Imagem da matéria: Ação na Justiça pede R$ 3 milhões de trader que desapareceu dinheiro de clientes
Trader Vinicius Ibraim apagou as redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Muito antes de o day trader Vinícius Ibraim desaparecer com o dinheiro de dezenas de clientes, ele vem enfrentando desde julho um processo na Justiça de São Paulo no qual o autor cobra uma dívida de R$ 3,29 milhões.

Apesar de o valor da ação constar como R$ 350 mil, a decisão nesse processo se remete à cobrança da dívida milionária. O ocorreu em julho de 2019.

Publicidade

O que se vê no processo repete um procedimento similar ao que aconteceu no final de outubro. A vítima havia aplicado em contratos futuros de dólares e índice da B3. No início tudo parecia correr bem, mas em um só dia veio o desastre e o Ibraim perdeu todo o dinheiro de seu cliente.

O day trader não operava sozinho. Por meio de sua empresa Topcoins Serviços de Agenciamento de Negócios Eireli, Ibraim atuava em parceria com a empresa Oportuninvest Operações Digitais Ltda, dos sócios Sebastião Gomes e Edilson Games. 

O contrato que a reportagem teve acesso traz a promessa de que qualquer prejuízo seria coberto pelos contratados. 

O negócio ainda envolvia uma terceira empresa chamada Necton investimentos S.A. Corretora de Valores Mobiliários e Commodities. Essa companhia seria onde as operações se efetuariam na B3. O cliente, que luta para reaver os milhões, perdidos abriu uma conta nessa corretora sob orientação do day trader.

Jogo de empurra

Quando ocorreu o dia em que o dinheiro sumiu, Vinícius Ibraim teria colocado a culpa na corretora. De acordo com a vítima, Ibraim disse que a Necton não cumpriu com as obrigações assumidas de liberação de contratos. Isso, então, teria resultado na falta da execução das ordens no contratos futuros feitas pelo day trader, o que ocasionou no prejuízo milionário. 

Publicidade

Já a Necton teria afirmado que o problema foi que o day trader atuou no mercado de forma incomum. O problema é que a conta ficou com a vítima, a qual teve de recorrer à Justiça para ter seu dinheiro de volta.

O processo

A ação que tramita na Justiça de São Paulo ainda está longe de se resolver. A única decisão que consta no processo é do juiz afirmando que o foro regional de Pinheiros é incompetente para analisar uma questão milionária como essa e ordenou que o processo fosse encaminhado para uma das varas centrais de São Paulo.

“Ultrapassado o limite de 500 salário mínimos, em razão de critério funcional e, portanto, de competência absoluta, este Juízo é incompetente para o julgamento da ação, que, assim, deve ser processada por uma das varas cíveis centrais da Capital”.

Day Trader pop

Com mais de 200 mil seguidores no Instagram, Vinícius Ibraim era o típico day trader pop que prometia facilidades. Ele vinha vendendo cursos presenciais a R$ 5 mil e operando na Bolsa de Valores ao vivo. Além disso, ele oferecia aos clientes um fundo que rendia 2% ao mês fixos.

Publicidade

Após desaparecer por alguns dias, ele gravou um vídeo e enviou para alguns clientes. No vídeo, ele disse que sumiu por conta das ameaças e prometeu que pagaria todos os clientes. Contudo, não disse como pagaria uma vez que seu CPF foi bloqueado por inadimplência na B3.

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…