Imagem da matéria: Veja quem são as 22 pessoas mais ricas do setor de criptomoedas em 2024
Shutterstock

Talvez nenhum setor contribua com personagens mais variados para a elite global do que o de criptomoedas. Na última década, a indústria de ativos digitais transformou geeks, ladrões, executivos corporativos e usuários obscuros e anônimos da internet em “zilionários” em quase igual medida.

Tomemos, por exemplo, o hacker anônimo que roubou mais de US$ 2 milhões em Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH) da agora fechada exchange de criptomoedas de Hong Kong, Gatecoin, em 2016. O hacker da Gatecoin não tocou em suas moedas desde que fugiu com os fundos, há oito anos. O valor dessas moedas hoje é de impressionantes US$ 542 milhões – e continua aumentando.

Publicidade

Depois, há Rain Lohmus, o empresário estoniano que desembolsou insignificantes US$ 75.000 durante a pré-venda do Ethereum em 2014 por 250.000 ETH. Lohmus é agora o maior detentor individual de ETH do mundo – com apenas um problema: ele perdeu as chaves privadas de sua carteira Ethereum anos atrás. As participações cripto de Lohmus – às quais ele provavelmente nunca conseguirá acessar – valem atualmente cerca de US$ 869 milhões.

Mesmo essas fortunas elevadas, no entanto, não fazem parte da lista final das pessoas mais ricas das criptomoedas em 2024. Nem perto disso.

Na terça-feira, a Forbes divulgou sua lista anual de bilionários do mundo. Abaixo, compilamos os nomes da indústria de criptomoedas (e carteiras anônimas que se acredita serem mantidas por indivíduos) com as maiores fortunas até hoje. A lista foi determinada com base em dados on-chain analisados pelas empresas de inteligência Arkham e Nansen, dados compilados pela Forbes e Bloomberg e informações disponíveis publicamente.

A lista parece muito diferente do que era há dois anos – na época em que os NFTs eram novidade e a primeira palavra que a maioria das pessoas associava à FTX era “basquete”.

Publicidade

Por exemplo, o fundador da FTX, Sam Bankman-Fried, o segundo homem mais rico do mundo cripto em 2022, ainda estaria liderando a lista se não tivesse recebido uma sentença de prisão de 25 anos por fraude e conspiração na semana passada. Ele também foi condenado pelo tribunal a pagar uma multa de US$ 11 bilhões.

Muitos outros da elite cripto perderam seu status de bilionárias durante o último mercado de baixa. O fundador do Digital Currency Group (DCG), Barry Silbert, por exemplo – cuja fortuna valia mais de US$ 3 bilhões em 2022, de acordo com a Bloomberg – posteriormente sofreu um grande golpe em seu patrimônio líquido depois de se envolver pessoalmente em ações judiciais multibilionárias do Procurador-Geral de Nova York e os ex-parceiros de negócios Cameron e Tyler Winklevoss.

A maior parte do patrimônio líquido de Silbert provém da sua participação de 40% no DCG, que agora está em risco, dadas as dívidas e preocupações legais.

Song Chi-hyung e Kim Hyoung-nyon, cofundadores da gigante sul-coreana de cripto Dunamu, tinham US$ 3,7 bilhões e US$ 1,9 bilhão, respectivamente, em 2022, dadas as suas ações na empresa. Mas ao longo de 2023, os lucros da Dunamu diminuíram em mais de 80%, tirando os dois homens da superelite cripto.

Publicidade

Algumas quedas do status de bilionário têm mais a ver com metodologia do que com azar. Estima-se que o cofundador do Ethereum, Joseph Lubin, por exemplo, tenha controlado uma fortuna cripto no valor de quase US$ 5 bilhões. Quase toda essa estimativa, entretanto, resultou de rumores de que Lubin detinha uma porcentagem substancial de todo o ETH em circulação.

Na Consensus 2022, no entanto, Lubin disse que nunca possuiu “nem perto de meio por cento” do fornecimento circulante de ETH. Dada a história do Ethereum – e assumindo que Lubin estava dizendo a verdade – isso significa que o cofundador da criptomoeda nunca possuiu perto de US$ 1 bilhão em ETH. Além disso, ele aparentemente usou uma parte substancial de sua fortuna em ETH para financiar a ConsenSys, a incubadora de projetos blockchain que ele fundou em 2014.

