Imagem da matéria: Vítimas de pirâmide que deixou prejuízo de US$ 2,4 bilhões só vão receber US$ 17 milhões de restituição
Foto: Shutterstock

Cerca de 800 vítimas da infame pirâmide financeira BitConnect deverão receber em breve uma restituição – ainda que pequena. Um tribunal da Califórnia, nos EUA, determinou nesta sexta-feira (13) que US$ 17 milhões recuperados do golpe deverão ser restituídos a cerca de 800 vítimas que entraram com uma ação coletiva.

A BitConnect é uma das maiores fraudes financeiras da história, tendo deixado um prejuízo de US$ 2,4 bilhões aos redor do mundo, especialmente nos EUA. Tratava-se de uma suposta plataforma de empréstimo cripto que promovia uma tecnologia proprietária, incluindo o “Trading Bot” e o “Volatility Software”, que deveriam render aos investidores retornos garantidos.

Publicidade

“Na verdade, no entanto, a BitConnect operou um clássico esquema Ponzi, pagando aos investidores anteriores da BitConnect dinheiro de investidores posteriores”, diz o Departamento de Justiça dos EUA em comunicado à imprensa.

Glenn Arcaro, o promotor da BitConnect nos EUA, se declarou culpado de conspiração para cometer fraude eletrônica em setembro de 2021 e foi condenado a 38 meses de prisão um ano depois.

Em fevereiro de 2022, o Departamento revelou então uma acusação contra o fundador do projeto, Satish Kumbhani—que ainda está foragido—, acusando-o de obter aproximadamente US$ 2,4 bilhões de investidores.

O governo está acusando Kumbhani de conspiração para cometer fraude eletrônica, conspiração para cometer manipulação de preços de commodities, operação de um negócio de transmissão de dinheiro não licenciado e conspiração para cometer lavagem de dinheiro internacional.

Publicidade

A fraude cripto da Bitconnect

Lançada em fevereiro de 2016, a BitConnect usou uma estrutura de pirâmide de várias camadas para recompensar os investidores com base no número de afiliados que eles trouxeram para o programa.

O próprio token da BitcConnect, o BCC, chegou a ser a oitava moeda mais valiosa do mundo em outubro de 2017 e vangloriou-se de uma capitalização de mercado de quase US$ 2,6 bilhões até o final deste ano.

O projeto prometia retornos médios diários de 1%, implicando a possibilidade de transformar US$ 1 mil em US$ 36 mil em um ano.

Muitas figuras proeminentes, incluindo o criador do Litecoin, Charlie Lee, o inventor do Ethereum, Vitalik Buterin, e Mike Novogratz da Digital Galaxy fizeram diversas advertências sobre os perigos do projeto, com Mike chamando a BitConnect de “Ponzi clássico.”

Publicidade

A BitConnect entrou em colapso em 2018 quando os reguladores pegaram o projeto, forçando um fechamento. Os investidores eventualmente recuperaram seus tokens BCC, mas a essa altura, a moeda havia caído de seu recorde histórico de cerca de US$ 500 para basicamente zero.

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA processou separadamente a Bitconnect em setembro de 2021, quase três anos após o encerramento do projeto.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
ilustração mostra logo da pepecoin PEPE subindo ao céu

PEPE e BONK valorizam mais de 30% nas últimas 24 horas

Memecoin PEPE bateu sua máxima histórica nesta terça-feira (21), em momento de forte aquecimento do mercado cripto
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Imagem da matéria: CEO da Grayscale deixa cargo: "Momento certo para transição"

CEO da Grayscale deixa cargo: “Momento certo para transição”

A Grayscale, uma das maiores gestoras de criptomoedas do mundo, anunciou que Michael Sonnenshein está deixando o cargo de CEO
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins