Imagem da matéria: Ataque ransomware pede US$ 11 mi em bitcoin para restaurar sistemas da Capcom
Desenvolvedora japonesa de jogos Capcom (Foto: Divulgação/reprodução)

A desenvolvedora japonesa de jogos Capcom, responsável por franquias famosas como Street Fighter e Resident Evil, foi vítima de um ataque ransomware no início de novembro, como informa o Coindesk. Conhecido como Ragnar Locker, o grupo de criminosos pede US$ 11 milhões em bitcoin para desbloquear o acesso aos mais de 1 TB de dados confidenciais roubados.

Em nota à imprensa, a desenvolvedora afirmou que foram afetados o serviço interno de e-mails e os servidores de arquivos, mas que não havia evidências de vazamento de informações dos usuários. Uma reportagem da rede japonesa Nikkei, no entanto, revelou que os dados criptografados incluem informações pessoais de funcionários e clientes.

Publicidade

“A Capcom expressa seu profundo pesar por qualquer inconveniente que isso possa causar às partes interessadas”, disse a empresa no comunicado, acrescentando que consultou a polícia, bem como outras autoridades relacionadas, enquanto realiza uma investigação e toma medidas para restaurar os sistemas.

A companhia garante ainda que o incidente não afetou as conexões de seus jogos online ou o acesso aos seus vários sites.

Campanhas de ransomware agem como “sequestros” cibernéticos, exigindo quantias em dinheiro para normalizar os sistemas invadidos. Os criminosos exigem que a Capcom realize pagamento até esta quarta-feira (11) para que as redes de seus escritórios no Japão, Estados Unidos e Canadá sejam liberadas.

Esse tipo de ataque foi frequente ao redor do mundo este ano. Como observado pelo Coindesk, o Japão enfrentou situação semelhante em outubro, quando escolas e sistemas eletrônicos do governo foram invadidos por hackers que também pediam resgate em BTC. Já na Áustria, a moeda digital foi a condição exigida para evitar o detonamento de uma bomba em agosto.

Publicidade

O Brasil também foi vítima de um ataque ransomware recentemente, embora este não tenha envolvido bitcoin. No dia 3 de novembro, uma invasão aos sistemas do Superior Tribunal de Justiça (STJ) interditou a corte desde então, impossibilitando o julgamento de mais de 12 mil processos. Segundo a Polícia Federal, o criminoso já foi identificado e peritos trabalham na restauração da rede.

VOCÊ PODE GOSTAR
Fazenda de Mineração de criptomoedas Salto del Guairá Paraguai -ANDE

Paraguai usa inteligência artificial para encontrar fazenda ilegal de mineração de Bitcoin

Autoridades apreenderam 176 ASICs em Saltos de Guairá com ajuda de sistema que mede a tensão de redes elétricas
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

ETFs de Bitcoin à vista já controlam mais de 1 milhão de BTC

Mais da metade dos US$ 70,5 bilhões em fundos está praticamente dividida entre Grayscale e BlackRock