Talvez surpreendentemente, mesmo o rosto mais reconhecível de cripto – o idealizador do Ethereum, Vitalik Buterin – não é rico o suficiente para chegar ao mais alto escalão da indústria. Claro, ele provavelmente teria conseguido se não tivesse sido tão gentil: Vitalik, por exemplo, já doou quase US$ 1,5 bilhão em ETH e Shiba Inu para a Índia devastada pela COVID em 2021.

Buterin detém atualmente cerca de US$ 863 milhões em criptomoedas, principalmente em ETH. Ele também possui uma quantidade não revelada da empresa de software Ethereum Starkware – embora não o suficiente para ultrapassar os US$ 2 bilhões (o limite na lista dos mais ricos deste ano).

Sem mais delongas, aqui estão os participantes mais ricos da indústria de criptomoedas, classificados pela fortuna que acumularam exclusivamente com moedas digitais e participações em empresas de cripto.

Publicidade

1) Satoshi Nakamoto (US$ 76,67 bilhões)

O rei dos reis das criptomoedas. O sempre esquivo e anônimo fundador do Bitcoin possui cerca de 1,1 milhão de BTC – e nunca tocou neles.

2) Changpeng Zhao (US$ 47,7 bilhões)

O fundador da Binance supostamente possui 90% de sua exchange de criptomoedas, a maior do mundo. Mesmo depois de resolver um processo de US$ 4,3 bilhões com o governo dos EUA e se declarar culpado de lavagem de dinheiro, ele continua sendo a pessoa mais rica (identificada) em cripto.

3) Brian Armstrong (US$ 11,5 bilhões)

O fundador da Coinbase, Brian Armstrong, possui cerca de 16% da exchange de criptomoedas americana, que quadruplicou de valor no ano passado.

4) Giancarlo Devasini (US$ 9,2 bilhões)

Estima-se que o CFO da Tether seja o maior acionista individual da empresa, com uma participação de 47% na emissora de stablecoin. Tether é a terceira maior criptomoeda em capitalização de mercado e um dos maiores detentores de Bitcoin do mundo.

5) Baleia Anônima de Bitcoin nº 1 (US$ 6,59 bilhões)

Pouco se sabe sobre esta carteira cripto, que os analistas acreditam não pertencer a nenhuma empresa do setor ou governo – tornando esta baleia a maior detentora anônima de Bitcoin além de Satoshi. Após cinco anos de inatividade, começou a movimentar bilhões de dólares em BTC na semana passada.

6) Hackers da Mt. Gox (US$ 5,57 bilhões)

O hack bombástico de 2011 da antiga exchange de Bitcoin Mt. Gox abalou o mundo cripto. Os ladrões roubaram centenas de milhares de BTC, que agora valem dezenas de bilhões de dólares. Grande parte dos fundos foi armazenada em uma carteira que permaneceu inativa desde então. No verão passado, promotores federais acusaram dois homens russos pela façanha.

Publicidade

7) Michael Saylor (US$ 5 bilhões)

Um dos defensores publicamente mais ferrenhos do Bitcoin, Saylor fundou a MicroStrategy, que possui mais de US$ 13 bilhões em BTC. Além de possuir cerca de 12% da MicroStrategy, Saylor afirma possuir pessoalmente mais de US$ 1,2 bilhão em BTC.

8) Baleia Anônima de Bitcoin #2 (US$ 4,13 bilhões)

Este grande detentor anônimo de Bitcoin controla 0,31% de todo o BTC em circulação. A baleia surgiu pela primeira vez em outubro de 2021 e estava ativa em janeiro.

9) Jean-Louis van der Velde (US$ 3,9 bilhões)

O secreto ex-CEO da Tether possui 20% da emissora de stablecoin. Atualmente ele é CEO da exchange de criptomoedas Bitfinex.

10) Baleia Anônima de Bitcoin nº 3 (US$ 3,76 bilhões)

A próxima maior baleia Bitcoin não fez uma única transação desde que recebeu 53.880 BTC em 2014.

11) Baleia Bitcoin Anônima #4 (US$ 3,73 bilhões)

Em setembro de 2022, esta carteira cripto recebeu mais de 54.000 BTC da Bitfinex. Concluiu várias transações em 2023 antes de ficar quieto.

