Imagem da matéria: "Vamos regular a interseção do Bitcoin com o mercado de câmbio", diz Banco Central da Argentina
Foto: Shutterstock

O Banco Central da Argentina (BCRA) quer evitar a conexão do bitcoin com o mercado de câmbio. “Vamos regular a interseção do Bitcoin com o sistema de pagamentos e o mercado de câmbio”, disse o presidente do órgão, Miguel Ángel Pesce, em uma conferência na terça-feira (10).

Para ele, o bitcoin não é um ativo financeiro porque não está subjacente a nenhum ativo, não pode gerar qualquer rentabilidade, e que por isso deve ficar de fora de novas soluções para os meios de pagamentos. As informações são da Forbes, versão argentina.

Publicidade

“O que vamos regular é o sistema de pagamentos em pesos por meio de mecanismos eletrônicos, que é nosso papel de regulador”, ressaltou o presidente, durante a  abertura do 3º Fórum de Finanças Digitais. O evento foi organizado pelo Instituto Argentino de Executivos de Finanças (IAEF). Com o tema ‘A Estratégia de Transformação Digital’, o evento teve início na terça e se encerra nesta quarta (11).

Alerta a pequenos investidores

Pesce também garantiu que o BCRA está trabalhando para alertar os pequenos investidores sobre riscos de investimento em criptomoedas devido à preocupações de que elas sejam usadas ​​para se obter ganhos indevidos, e principalmente de pessoas desavisadas ou pouco sofisticadas. 

“Bitcoin foi criado como um mecanismo de transação substituto para o dinheiro onde o Estado não cumpria uma função”, disse Pesce, acrescentando que por se tratar de um raro por natureza, faz com que seu preço suba e leva à confusão de que é um ativo financeiro.

Segundo o Infobae, Pesce ressaltou, porém, que tais fatores não afetam a instituição financeira central, salvo se “esses instrumentos sejam vinculados ao nosso mercado de câmbio, pois isso pode prejudicar o instrumento e a regulação da Central”. 

Publicidade

Sistema de pagamento mais inclusivo na Argentina

Por outro lado, diz a Forbes, Pesce disse que estava confiante de que o sistema Transfer 3.0 — um um sistema de pagamento mais inclusivo, segundo o BCRA — estará totalmente operacional em novembro o que vai permitir total interoperabilidade entre os mecanismos de pagamento bancário e fintech em empresas com códigos QR ou outras formas de reconhecimento. Segundo ele, o que ajudará a reduzir o uso de dinheiro e a formalizar a economia.

Sobre a moeda digital do banco central (CBDC), Pesce ressaltou que a  digitalização avança muito forte e coloca muitos desafios tanto para o BCRA quanto para instituições financeiras. No entanto, ele garantiu que a ideia de criar uma moeda digital não está sendo avaliada e que, em vez disso, esperam que a interoperabilidade entre fintech e bancos seja o mecanismo para digitalizar o uso do dinheiro.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Quedas resultaram em quase US$ 200 milhões em posições de derivativos alavancadas liquidadas em diversos criptoativos, segundo CoinGlass
Equipamento de mineração com CPU em uma mesa de escritório com sinal luminoso do Bitcoin atrás

Dificuldade de mineração do Bitcoin bate recorde em último ajuste antes do halving

Recorde significa que mineradores estão correndo para garantir a recompensa de 6,25 BTC por bloco antes do halving
moedas de Bitcoin sobre notas de ienes

Anúncio de investimento em Bitcoin faz ações de empresa asiática disparar 90%

Seguindo o manual da MicroStrategy, a empresa japonesa Metaplanet está atraindo forte interesse dos investidores
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) recua para US$ 69 mil e FTX espera devolver fundos a clientes até fim de 2024

Com desempenho recorde no trimestre, o Bitcoin agora mira novas máximas à espera do próximo halving