Imagem da matéria: Banco Central analisou sistemas da União Europeia e de mais sete países para criar o PIX
Foto: Shutterstock

O Banco Central do Brasil analisou o sistema de pagamentos instantâneos da União Europeia e de mais sete países em quatro continentes nos estudos que levaram ao desenvolvimento do PIX, conforme documentos obtidos pelo Portal do Bitcoin via LAI (Lei de Acesso à Informação).

Foram considerados sistemas de diferentes partes do mundo: de uma nação da Ásia (Índia), uma da América Latina (México), outra da Oceania (Austrália), e de quatro da Europa (Dinamarca, Reino Unido, Suécia, Itália). Na listagem inicial consta também Cingapura, porém não é explicado por que o país ficou de fora da análise pormenorizada.

Publicidade

O documento do banco tem 25 páginas e ganhou o nome de benchmarking internacional, que significa análise da concorrência. O estudo do cenário internacional dos pagamentos instantâneos pretende encontrar “possíveis soluções” para “lacunas” do sistema brasileiro e aperfeiçoá-lo. Os oito modelos foram escolhidos pelas diferenças acentuadas entre eles e pela disponibilidade de informações encontradas em estudo prévio.

O relatório mostra que o modelo mais antigo é do Reino Unido, em funcionamento desde 2008, e o mais recente é o da Austrália, de 2018. Por isso, o BC reconhece que o sistema não é novidade, mas sinaliza que houve uma “aceleração do desenvolvimento desses arranjos nos últimos cinco anos, acompanhando a evolução observada na área de tecnologia da informação”.

A análise mostra que apenas no México o sistema é gerenciado pelo Banco Central — semelhante ao que vai ser adotado no Brasil. Na Índia e na Austrália ocorre em parceria do BC com o mercado. Já outros cinco lugares o mercado faz por conta própria.

“Adicionalmente, o caso do México indica que a participação do mercado não é essencial. De forma geral, a experiência indica que a participação do BC propicia um arranjo mais neutro em relação a modelos de negócio ou participantes específicos, assim como amplia a eficiência, a competitividade entre os prestadores de serviços de pagamento e a inclusão financeira”, diz o documento.

Publicidade

Custo do PIX dos outros

Sobre a recuperação dos custos de implantação para o Estado, a análise verificou que é presente em quatro países. Já na Suécia, na Dinamarca e na Itália a situação não existe pois não se investiu dinheiro público e o sistema não conta com a participação do BC.

O relatório também mostra que todos os sistemas estrangeiros permitem o acesso móvel pelo celular. Em cinco países (Reino Unido, Índia, Dinamarca, México e Austrália) também é possível entrar via home banking. Desses cinco, apenas a Dinamarca não permite o acesso presencial, em ATM ou agência bancária.

Foram ainda percebidas diferenças entre as possibilidades de transferências ou pagamentos. Em todos os sistemas é possível fazer pagamentos a estabelecimentos comerciais, o que é indicado no relatório como uma alternativa ao uso de cartões e de dinheiro em papel ou moeda.

Por outro lado, quatro países não dispõem de pagamentos do governo: Índia, Suécia, Dinamarca e Itália. Segundo o relatórios, são nações nas quais o governo não participou diretamente da construção do sistema.

Publicidade

“A esse respeito, as experiências internacionais estudadas indicam que a presença do governo desde o início da implementação do arranjo ajuda a alavancar o uso do instrumento e a sua aceitação pela população”, explica o documento.

A análise verificou ainda as formas de identificação utilizadas nos outros países. A mais comum é o celular — em três países é possível ainda colocar o telefone fixo. Já o uso de email ocorre no Reino Unido, União Europeia e Austrália. Chamou a atenção dos servidores que na Itália é possível fazer a leitura de placas de carros para pagamentos instantâneos em estacionamentos e pedágios. No país europeu, também se permite número de cartão de fidelidade e QR code.

Sobre as tarifas cobradas aos usuários, o estudo aponta que em geral são definidas pelas instituições participantes (PSPs – Provedores de Serviços de Pagamentos). No México e no Reino Unido, a transferência entre pessoas físicas é gratuita. Já em quatro países não é cobrado para alguns dos serviços.

Em três países e na União Europeia a liquidez ocorre em tempo real, como será o sistema brasileiro. Por último, o relatório analisa a participação do Banco Central em relação ao sistema. Foi identificado que o BC no estrangeiro costuma ser o responsável pela vigilância do PIX, como será aqui.

“Também é comum a sua participação como catalisador, por meio de persuasão moral, ou mesmo como instituidor do arranjo”, complementa o documento.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Sede da Braiscompany em Campina Grande, Paraíba

TRF anula contrato e Braiscompany é condenada a pagar R$ 50 mil a cliente

O contrato de serviço de cessão temporária de criptoativos foi anulado pela 17ª Vara Cível de Brasília
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte