Governo da Argentina investiga se Diário Oficial baseado em blockchain foi hackeado
Foto: Dennis Fidalgo/Flickr

Dentre os países do G20, a Argentina deverá ser o país com a maior recessão em 2020, conforme indicado pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) na terça-feira (01).

A Argentina tem uma queda de PIB prevista de 12,9% pela organização internacional. De acordo com o jornal Clarín, a queda deverá ser a maior dentre todas economias pertencentes ao G20, baseando-se no relatório de perspectivas semestral da OCDE.

Publicidade

A organização internacional prevê as variações de PIB em cada relatório anual, com previsões também para o ano seguinte. Em 2019, a queda prevista para o PIB argentino era de 11,2%, mais baixo do que o previsto para esse ano no relatório atual. 

O mesmo relatório também constata uma grande melhora para o país vizinho em 2021, com crescimento previsto em 3,7% e de 4,6% em 2022, conforme apontou a apuração do Clarín.

A Argentina pode ser detentora do maior recuo, mas dentro do G20 há muitas outras recessões previstas pela OCDE. Os outros piores resultados econômicos ficam com a Espanha (-11,6%), Reino Unido (-11,2%), Grécia (-10,1%) e Índia (-9,9).

Avanço da COVID-19

Como argumentação, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico aponta que a maior recessão dentre os G20 está diretamente atrelada ao avanço da pandemia de COVID-19 no país. 

Publicidade

Crescentes desequilíbrios macroeconômicos e as medidas prolongadas para conter o avanço da epidemia estão diminuindo o ritmo de recuperação da economia argentina, com um lockdown que bloqueou completamente o turismo doméstico e internacional no país.

De acordo com a entidade, a melhora gradual desse quadro pandêmico e levantamento de medidas restritivas irão permitir uma mais acelerada recuperação do consumo, do turismo e do investimento.

O déficit fiscal também foi outro elemento apontado, questão que adiciona mais pressão à inflação já problemática. O relatório também alerta que as falências e perda de empregos aumentarão quando expirarem os subsídios para o pagamento de salários e a proibição de demissões. 

Contudo, a OCDE recomenda uma estratégia nacional para evitar um novo confinamento frente a uma possível e provável segunda onda de infecção, tendo em vista os efeitos regressivos que medidas governamentais atuais tem na economia a fim de conter o COVID-19.

Publicidade

No final de novembro, o FMI (Fundo Monetário Internacional) apontou que a Argentina também está entre os dez países do mundo com maior inflação (36% ao ano) ao lado de nações como Venezuela (6.500%) e Zimbábue (495%).

VOCÊ PODE GOSTAR
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
Donald Trump ex-presidente dos EUA

Donald Trump recebe compradores de seus NFTs em jantar de luxo

O ex-presidente resolveu aproveitar o dia de folga do Tribunal de Nova York para receber os apoiadores no resort de luxo Mar-a-Lago
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”