Imagem da matéria: Em vídeo, day trader acusado de sumir com dinheiro de clientes promete devolver tudo
Vinicius Ibraim em vídeo no qual tenta se explicar (Foto: Arquivo Pessoal)

O day trader Vinicius Ibraim quebrou o silêncio e gravou um vídeo no qual disse não ter perdido R$ 30 milhões em uma operação, mas sim R$ 700 mil. Ele também prometeu pagar todos os clientes, mas não explicou como faria para recuperar o dinheiro.

A mensagem circulou na tarde desta sexta-feira (06) nos grupos de clientes afetados pelas perdas que se formaram após o trader apagar todas as redes sociais. Ele começa tentando explicar o que ocorreu:

Publicidade

“No dia 27, eu estava operando ao vivo na presença de todos os meus clientes. Houve uma que perda que não chega nem próximo dos R$ 30 milhões que a mídia está falando. Foi em torno de R$ 700 mil. Tudo que é feito na Bolsa tem como comprovar”, diz.

Em seguida, ele explicou a razão pela qual se ausentou após a operação mal-sucedida:

“A operação acabou às 17h e fiquei quarta, quinta e sexta recolhido pensando no que eu ia fazer. Quando retornei, estava sofrendo ameaças e fiquei com medo pela minha vida e pela vida do meu filho. Então sábado, domingo e segunda, fiquei pensando no que fazer pra preservar a minha vida e do meu filho”.

Apenas uma semana depois da perda, no dia 3, ele afirmou ter criado um grupo no Telegram para comunicar aos clientes sobre pagamentos, mas pediu paciência.

Veja o vídeo no qual Vinicius explica o que aconteceu:

Problemas

Em conversa com o Portal do Bitcoin, uma das vítimas de Ibraim questionou os números. O homem, que perdeu R$ 10 mil e pediu para não ser identificado, disse que está em um grupo de WhatsApp com outros clientes.

Publicidade

“Somos 58 pessoas e só entra quem tem comprovante de depósito. No total, somamos R$ 1,4 milhão. Duas pessoas já receberam, cada uma R$ 2 mil”, afirmou.

As declarações, porém, não respondem a questões importantes sobre o caso. Conforme um comunicado da B3 (antiga Bovespa), desde o dia 6 de outubro ele estava proibido de fazer operações na Bolsa por inadimplência. Isso ocorre quando um trader não quita as dívidas com uma corretora. Ele também não disse como faria para pagar a nova dívida.

Além disso, Ibraim não comentou sobre o fundo que levava seu nome e prometia ganhos fixos de 2% ao mês, o que remete a um esquema ponzi. Pela lei, fundos desta natureza são regulados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) — o que não era o caso. O esquema sequer tinha CNPJ; os clientes depositavam diretamente em uma conta do Banco Original do trader.

Sem as informações sobre o número de clientes e os valores depositados não é possível estimar o tamanho real do prejuízo.

Publicidade

Procurado, o advogado de Vinicius Ibraim, Thiago Scopacasa, recebeu os questionamentos da reportagem. Até o fechamento deste texto, contudo, as respostas ainda não haviam sido enviadas.

VOCÊ PODE GOSTAR
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”