Vitalik Buterin criador do Ethereum
Shutterstock

O cofundador do Ethereum, Vitalik Buterin, debateu nesta terça-feira (5) sobre os desafios de descentralização e escalabilidade enfrentados pela blockchain do Ethereum, durante sua participação na conferência Korea Blockchain Week, e revelou que o maior desafio da rede é a combater a centralização de nós (nodes).

Para Vitalik, futuras atualizações da rede podem permitir que nós completos sejam executados em telefones celulares e que as atualizações planejadas do Ethereum, incluindo ‘clientes apátridas’, ajudarão a descentralizar a rede.

Publicidade

“No longo prazo, há um plano para manter nós Ethereum totalmente verificados, onde você possa literalmente executá-los em seu telefone”, disse Vitalik na conferência, de acordo com o site Cointelegraph, que acompanha o evento KBW2023: IMPACT.

Nós completos são dispositivos de computação que validam e verificam todas as transações e contratos inteligentes na blockchain do Ethereum.

Atualmente, um nó completo requer especificações de hardware, incluindo uma unidade de estado sólido (SSD) maior que 2 terabytes, juntamente com 16 gigabytes de RAM.

Esses requisitos aumentaram o nível de centralização, com a maioria dos nós completos sendo executados em servidores centralizados como Amazon Web Services.

Publicidade

Quebra-cabeça dos nós de Ethereum

Vitalik destacou seis problemas principais que devem ser abordados para resolver a centralização da rede Ethereum, chamando os nós completos de “grande peça do quebra-cabeça” na busca por uma maior descentralização.

Ele apontou o roteiro do Ethereum , que inclui “clientes apátridas” usando “Verkle Trees” (árvores Verkle), como meio de reduzir significativamente os requisitos de hardware para executar nós completos na rede.

“Hoje, são necessários centenas de gigabytes de dados para executar um nó. Com clientes apátridas, você pode executar um nó basicamente em zero”, disse Vitalik.

A apatridia envolve a redução da dependência da rede de todos os nós que precisam armazenar todo o estado da blockchain Ethereum, para exigir apenas espaço limitado para validação de transações.

Publicidade

Em uma postagem recente em seu blog, a Fundação Ethereum descreveu o conceito de apatridia fraca, em que apenas os produtores de blocos precisam de acesso aos dados completos do estado, enquanto os verificadores não exigem todos os dados.

No entanto, Buterin também mencionou que a implementação da apatridia acarreta em “problemas técnicos”, que podem ser resolvidos num “calendário de 10 anos, talvez de 20 anos”.

Distribuição de ETH em staking

Vitalik Buterin também abordou outras preocupações de centralização, incluindo a necessidade de uma distribuição mais ampla de ETH em staking e de tornar a documentação mais fácil para desenvolvedores e usuários.

Em uma mensagem recente postada na comunidade Reflexer Finance no Discord, ele recomendou adicionar “formas não dominantes de ETH em staking (excluindo a Lido)” como novas opções de garantia na plataforma de empréstimo de stablecoin.

A Lido DAO atualmente é responsável por mais de um terço do total de ETH em staking, o que levantou preocupações de centralização.

Publicidade

Vitalik encerrou sua participação enfatizando que a escalabilidade continua a ser a questão mais urgente, com progressos a serem alcançados através da adoção de soluções cumulativas, especialmente aquelas baseadas em provas de conhecimento zero.

*Com informações do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

GameStop e AMC desabam com fim da euforia do retorno de Roaring Kitty

As ações memes da GameStop e AMC caíram drasticamente após a abertura dos mercados dos EUA na quinta-feira, recuando pelo menos 15%
máquinas de mineração de criptomoedas apreenidas em

Polícia apreende 396 mineradoras de Bitcoin em casa de ex-deputado paraguaio

Miguel Cuevas, que já foi preso por enriquecimento ilícito, agora pode também ser investigado por furto de energia
Donald Trump é fotografado em comício nos EUA

Trump agora aceita doações em Bitcoin e cumpre promessa com relação às criptomoedas

Bitcoin, Ethereum, Dogecoin, Solana, Shuba Inu e XRP estão entre criptomoedas aceitas pela candidato Donald Trump 
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo