Imagem da matéria: Trader processa exchange de criptomoedas onde trabalhava por não pagamento de bônus
(Foto: Shutterstock)

Um ex-funcionário da exchange de criptomoedas Kraken abriu um processo contra a empresa para requerer US$ 900 mil (cerca de R$ 3,5 milhões). Segundo ele, o valor é referente a comissões não pagas no ano de 2017, segundo a Bloomberg.

De acordo com a reportagem, a ação foi apresentada no dia 04 de abril em Nova York. O autor, Jonathan Silverman, trabalhou dois anos na empresa. Ele citou que houve um acordo verbal que não foi cumprido.

Publicidade

No processo, consta que Silverman teria um trato com Jesse Powell, cofundador e CEO da Kraken. O líder da bolsa teria, então, firmado um salário de US$ 150 mil mais 10% de comissão sobre o lucro anual nas operações de trading da empresa.

Ele disse que em um período de três meses em 2017 a empresa não pagou a comissão previamente acertada. Naquele período, os negócios da Kraken obtiveram cerca de US$ 19 milhões de lucro.

Exchange contesta

Christina Vee, porta-voz da Kraken, disse que, além de estar mentindo, Silverman violou o acordo de confidencialidade com a empresa.

Já um dos advogados de defesa de Silverman disse que não é por ser um setor não regulado que as empresas podem fazer o que quiserem.

Publicidade

“Só porque algumas pessoas do criptomercado acreditam que as regras não se aplicam a elas, não significa que é assim que as coisas realmente funcionam”, disse David Silver ao site.

Dedurou a Kraken

Silverman também fez uma delação prejudicial à Kraken. Ele alegou que foi contratado para operar os negócios da exchange em Nova York (NY), Estados Unidos, onde a empresa não tem autorização para negociar.

A denúncia fica mais evidente quando se compara o caso de Silverman com informações de um outro processo contra a empresa, aberto por Robert Adler, e que sugere que ambos trabalhavam em solo novaiorquino.

Empresa deixou NY há quase quatro anos

A Kraken anunciou em 2015 que estava deixando de operar nos EUA. Com o artigo ‘Adeus Nova York’, a exchange supostamente se despediu.

Publicidade

“Hoje, a Kraken interrompe o serviço para os residentes de Nova York. Lamentavelmente, a abominável BitLicense despertou. É uma criatura tão suja e cruel que nem mesmo a Kraken possui coragem ou força para enfrentar seus grandes dentes afiados”, publicou a empresa na época.

A BitLicense é um conjunto de regulamentações que foi imposto pelo Departamento de Serviços Financeiros do Estado de Nova York (NYDFS) para empresas de bitcoin.

A lei entrou em vigor em 8 de agosto de 2015. Na época, o New York Business Journal chamou o fato de “Grande Êxodo do Bitcoin”, por condicionar as empresas de criptomoedas a deixarem a região.


Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
máquinas de mineração de criptomoedas apreenidas em

Polícia apreende 396 mineradoras de Bitcoin em casa de ex-deputado paraguaio

Miguel Cuevas, que já foi preso por enriquecimento ilícito, agora pode também ser investigado por furto de energia
Imagem da matéria: CEO da Grayscale deixa cargo: "Momento certo para transição"

CEO da Grayscale deixa cargo: “Momento certo para transição”

A Grayscale, uma das maiores gestoras de criptomoedas do mundo, anunciou que Michael Sonnenshein está deixando o cargo de CEO
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

GameStop e AMC desabam com fim da euforia do retorno de Roaring Kitty

As ações memes da GameStop e AMC caíram drasticamente após a abertura dos mercados dos EUA na quinta-feira, recuando pelo menos 15%