12) Baleia Anônima de Bitcoin #5 (US$ 3,6 bilhões)

Em 2018, esta baleia de Bitcoin recebeu mais de 51.000 BTC em múltiplas transações – 0,27% de todo o Bitcoin em circulação. Desde então, não deu um pio.

13) Fred Ehrsam (US$ 3,2 bilhões)

O cofundador da Coinbase mudou para a Paradigm, uma empresa de investimento em cripto que ele também ajudou a fundar. A maior parte de sua riqueza vem dos 6% da Coinbase que ele ainda possui.

14) Chris Larsen (US$ 3,2 bilhões)

Larsen foi cofundador da Ripple, a empresa por trás do token XRP. Depois de suportar um processo brutal da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) em relação ao XRP, Larsen viu um processo da SEC contra ele como um indivíduo ser arquivado ano passado. O caso histórico contra a Ripple continua – mas os sinais parecem encorajadores para a empresa.

15) Matthew Roszak (US$ 3,1 bilhões)

Roszak é cofundador e presidente da Bloq, uma startup que consulta clientes como bancos tradicionais sobre como armazenar ativos digitais.

16) Baleia Anônima de Bitcoin #6 (US$ 3,07 bilhões)

A última baleia Bitcoin da lista recebeu 44.000 BTC no final de 2019 – e está inativa desde então.

17) Jed McCaleb (US$ 2,9 bilhões)

McCaleb tem uma longa história em cripto, tendo fundado a Mt. Gox em 2010. Ele então foi cofundador da Ripple Labs antes de lançar o concorrente da Ripple, Stellar, logo depois. A maior parte de sua riqueza vem do XRP que ele ganhou após vender um processo contra a Ripple.

18 e 19) Cameron e Tyler Winklevoss (US$ 2,7 bilhões)

Cameron – junto com seu gêmeo idêntico Tyler – uma vez acusou Mark Zuckerberg de roubar a ideia do Facebook, mas encontrou um segundo ato na vida como um cripto evangelista. Os Winklevoss fundaram a exchange de criptomoedas Gemini, que ficou presa na falência da Genesis, uma empresa de empréstimo de criptomoedas, depois que o mercado de criptomoedas despencou em 2022. Crucialmente (para listas como essas), os dois irmãos também possuem cerca de 70.000 BTC — o suficiente para torná-los multibilionários por seus próprios direitos.

20) Mike Novogratz (US$ 2,5 bilhões)

O CEO da Galaxy Digital tem uma participação estimada em US$ 2 bilhões na empresa de investimento em criptomoedas, que atualmente está disputando para listar um ETF de Ethereum à vista em Wall Street. Novogratz também possui cerca de US$ 500 milhões em BTC.

21) Stuart Hoegner (US$ 2,5 bilhões)

Estima-se que o conselheiro geral da Tether detenha uma participação de 13% na empresa. A empresa viu seu quinhão de problemas jurídicos ao longo dos anos.

22) Tim Draper (US$ 2 bilhões)

Vindo do mundo mais tradicional do capital de risco do Vale do Silício, Draper comprou quase 30.000 BTC apreendidos no mercado dark web Silk Road em uma liquidação do governo dos EUA em 2014 – por cerca de US$ 630 a moeda. Hoje, cada Bitcoin vale mais de US$ 65 mil.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
miniaturas de homens e moedas de bitcoin em cima de bandeira da Alemanha

Governo alemão movimenta mais US$ 362 milhões em Bitcoin

Movimentação ocorre um dia após o governo transferir mais de US$ 900 milhões em BTC
Celular mostra logotipo da memecoin BONK

Memecoins da Solana Bonk e Billy disparam em meio à queda do mercado

Movimentos significativos foram feitos no mercado, transformando a BONK na maior memecoin de Solana e o Gigachad o maior vencedor semanal
Vitalik Buterin

Criador do Ethereum pede que eleitores não apoiem políticos só porque eles se dizem pró-cripto

Em meio à crescente adesão de Trump às criptomoedas, a publicação de Vitalik Buterin provocou reações mistas na comunidade cripto
Sigla ETF ao lado de moeda dourada de Ethereum

Veja todos os ETFs de Ethereum que devem estrear nesta terça

Grandes firmas de investimento receberam o sinal verde da SEC para listar ETFs de Ethereum à vista nos EUA. Aqui está a lista atualizada