo, chegou a incluiu fotos da reserva de ouro quando noticiou uma grande compra do ativo em 2018. Mais uma vez em março de 2021, o órgão adotou a mesma postura de transparência quando adquiriu mais 63 toneladas.

Confirmação, um ano depois

O Banco Central do Brasil só veio a confirmar a compra de ouro quase um ano após a aquisição, no Relatório de Gestão das Reservas Internacionais, publicado em março deste ano.

No documento, o BC informa que fechou 2021 com 2,25% das reservas internacionais investidas em ouro. “Por suas características anticíclicas em momentos de estresse, a posição em ouro foi elevada, passando a representar 2,25% do portfólio”, justifica o relatório.

Publicidade

O Banco Central também mudou a alocação das reservas internacionais para além do ouro, diminuindo a exposição ao dólar e ao euro e aumentando as compras de dólar canadense e australiano (com participações de aproximadamente 1% em cada moeda), e no renminbi chinês, que passou a representar cerca de 5% das reservas internacionais do Brasil.

Distribuição por moedas das reservas internacionais do Brasil
Distribuição por moedas das reservas internacionais do Brasil (Fonte: Banco Central)

Onde está o ouro do Brasil?

Mesmo com a quantia e as datas das compras esclarecidas, ainda ficam no ar questões relevantes que o BC se nega a responder: De quem esse ouro foi comprado? São barras de ouro ou apenas títulos? Se o ouro é físico, está sob a custódia de qual instituição? Onde está armazenado? O que motivou a compra?

O analista de metais preciosos do Bullinstar, Ronan Manly, fez uma investigação sobre a reserva brasileira do ouro e acredita que ela esteja armazenada em Londres. Ele cita um relatório de 2002 como a última confirmação do BC de onde o ouro brasileiro estava armazenado.

Naquela época, a reserva era formada 41% em ouro monetário (ouro físico em posse do BC) e 59% em depósitos de ouro (ouro emprestado para outras instituições financeiras). Do total, 98% do ouro monetário era mantido no Brasil, sendo 2% na Inglaterra. Já todos os depósitos de ouro estavam em bancos nos Estados Unidos e no Canadá. 

Reservas de ouro do Brasil em 2002
Reservas de ouro do Brasil em 2002. Fonte: Banco Central/Bullinstar

O que leva a acreditar que a reserva de ouro está agora na Inglaterra é um relatório de 2018, no qual o BC descreve que precisou adaptar o estoque do metal precioso aos padrões internacionais do Banco de Compensações Internacionais (BIS), antes de realocá-lo.

“Por meio dessas operações, as barras de ouro no padrão doméstico e o ouro não padronizado foram remetidos ao BIS para processamento e posterior envio das barras de ouro padronizadas para custódia no Bank of England (BoE)”, diz trecho do relatório.

Publicidade

De acordo com o especialista Ronan Manly, o ouro armazenado no Brasil provavelmente tinha uma pureza inferior a 99,5% e por isso foram enviados para refinarias suíças para derretimento, antes de partir para Inglaterra.

O Portal do Bitcoin também conseguiu a confirmação que o Banco Central não faz mais a custódia de ouro no Brasil. Na resposta ao pedido de informação da LAI, o BC disse que não adquire ou negocia ouro no mercado local. “Toda a armazenagem e negociação do ouro são feitas no mercado externo e seguem os procedimentos compatíveis com o padrão internacional”. 

Banco Central atrás do ouro

Apesar dos problemas de transparência, o economista Gustavo Inácio de Moraes acredita que as compras de ouro pelo Banco Central são positivas no sentido de proteger a reserva nacional.

“Diante do cenário de pandemia e o enfraquecimento da economia americana nos últimos anos, o dólar se mostra bastante instável. Isso desenhou um cenário de necessidade de diversificação das reservas, então é nesse sentido que o Banco Central começa a diminuir sua exposição ao dólar e comprar outros ativos como o ouro”, explica.

O relatório de Gestão das Reservas Internacionais publicado em março de 2021, indicava que dos US$ 355 bilhões que o Brasil possuía no tesouro até o final de 2020, 86,03% estava alocado em dólar, enquanto a porcentagem do ouro era de apenas 1,19%.

Já em 31 de dezembro de 2021, as reservas internacionais totalizavam US$ 362,2 bilhões, um pouco mais que o registrado no final de 2020, com a porcentagem de ouro dobrando em um ano para 2,25%.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais