ethereum
Foto: Shutterstock

As criptomoedas já deixaram de ser um assunto enigmático e estão cada vez mais presentes no dia-a-dia da população. A cada ano, mais investidores comuns entram no mundo cripto com o desejo de  fazer parte do grupo de pessoas que lucram nele. Ondas de popularidade se sucedem, e a mais recente acontece agora, entre 2020 e 2021 — período em que todas as criptomoedas quebraram seus recordes históricos.

A maior criptomoeda continua sendo a original, o bitcoin (BTC), com capitalização de mercado de US$ 814 bilhões. Em segundo lugar vem o ether (ETH), a moeda nativa da blockchain Ethereum, com capitalização de mercado de US$ 320 bilhões. Juntas, essas duas são responsáveis por pouco mais de 60% da capitalização de mercado total do setor de criptomoedas, ficando muito à frente das outras integrantes do Top 10.

Publicidade

O ether, como segunda criptomoeda mais importante, tem se tornado atraente para mais e mais categorias de investidores. A seguir, veremos suas características principais e de sua blockchain, e analisaremos quais são as melhores formas de armazená-lo em carteiras pessoais.

O que é Ethereum?

Ethereum é uma blockchain, uma plataforma descentralizada de código aberto que possibilita que se façam transações e comunicação de ponto-a-ponto (P2P). Ela se destaca por ter sido a primeira blockchain arquitetada com suporte a contratos inteligentes. Na blockchain Bitcoin, por exemplo, não é viável armazenar quaisquer informações que não sejam transações financeiras.

Mas a Ethereum trouxe a possibilidade de armazenamento de dados, que podem ser scripts de programas automáticos — são os chamados contratos inteligentes. Estes algoritmos permitem a execução de diversas tarefas diferentes, como a criação de aplicativos descentralizados (dApps) e a criação do famoso “ecossistema de finanças descentralizadas” (DeFi).

O Ethereum foi proposto em 2013 pelo fundador Vitalik Buterin, que iniciou o projeto por crowdfunding, em 2014. Em julho de 2015, a blockchain foi lançada oficialmente. A rede passou por várias atualizações, mas as mudanças mais significativas vêm ocorrendo desde 2020, e são conhecidas como Projeto Ethereum 2.0. Isso incluirá a transição para o sistema Prova de Participação (PoS) e o aumento da eficiência e velocidade das transações, usando sharding.

Publicidade

O que é ETH?

Ether (ETH) é a moeda digital principal da blockchain Ethereum, e existe desde 2015. É usado nos contratos inteligentes, nos serviços computacionais e no pagamento de taxas aos mineradores. A valorização do ether representa a valorização da própria blockchain Ethereum (e vice-versa). Se você deseja investir nela, o primeiro passo é escolher uma carteira adequada e confiável, que possibilite armazenar seus ETH em segurança.

O que são carteiras para criptomoedas?

Carteiras são mecanismos que possibilitam que usuários armazenem e transfiram criptomoedas em segurança. Elas funcionam um pouco como carteiras convencionais, exceto pelo fato de armazenarem ativos digitais, podendo ou não existir fisicamente. Há vários tipos, incluindo modelos online e offline. Alguns deles são:

●  Carteira Full Node: Seu equipamento hospeda uma cópia integral da blockchain. Você pode controlar suas chaves privadas;

●  Carteira de Custódia: Essa modalidade não permite o controle de suas chaves privadas. Um exemplo são as carteiras fornecidas pelas bolsas de criptomoedas e corretoras;

●  Carteira Software Desktop: Costuma ser um aplicativo de desktop, que conecta o usuário diretamente à blockchain e às suas moedas e oferece controle total sobre suas chaves e fundos;

Publicidade

Carteira Software Móvel: Executada como um aplicativo de smartphone para Android ou iOS. Funciona de forma similar às equivalentes para desktop.

●  Carteira Hardware: São aparelhos físicos que armazenam dados, como pen-drives, feitos especificamente para criptomoedas. São o tipo mais seguro de carteira, por não estarem conectadas à internet integralmente. Durante a utilização, elas precisam estar conectadas (via USB, bluetooth, etc) a um dispositivo com acesso à web.

●   Carteira de Papel: Trata-se de um código QR para as chaves públicas e privadas impresso em papel, o que permite driblar o armazenamento de dados sobre sua moeda de forma digital.

Qual a melhor carteira Ethereum?

1.     Trezor One

Trezor foi a primeira carteira hardware para Bitcoin, produzida pela SatoshiLabs. Possui uma interface simples e é bastante segura, pois o código PIN nunca sai da carteira. Isso protege suas criptomoedas mesmo que o equipamento seja conectado a um computador comprometido. Alguns afirmam que a Trezor é a melhor carteira para ETH do mercado, estando listada no site oficial da Ethereum.

