Imagem da matéria: Banco Central autoriza XP Investimentos a se tornar um banco
(Foto: Shutterstock)

A XP Investimentos foi autorizada pelo Banco Central do Brasil (BC) a se tornar um banco. Trata-se de uma longa jornada da empresa, que recentemente criou uma corretora de criptomoedas, em busca da possibilidade de ampliar o alcance da empresa.

De acordo com a assessoria de imprensa do BC, o órgão regulador “em 13 de dezembro de 2018, autorizou a constituição do Banco XP, um banco múltiplo com as carteiras comercial e de investimento. A autorização para o funcionamento será concedida tão logo sejam atendidas, pela instituição, as demais exigências estabelecidas na regulamentação em vigor (constituição da empresa, integralização do capital, implementação da estrutura operacional, eleição dos dirigentes, entre outras providências)”.

Publicidade

O projeto, que começou em 2013, ainda está longe da conclusão. Segundo a Folha de São Paulo, o processo será concluído em 2019. Depois a XP precisará de um ‘aval de operação’ dos reguladores.

O banco será voltado para os clientes da corretora e terá o objetivo de auxiliar as operações dos investidores. Opções para concorrer com o varejo como conta corrente e cartão de crédito devem demorar mais, conforme o jornal paulista. Lembrando, é claro, que 49,9% da empresa foi comprada pelo Itaú em 2018.

XP Investimentos e criptomoedas

Para além das instituições tradicionais, a XP Investimentos também está apostando em novos mercados. Desde o início do ano, já haviam indícios de que a empresa estava criando uma corretora de criptomoedas.

Mas foi apenas no final de setembro que o anúncio oficial foi feito. Em evento da empresa, o Expert 2018, falando para um centenas de pessoas, o presidente da empresa, Guilherme Benchimol, anunciou o nome da corretora  XDEX, que iria negociar Bitcoin e Ethereum.

Publicidade

No mês seguinte, o site da corretora começou a operar. O projeto provocou polêmica já que não é possível transferir os bitcoins comprados na plataforma para uma carteira individual tal como diz o texto oficial do projeto:

“Não são permitidos depósitos, resgates e/ou transferências de ativos digitais/criptomoedas de e para uma carteira virtual (E-wallet) por meio da plataforma XDEX. Os depósitos/resgates e/ou transferências serão efetuados apenas em reais, sendo obrigatório a venda do ativo digital para a efetivação do resgate em reais”.

Em entrevista exclusiva ao Portal do Bitcoin, a CEO da corretora, Celina Ma, também revelou que os endereços das cold wallets não seriam públicos. Ma também negou que a XDEX fosse da XP Investimentos, embora ambas empresas compartilhassem de endereços comuns.

Conforme dados da junta comercial, a XP Investimentos é a criadora da exchange. Posteriormente, a empresa retirou o capital e em seu lugar entrou a XP Participações.

Publicidade

BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil
Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide