Logotipo da lens protocol da Aave
Divulgação

A Aave, líder em finanças descentralizadas (DeFi), arrecadou US$ 15 milhões para financiar o Lens, seu protocolo alimentado por NFTs para plataformas de redes sociais descentralizadas, conforme anunciado pela empresa nesta quinta-feira (8).

O Lens é um protocolo desenvolvido em cima da Polygon, que é uma solução de escalabilidade criada na rede Ethereum.

Publicidade

As plataformas de rede social construídas no Lens podem usar contratos inteligentes e NFTs para tokenizar dados sociais, tornando as postagens, preferências e redes tanto de propriedade do usuário quanto transferíveis para qualquer outra rede social construída sob o protocolo.

“Os usuários podem ser donos de seus perfis, do que criam e das audiências que constroem”, disse ao Decrypt o cofundador e CEO da Aave, Stani Kulechov.

Kulechov aposta que os usuários das plataformas de rede social tradicionais desejam lucrar e se apropriar daquilo que criam, algo que as maiores plataformas de rede social da Web2 não fornecem atualmente.

Conforme o Lens sai de um ano em versão beta, o protocolo tem como objetivo atrair um grande número de usuários, indo além dos defensores nativos da privacidade e descentralização da Web3. Esse público de nicho historicamente tem sido a principal audiência para alternativas da Web3 em relação aos produtos da Web2.

Publicidade

A equipe por trás do Lens está confiante de que sua proposta terá amplo apelo para os usuários de rede social que desejam ter propriedade sobre sua identidade na internet, assim como para os usuários comuns e influenciadores que até agora tiveram que construir presenças online do zero sempre que mudam do Snapchat para o Instagram ou para o Twitter. Como essas plataformas não são construídas na mesma rede, não há praticamente nenhuma compatibilidade entre elas.

“Quando os usuários criam perfis no Lens, eles só precisam fazer isso uma vez. Se um dia todas as grandes plataformas de rede social compartilharem uma rede comum, todos se beneficiarão ao construir juntos”, disse Kulechov.

Ele espera que o Lens se torne essa rede comum, na qual o conteúdo e os seguidores possam circular livremente entre as plataformas. Ele diz que a iniciativa de rede social da Aave é diferente de outras experiências recentes de redes descentralizadas devido à sua priorização da propriedade.

Nos últimos meses, surgiram várias alternativas descentralizadas às redes sociais mais famosas, especialmente depois que o Twitter, sob nova liderança do empresário Elon Musk, enfrentou diversos desafios.

Publicidade

O Bluesky, um aplicativo descentralizado apoiado pelo cofundador do Twitter, Jack Dorsey, recentemente despertou o interesse de várias celebridades e políticos.

O Nostr, um protocolo descentralizado também apoiado por Dorsey, ganhou o seu destaque recentemente. No entanto, nem o Bluesky nem o Nostr operam em uma blockchain como o Lens.

Empresas que apoiam a Lens

A rodada de investimentos da Aave para o Lens foi liderada pela IDEO CoLab Ventures, com a participação de fundos como General Catalyst, Variant, Blockchain Capital e Palm Tree.

Organizações autônomas descentralizadas (DAOs) também aderiram ao Lens: Flamingo DAO, Punk DAO e DAOJones.

Dentre os investidores-anjo que participaram da captação incluem o empresário de Web3, Balaji Srinivasan;  cofundador da Polygon, Sandeep Nailwal; o CEO da Uniswap, Hayden Adams; e o cofundador da The Sandbox, Sebastien Borget.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Grupo criou aplicação para conectar via blockchain produtores de energia e estações de abastecimento, com a mira no mercado de carros elétricos
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…