As principais vantagens da Trezor são sua simplicidade de uso e sua segurança pesada. Ela gera um PIN aleatório sempre que é conectada ao computador, para que você o digite. Se um PIN é digitado incorretamente, ela aumenta o tempo de espera por uma potência de 2, de forma que seria necessário esperar 17 anos para se fazer 30 tentativas. Quando o PIN correto é fornecido, o usuário precisa digitar a frase-passe, que é como uma senha que só ele conhece. Isso torna impossível a invasão da carteira por métodos de força bruta.

Publicidade

Ela traz suporte a centenas de criptomoedas — como ETH — , mas ainda não trabalha com Ripple, Monero, Cardano e Tezos. Outros pontos negativos são o seu custo, cerca de R$ 800, e o fato de ser um dispositivo físico. Apesar de estar protegida de hackers, está exposta aos riscos de danos, destruição, roubo e perda.

2.     Metamask

Metamask é um Software para desktop, que funciona como uma extensão para Google Chrome. Ela é bastante versátil para usuários iniciantes e também para desenvolvedores, que podem interagir com redes de teste Ethereum através da extensão.

As chaves privadas são criptografadas mediante senha, e permanecem na máquina até que seja solicitada a exportação das mesmas. Apesar de ser uma carteira software, ela não requer a instalação de um full node Ethereum, o que se traduz em praticidade para usuários dinâmicos e que estão se iniciando no setor. Também se torna uma boa opção pelo fato de ser totalmente gratuita.

Mesmo que a modalidade software ofereça praticidade e segurança, é preciso salientar que ela é menos segura do que carteiras hardware ou de papel. Afinal, é um mecanismo digital que pode estar exposto a usuários mal-intencionados, através da conexão à internet.

3.     Ledger Nano S

A Ledger Nano S é, provavelmente, a carteira hardware mais popular. Muitos usuários a classificam como a melhor opção de carteira para Ether. De forma similar à Trezor, a Ledger armazena as chaves privadas em um dispositivo físico. Essa opção é particularmente popular é indicada para usuários que lidam com quantias de dinheiro maiores e/ou que ficarão armazenadas por intervalos de tempo grandes, necessidades que demandam um maior investimento em segurança.

O valor deste investimento varia bastante, mas também fica em torno dos R$ 800. Ela tem suporte a centenas de criptomoedas e a aplicativos de terceiros, caso seja de interesse do usuário. Os mesmos cuidados de armazenamento de carteiras hardware se aplicam, como já mencionado para a Trezor One. Recomenda-se guardar esses dispositivos em cofres ou estojos à prova de incêndio.

Publicidade

4.     Exodus

A Exodus é outra opção de carteira software. Ela funciona como um programa para Windows, Mac OS, Linux, Android ou iOS, e pode ser baixada gratuitamente através do site oficial. O programa possui uma corretora intrínseca e parceria com múltiplas corretoras, o que permite ao usuário fazer câmbio de mais de 100 criptomoedas. Além disso, ela permite sincronização com carteiras Trezor hardware, integrando as duas modalidades com bastante conveniência. Também é possível usar contratos inteligentes para enviar e receber fundos através da Exodus.

Contudo, em termos de segurança, ela fica atrás das outras opções por não fornecer autenticação por dois fatores. Ela também não é 100% de código-aberto, e não possui uma interface web. Além disso, a modalidade móvel não tem suporte à mesma quantidade de criptomoedas que a desktop.

Conclusão

Todas as carteiras listadas são indicadas para manter seu ETH, embora cada uma tenha características distintas. A escolha da carteira ideal dependerá do usuário e de suas necessidades. Existem opções mais robustas, mas que exigem um investimento considerável, e há modelos mais acessíveis que, no entanto, possuem menos mecanismos de segurança. Ao escolher sua carteira, avalie seus objetivos pessoais e opte pelo modelo que melhor se adequar a eles.

Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Naturalizado Brasileiro. É fundador da empresa Growth.Lat e do projeto Growth Token.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de correntes ilustradas com pequenos zeros e uns

Projeto para soluções do sistema carcerário via blockchain vence hackathon na Ethereum Rio

Freedom Chains visa que todo tipo de comportamento do preso seja registrado on chain para evitar corrupção ou injustiças
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

ETFs de Ethereum: aqui estão todas as solicitações aguardando aprovação da SEC

O prazo de decisão da SEC para os produtos propostos com Ethereum varia de final de maio a início de agosto
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”