Imagem da matéria: As consequências para o Bitcoin da inundação de uma mina de carvão na China
Foto: Shutterstock

Uma mina de carvão localizada na região de Xinjiang, na China, inundou e fechou no último fim de semana. O efeito resultante na indústria de mineração de Bitcoin da China destacou como a prática ainda depende fortemente do carvão.

O fechamento da mina coincidiu com uma queda significativa na taxa de hash do Bitcoin – a unidade de medição do poder de processamento da rede Bitcoin. Na verdade, a taxa de hash do Bitcoin caiu para seu nível mais baixo desde novembro de 2020 durante o apagão da mina, de acordo com os dados da Coin Metrics.

Publicidade

Esses números destacam a dependência da rede Bitcoin de combustíveis fósseis, em vez de energia renovável.

Problema de energia suja do Bitcoin

A mineração de bitcoins é um negócio que consome muita energia e, apesar de alguns esforços para se transformar em energia renovável, a rede ainda depende fortemente de combustíveis fósseis, especialmente na China.

“A atual obsessão da China por usinas a carvão – apesar das promessas de emissão de gases do efeito estufa – significa que certos mineradores podem tirar vantagem da energia “suja” barata em algumas regiões”, disse Jason Deane, analista de Bitcoin da Quantum Economics, ao Decrypt. Ele acrescentou que “é uma decisão comercial, e não ambiental.

Um estudo publicado pela Cambridge University estima que apenas 39% da energia usada para minerar Bitcoin atualmente vem de fontes renováveis. Usando esta figura, a pegada de carbono do Bitcoin é amplamente equivalente a aproximadamente 61 bilhões de libras de carvão queimado, o consumo médio de eletricidade de nove milhões de casas, ou 138 bilhões de milhas dirigidas por um veículo de passageiros médio.

A China – como muitos outros países – se comprometeu com certos objetivos a fim de proteger o meio ambiente e reverter as mudanças climáticas. Em particular, o país se comprometeu a se tornar neutro em carbono até 2060.

Publicidade

Há muitas tarefas pela frente antes que a China possa cumprir sua promessa, mas uma delas envolve tornar o consumo de energia do Bitcoin mais verde do que é atualmente. A revista científica Nature publicou recentemente um estudo revelando que, se não for verificado, a indústria de mineração de Bitcoin da China pode gerar até 130,5 milhões de toneladas de emissões de carbono até 2024.

No entanto, Deane sugere que, com o tempo, o impacto ambiental do Bitcoin diminuirá à medida que a mineração se tornar mais distribuída globalmente. “O Bitcoin é uma rede global e, à medida que mais e mais players em grande escala estão se juntando a essa rede em muitas localizações geográficas diferentes, a dependência do mundo da taxa de hash da China e, em particular, da infame “energia suja” daquela região diminuirá,” ele disse.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Dados do CoinGecko mostram que o Bitcoin subiu cerca de 3% no último dia e no período de uma semana valorizou em 9%
Donald Trump ex-presidente dos EUA

Donald Trump recebe compradores de seus NFTs em jantar de luxo

O ex-presidente resolveu aproveitar o dia de folga do Tribunal de Nova York para receber os apoiadores no resort de luxo Mar-a-Lago
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram