Imagem da matéria: A volta dos NFTs do Coachella e a máxima da isca de engajamento
(Foto: Shutterstock)

Aparentemente, o Coachella parece ter superado o trauma do colapso da FTX. Depois de escantear seus colecionáveis digitais oriundos da parceria com a falida corretora da edição do ano passado, o festival voltou a falar em “fornecer experiências exclusivas na vida real e online por meio dos NFTs” para 2024.

O Coachella Keepsakes, o primeiro de três coleções, foi lançada no último dia 5 via OpenSea. Vendido a US$ 1.499, ele dá acesso a um Vip Pass para o Oasis Lounge, “um um espaço tranquilo que oferece uma variedade de bebidas de cortesia.”

Publicidade

As demais séries entregam “mercadorias de edição limitada exclusivas para titulares” e “uma lembrança da colaboração artística.”

Os organizadores dizem estar “entusiasmados em trabalhar em novos casos de uso”. Pergunto: quais seriam?

Sinto informar-lhe, Coachella, mas você está apenas replicando os mesmos formatos fracassados na tentativa de levar os ativos digitais para o mainstream em iniciativas pontuais com o pretexto de oferecer benefícios por meio de tokens. Não há novidade!

E as frases aspeadas propositalmente evidenciam o quão enraizado segue aquele discurso clichê e vazio sobre usar a tecnologia para “aumentar as conexões entre fãs e marcas” e blá, blá, blá…

Quer entender como o jogo pode mudar um pouco de figura?

No início de fevereiro, a Mastercard promoveu um quiz sobre a UEFA Champions League liberado todas as terças-feira 30 minutos antes dos jogos da competição. Os participantes têm seu desempenho elencado em um raking e tornam-se elegíveis para concorrer a ingressos, incluindo o da grande final no Estádio de Wembley, em 1º de junho.

Fãs dos Estados Unidos, Reino Unido, França, Espanha e Brasil podem participar do torneio desde que tenham coletados “passes NFT da marca por meio da plataforma Pass to Priceless.”

Publicidade

As funcionalidades de gamificação como a proposta pela Mastercard despontam como uma sobrevida aos produtos digitais na busca pelo apreço do fandom esportivo – favor não confundir esta categoria ampla e não nativa com especuladores que se passam por torcedores.

Esta abordagem foi sugerida por Scott M. Lawin para atingir a classe definida por ele como “crypto curious” e “no-coiners alike”. E há um tom de apelo feito pelo cofundador e CEO da Candy Digital, a plataforma blockchain para esportes usada pela Major League Baseball (MLB):

“Os fãs querem ser jogadores, não apenas proprietários. Os fãs querem se conectar, e não apenas colecionar.”

Lawin se apega ao 2023 Future of Sports Fandom da Deloitte para reforçar sua crença que ainda em 2024 os “projetos Web3” para esportes poderão ganhar tração a partir da entrega de plataformas que geram mais interações. Será?

A Altman Solon 2023 Global Sports Survey conversou com 150 executivos de esportes sobre o impacto das novas tecnologias na indústria. E a principal conclusão da maioria (79%) é de que a produção automatizada de conteúdo puxará a fila entre as grandes inovações. Do total, 52% acreditam no aumento de conteúdo a partir da gamificação, estatísticas e AR/VR.

Publicidade

Em relação à Web3, só 26% a enxergam como uma “tecnologia que fará a diferença” nos negócios.

É bem provável que o resultado reflete não só a falta de conhecimento sobre como de fato usar a blockchain, como também sinaliza o atropelo que a pauta Web3 sofreu a partir das conversas incessantes sobre inteligência artificial.

Como mostrei em meu último artigo aqui, a pregação teórica e exaustiva ainda não superou o desinteresse e o repúdio do mainstream em relação à criptografia e blockchain.

Ao contrário de Lawin, não enxergo 2024 – e nem os próximos – como o ano da retomada, especialmente considerando esta toada carente de criatividade e de uma real utilidade que quebra ao meio a fadiga do discurso para nativo digital ver.

Resgato o que Thomas Euler escreveu há quase um ano em artigo publicado no SportsPro Media: os fãs não desejam pseudo-interações ou ‘iscas de engajamento’ que carecem de sinceridade.

Para o dono da Liquiditeam, plataforma blockchain usada pelo Borussia Dortmund em 2021, “a impressão geral é que tudo o que a Web3 tem a oferecer são lançamentos vazios de NFT e projetos de token.”

Publicidade

Por ora, a tônica é a mesma, e a definição de Euler não irá envelhecer tão cedo. Os novos (?) NFTs do Coachella e a enxurrada de fan tokens e figurinhas digitais com as quais você já se deparou estão aí para ratificar essa máxima.

Sobre o autor:

Eduardo Mendes é consultor para cultura e inovação. Cofundador da The Block Point (TBP), a primeira newsletter em português sobre Web3 no Brasil, ele é co-criador do Território Alvinegro, a plataforma que reúne as iniciativas digitais do Atlético-MG. Também foi responsável pelo primeiro case do uso de produtos digitais em um festival de live música no Brasil com a T4F, e desenvolveu o projeto piloto de Web3 da OneFootball no país com a TBP.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Festa secreta em São Paulo agita a agenda do halving do Bitcoin

Festa secreta em São Paulo agita a agenda do halving do Bitcoin

O evento acontece no sábado (20) em São Paulo; veja como participar
Imagem no escuro sugere hacker confuso

Ataques hacker no mercado cripto caíram pela metade em março, aponta relatório

Levantamento diz que queda na exploração de protocolos DeFi vem ocorrendo mês a mês
Dedo indicador apoia bolo de dinheiro em forma digital

Mercado Bitcoin e Escala se juntam em tokenização inédita de R$ 29 milhões em operação na fintech Asaas

Operação viabilizou o acesso de clientes qualificados do MB a investimento na Asaas, antes restrito a grandes fundos de VCs
Imagem da matéria: Memecoin assume ser golpe e mesmo assim recebe R$ 146 mil de investidores

Memecoin assume ser golpe e mesmo assim recebe R$ 146 mil de investidores

Criadores da memecoin THEPLAN alertaram: “Não compre esta moeda, pois ela irá para zero”