Imagem da matéria: Venezuela Revela Detalhes da sua Criptomoeda

O governo venezuelano publicou um decreto que descreve a operação da criptomoeda nacional da Venezuela, a Petro. Ele detalha os planos do governo para a nova moeda, incluindo sua emissão, mineração e negociação. Além disso, a Petro será apoiada por 5 bilhões de barris de petróleo bruto.

5 bilhões de barris de petróleo e plano de mineração

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, atribuiu 5,3 bilhões de barris de petróleo bruto no valor de US$ 267 bilhões para apoiar a criptomoeda do seu país. Ele anunciou pela primeira vez a criação da Petro no início de dezembro.

Publicidade

Durante uma transmissão semanal de rádio e televisão nacional, ele mostrou um “documento formalizando a provisão do campo petrolífero Ayacucho, nº 1 na Faixa Petrolífera Orinoco, para o apoio da criptomoeda El Petro”, de acordo com a RT. Citando que “toda Petro será apoiado por um barril de petróleo”, Maduro confirmou:

Vamos criar uma equipe especial de especialistas em criptomoedas para que eles se envolvam na mineração em todos os estados e municípios do nosso país.

Além disso, o presidente “prometeu alocar os depósitos de ouro Arco Minero do Cinturão Orinoco junto com os depósitos de diamantes do país”, afirmou a publicação.

A Superintendência de criptomoedas e o Observatório Nacional do Blockchain supervisionarão a criação e operação da Petro.

Emissão e planos de negociação

O governo Maduro fez uma publicação que descreve um decreto composto por 13 partes, referidas como artigos; quase metade deles diz respeito aos detalhes operacionais da Petro.

O artigo 4 do decreto descreve os ativos que respaldam a nova moeda, afirmando que a Petro “é sobre o petróleo venezuelano cotado na cesta da OPEP, bem como outras commodities, incluindo ouro, diamante, coltan e gás”. Além disso, cada Petro “terá, como suporte físico, um contrato de compra e venda de um (01) barril de petróleo da cesta venezuelana de petróleo bruto ou quaisquer commodities que a nação decida”.

Publicidade

O artigo 5º revela a natureza das carteiras que detêm a Petro, bem como a convertibilidade da criptomoeda, afirmando:

O detentor da Petro pode alterar o valor de mercado do ativo criptográfico para o equivalente em outra moeda criptográfica ou em Bolívares à taxa de câmbio do mercado publicada pela casa de câmbio nacional de criptomoedas… O titular de cada Petro terá uma carteira virtual, que será a sua própria responsabilidade.

A publicação também fornece alguns detalhes da emissão da Petro e sugere uma oferta inicial de moedas (ICO). “A colocação inicial será feita através de leilão ou atribuição direta, feita pela Superintendência das criptomoedas e atividades venezuelanas relacionadas”, de acordo com o Artigo 8.

Além disso, o governo explicou no Artigo 9: “A custódia será descentralizada quando a Superintendência tiver realizado o leilão inicial e atribuído os ativos criptográficos aos investidores”.

Quanto ao prazo de lançamento, o ministro da Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez, foi recentemente citado por publicações locais, dizendo: “a primeira emissão da criptomoeda Petro será anunciada em alguns dias”. Então, durante o discurso de final de ano em uma rádio e TV nacional transmitida no domingo 31 de dezembro, Maduro revelou:

No mês de janeiro, apresentarei todas as condições para o Petro começar a operar.

Leia Também: Veja Quais Criptomoedas Mais Valorizaram em 2017

 

BitcoinTrade

A primeira plataforma Brasileira que você pode comprar com segurança utilizando o seu Cartão de Crédito como forma de pagamento. Eles aceitam Visa e Mastercard. A BitcoinTrade ainda conta com certificação de segurança PCI Compliance, a única no Brasil. Acesse aqui: https://www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação
Imagem da matéria: Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

A plataforma peer-to-peer focada na moeda de privacidade Monero (XMR) citou “uma combinação de fatores internos e externos” para sua decisão de fechar as portas