Imagem da matéria: Banco Central da Coreia do Sul quer testar moeda digital em 2021
Won Coreanos (Foto: okaybuild/pixabay)

O Banco Central da Coreia do Sul está se preparando para testar um modelo piloto de moeda digital para transações já no próximo ano.

A agência de notícias estatal sul-coreana Yonhap noticiou na semana passada que o Banco Central concluiu a revisão do design e da tecnologia de sua moeda digital e agora se concentrará em testá-la.

Publicidade

O objetivo dos testes é ver se o Won Digital funciona corretamente em um ambiente de testes.

Segundo a notícia, o próprio Banco Central seria o responsável pela emissão e liquidação, enquanto as instituições financeiras privadas administrariam sua distribuição.

A criação de moedas digitais de banco central, conhecidas como CBDC, já é uma tendência mundial. A China, até o momento, é a mais avançada no setor, com o Banco Central Chinês tendo processado mais de US$ 160 milhões durante a atual fase de testes. Um total de 113.300 carteiras digitais pessoais e 8.859 carteiras digitais corporativas foram abertas para o teste do Yuan digital.

Talvez você queira ler
Changpeng "CZ" Zhao, CEO da Binance

SEC diz que processo contra a Binance deve avançar mesmo após acordo bilionário

De acordo com a SEC, as confissões da Binance e do então CEO, Changpeng Zhao, mostraram méritos em favor de seu processo
Hacker mexendo em notebook com bandeira da Coreia do Norte no fundo

EUA, Coreia do Sul e Japão se reúnem para discutir os roubos de criptomoedas pela Coreia do Norte

Em reunião trilateral em Seul, as autoridades de segurança dos três países também discutiram o relacionamento da Coreia do Norte com a Rússia
Martelo de juíz em frente de bandeira da França

Tribunal francês absolve hackers que exploraram R$ 44 milhões em criptomoedas de protolocolo DeFi

Ao se declararem hackers do bem, os irmãos convenceram o juiz que eles agiram de boa fé por recompensa
Mulher exausta diante do laptop

Deepfake: Serviços que criam nudes falsos com IA ganham popularidade

A empresa de análise Graphika afirma que a quantidade de imagens íntimas não consensuais online cresceu 2.408% desde janeiro