Vivek Ramaswamy
Shutterstock

O pré-candidato à Presidência dos EUA, Vivek Ramaswamy, conseguiu a atenção da mídia após um desempenho surpreendente no primeiro debate das primárias do Partido Republicano na semana passada. Agora, o público está examinando mais de perto a visão desse empreendedor do setor de tecnologia para os EUA — incluindo o papel da criptomoedas e do Bitcoin.

Embora muitas das políticas propostas por Ramaswamy se pareçam com as de seus principais adversários, elas também tendem a se inclinar ainda mais para o domínio do extremo e provocativo.

Publicidade

O empresário de 38 anos pediu a abolição do FBI, do Departamento de Educação e da Comissão Reguladora Nuclear. Ele reconhece que as alterações climáticas são provocadas pelo homem, mas alega que a única solução é duplicar o consumo de combustíveis fósseis.

Ramaswamy também tem sido um defensor dos criptoativos. Agora, à medida que o candidato cresce nas pesquisas, suas opiniões sobre a questão parecem oferecer um vislumbre de como o discurso sobre as criptomoedas está mudando na eleição presidencial.

Nesta semana, Ramaswamy celebrou uma decisão da Justiça americana contra a SEC, na qual um tribunal abriu a porta para a possibilidade de um ETF de Bitcoin à vista da gestora Grayscale que a SEC tentou bloquear, semelhante aos pedidos de outras empresas.

Ramaswamy afirmou que “o governo em Washington está fora de controle, e os tribunais federais são a nossa única linha de defesa remanescente contra os comportamentos ilegais e desonestos de agências governamentais de três letras”. 

Publicidade

Ao lançar a SEC como o principal (se não o único) vilão na saga da regulação das criptomoedas nos EUA, o empresário millenial se afastou da retórica de outros candidatos presidenciais republicanos (como Ron DeSantis), que geralmente procuraram pendurar o ceticismo cripto no pescoço do presidente Joe Biden. 

É verdade que os legisladores Republicanos há muito criticam o presidente da SEC, Gary Gensler, como uma figura nefasta e anticripto — mas alguns candidatos presidenciais republicanos até repreenderam a SEC por não ir longe o suficiente em certos casos, como na falta de prevenção do colapso da exchange cripto FTX em novembro de 2022.

Ao enquadrar a SEC como uma ameaça burocrática existencial que não faz bem à nação, e não apenas como um fantoche e porta-voz da administração Biden, Ramaswamy parece estar tentando fundir seu discurso inflamado em sua campanha contra a existência de grande parte dos departamentos do governo federal. 

Contra o “Estado profundo”

Nas paradas da campanha, Ramaswamy rotineiramente promete encerrar o que classifica como “quarto ramo do governo”, o suposto “Estado profundo” dos burocratas do poder executivo, que o candidato alega, exercer um controle secreto e inexplicável sobre as máquinas da nação.

Publicidade

O ex-presidente Donald Trump invocou rotineiramente esse “Estado profundo” como um inimigo político enquanto estava no cargo, muitas vezes para condenar qualquer membro do governo cujas ações o presidente não aprovava.

Nesse sentido, as invocações do “Estado profundo” muitas vezes transcendem a política partidária: até mesmo um presidente no poder, aparentemente, pode ser alvo de seus tentáculos invisíveis. Parece que esta mesma lógica também se aplica à SEC, aos olhos de Ramaswamy.

Embora muitos outros candidatos republicanos provavelmente veriam a questão cripto como resolvida com a substituição de Gensler por um presidente da SEC mais amigável, a mensagem de Ramaswamy parece cada vez mais preocupada em rotular a mera existência da SEC como problemática. 

Resta saber se a aparente tática de Ramaswamy de tentar superar Trump com posturas mais provocativas do que as do ex-presidente atrairá os eleitores das primárias republicanas. Mas seu recente crescimento nas pesquisas sugere que pode estar funcionando.

E quanto mais Ramaswamy enquadra a questão da regulamentação como uma luta contra os atores do “Estado profundo”, cuja existência em si é uma ameaça — mais do que como uma questão política que os democratas definem como o maior perigo — mais imprevisível pode ser o discurso presidencial sobre criptoativos.

Publicidade

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: CVM aplica multa de R$ 55,8 milhões a Atlas Quantum e dono foragido

Manhã Cripto: CVM aplica multa de R$ 55,8 milhões a Atlas Quantum e dono foragido

A CVM multou a pirâmide financeira Atlas Quantum após identificar indícios “robustos e consistentes” de que tudo não passava de uma operação fraudulenta
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Ethereum pode surpreender positivamente nos próximos meses, diz Coinbase

Subindo menos que outras criptomoedas em 2024, o Ethereum pode se recuperar e superar seus pares nos próximos meses, avalia a Coinbase
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso