Imagem da matéria: Autoridades da Coreia do Sul apreendem US$ 47 milhões em criptomoedas de sonegadores de impostos
Foto: Shutterstock

Autoridades da província sul-coreana de Gyeonggi realizaram uma das maiores apreensões de impostos do país. A investigação de meses levou ao confisco de US$ 47 milhões em Ethereum, Bitcoin e outras criptomoedas, de acordo com o Financial Times. As autoridades classificaram o evento como a maior “apreensão de criptomoedas para impostos atrasados ​​na história da Coreia”.

Gyeonggi é a província mais populosa da Coreia do Sul e inclui a capital do país, Seul.

Publicidade

As autoridades apreenderam fundos de 12.000 sonegadores de impostos, conectando suas atividades nas bolsas de criptomoedas com seus números de telefone. Os investigadores tiveram que analisar esses dados manualmente porque muitas bolsas não coletaram a identificação formal dos titulares das contas. Não está claro quais exchanges foram incluídas na investigação.

Repressão regulatória da Coreia do Sul

A falta de identificação formal do KYC nas bolsas tem sido um dos principais fatores por trás da mais recente repressão regulatória da Coréia do Sul.

Em março de 2020, a Assembleia Nacional da Coreia do Sul aprovou uma lei exigindo que as bolsas locais cumpram as diretrizes de combate à lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo da Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF). As empresas de criptomoedas, principalmente as bolsas, também devem obter a aprovação da Comissão de Serviços Financeiros (FSC) e da Agência de Segurança e Internet da Coreia antes de 24 de setembro de 2021.

Esta lei inclui novos requisitos para identificar usuários, bem como clareza sobre quais ativos podem ser listados. Se a moeda de um projeto tiver baixo volume, desenvolvimento inativo ou não tiver um canal claro de comunicação com sua equipe, ela está sujeita a exclusão.

A Upbit, uma das “quatro grandes” bolsas de criptomoedas da Coréia do Sul, já começou a retirar várias moedas. A plataforma também foi uma das primeiras a ganhar uma licença regulatória para continuar operando na Coreia do Sul.

Publicidade

Quanto às bolsas menores, o cumprimento tem sido difícil. Isso ocorre porque as plataformas devem ser parceiras de um banco para obter sua licença. Os bancos, no entanto, têm relutado em se associar às corretoras de criptomoedas, criando o que uma operadora de bolsa chamou de “crise existencial”.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co

VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda de Bitcoi sob mapa da América comd estaque para Venezuela

Venezuela quer desativar todas as fazendas de mineração de criptomoedas do país

O governador do estado de Carabobo afirmou que o governo está prestes a publicar um decreto que irá proibir a mineração de criptomoedas
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Imagem da matéria: ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

Ação conjunta da ABcripto e associados visa levantar fundos e doações para desabrigados das inundações
Tela de computador com logotipo da Binance e lente de aumento

Binance vendeu direito de crédito de clientes na Genesis sem consentimento, diz jornal

Os supostos clientes afetados são da Gopax, corretora que a Binance comprou no ano passado para operar na Coreia do Sul