Imagem da matéria: Apple e Netflix tomaram calote da FTX, revelam documentos
Foto: Shutterstock

Os consultores da recuperação judicial da corretora FTX finalmente revelaram a lista completa dos credores institucionais da empresa na quarta-feira (25). O documento mostra os nomes das companhias às quais a exchange deve dinheiro, fornecendo uma visão abrangente das entidades envolvidas na recuperação judicial.

O documento — organizado em ordem alfabética e com mais de cem páginas — mostra até que ponto o impacto do colapso da FTX se estende, listando empresas de tecnologia — da Apple e Netflix à WeWork — e vários veículos de mídia, como o jornal Wall Street Journal, além do portal CoinDesk.

Publicidade

A lista não inclui os montantes específicos em dólares, relativos às dívidas de cada empresa na matriz de credores, nem informações específicas relativas a clientes individuais, dos quais mais de 9,6 milhões foram retirados do documento. A inclusão de uma empresa na lista não significa necessariamente que a entidade tenha uma conta de negociação na FTX.

Colapso da FTX

A FTX, antes um player dominante no setor de criptomoedas, entrou em colapso após uma corrida bancária na exchange em novembro. A crise de liquidez forçou a FTX a admitir que os ativos dos clientes não estavam totalmente garantidos ea entrar com um pedido de recuperação judicial após uma tentativa malsucedida de última hora de vender a empresa ao seu principal rival, a Binance. Com isso, o fundador da empresa, Sam Bankman-Fried, foi preso e acusado de oito crimes financeiros relacionados com o colapso da exchange.

O desenrolar da recuperação judicial se revelou, até agora, um processo longo e complicado, com o antigo responsável pela liquidação da Enron, John J Ray, supervisionando a reestruturação da empresa. A liberação da lista de credores foi aprovada pelo juiz John Dorsey em Delaware, onde o caso continua a acontecer. Os advogados da FTX avaliaram anteriormente que a exchange pode ter mais de 1 milhão de credores.

Lista de credores da FTX

Antes, os documentos judiciais revelaram que a FTX devia, somente aos seus 50 maiores credores, cerca de US$ 3,1 bilhões, sem mencionar nomes específicos. O pedido específico deixou claro que os dez principais credores da FTX têm mais de US$ 100 milhões cada em créditos não garantidos.

Publicidade

A lista divulgada na quarta-feira inclui várias empresas nativas do setor de ativos digitais, como a Coinbase, Binance Capital Management, Chainalysis, Yuga Labs, Doodles e Silvergate Bank. O Reddit, que lançou avatares NFT baseados em Polygon em sua plataforma no ano passado, também é mencionado como credor.

O Silvergate é apenas um dos vários bancos mencionados na matriz de credores, que lista outros como CitiGroup e Wells Fargo. Outras empresas que tinham investido na exchange, como a Blackrock e a Sequoia Capital, também aparecem na lista.

Alguns casos de empresas mencionadas podem estar ligadas a dinheiro devido pela FTX por bens e serviços. A Pharmacy CVS está listada como um dos credores corporativos da exchange, bem como a Netflix e a Comcast.

Além de todos esses nomes, vários departamentos de receita de diversos Estados dos EUA também estão incluídos na matriz de credores, do Alabama ao Wyoming, e até mesmo o Ministério das Finanças das Bahamas aparece como credor no processo de recuperação judicial.

Publicidade

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem no escuro sugere hacker confuso

Ataques hacker no mercado cripto caíram pela metade em março, aponta relatório

Levantamento diz que queda na exploração de protocolos DeFi vem ocorrendo mês a mês
piramide financeira criptomoedas

Ex-diretora da pirâmide OneCoin é condenada a 4 anos de prisão nos EUA

Onecoin foi criada pela búlgara Ruja Ignatova, a famosa “Rainha das Criptomoedas” foragida do FBI
Imagem da matéria: Correlação entre Bitcoin e Ether está prestes a passar por "cruz da morte"; entenda os efeitos

Correlação entre Bitcoin e Ether está prestes a passar por “cruz da morte”; entenda os efeitos

A “cruz da morte” poderá frear os avanços do Ethereum e demais altcoins
Imagem da matéria: Bitcoin fecha 1º trimestre com alta de 66% e novo recorde de preço

Bitcoin fecha 1º trimestre com alta de 66% e novo recorde de preço

O Bitcoin fecha o primeiro trimestre do ano com uma valorização de 66,8%, cotado hoje a US$ 70.700