Imagem da matéria: "A Cielo de R$ 4 bilhões ficou de lado", diz presidente da empresa
Foto: Divulgação/Cielo

Com o aumento da guerra das “maquininhas”, a Cielo resolveu atacar em duas frentes. Ao mesmo tempo que defende um índice para o Custo Efetivo Total, de modo a garantir mais transparência ao setor, a empresa quer ser “menos maquininha e mais tecnologia”, nas palavras de Paulo Caffarelli, presidente da empresa.

“Não há empresa mais bem posicionada no setor”, disse Caffarelli, em entrevista ao Broadcast do Estadão. A visão é compartilhada pelos analistas de mercado: Na quarta-feira (8), o HSBC afirmou, em relatório, que, apesar da “sombria” perspectiva de curto prazo, a estratégia de focar na liderança, sacrificando a rentabilidade, está correta. Com isso, as ações da Cielo subiram quase 3,5% na semana.

Publicidade

“Em 2007, quando saí do setor bancário, a perspectiva era a mesma”, disse Ciafarelli ao Estadão. O executivo comentou que o consumidor tinha dúvida de quanto pagava e os bancos começaram a divulgar as taxas de cada transação. Assim, ele acredita que o mesmo acontecerá com as maquininhas de pagamento, facilitando a vida dos lojistas.

O executivo da Cielo acredita que a divulgação da CET deixa clara a precificação do setor e estimula a concorrência. Para Caffarelli, o lojista quer receber os pagamentos de forma rápida e, se isso ocorrer com menores taxas, melhor. Ele comenta que a Cielo mudou sua estratégia, antes focada em rentabilidade: “Vamos focar no volume. A Cielo de R$ 4 bilhões vai ficar de lado, por um tempo”.

De acordo com o executivo, a concorrência de rivais como lojas de varejo e mesmo sites como o Facebook são motivo de preocupação. “Além do posicionamento de mercado, o setor de pagamento precisará adicionar tecnologia ao negócio. Mas as maquininhas ainda serão relevantes no crédito, para capturar, processar e liquidar pagamentos”, disse Ciafarelli.

A empresa projeta crescimento em 2019: “Estamos em 100% das cidades brasileiras. Até julho, projetamos 2 mil novos credenciamentos por dia. Estamos vendo o que está acontecendo no mundo e nos preparando para o novo momento. Não queremos ser uma nova Kodak”, afirmou o executivo.

Publicidade

3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br


VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao "Faraó do Bitcoin"

Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao “Faraó do Bitcoin”

Réu é acusado de ser responsável pela segurança do criador da GAS Consultoria e vender armas para a organização criminosa
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais