Imagem da matéria: Tether é acusada de prática “ilegal e enganosa” em nova ação coletiva
Foto: Shutterstock

Tether, a grande emissora de stablecoins, foi alvo de uma ação coletiva, alegando que as práticas da empresa são “imorais, antiéticas, opressivas e inescrupulosas”, de acordo com a acusação, enviada a um tribunal no sul de Nova York.

Os autores Matthew Anderson e Shawn Dolika disputam a afirmação da Tether de que sua criptomoeda é lastreada por reservas em dólar de 1:1. Essa afirmação foi contestada em tribunal duas vezes este ano e o caso dos autores faz referência ao histórico jurídico duvidoso da empresa.

Publicidade

Tether respondeu rapidamente às afirmações, escrevendo que “a avareza descarada, para a qual esse processo é um exemplo clássico, nunca será digna de pagamento de um satoshi em um acordo”.

Um satoshi é a menor unidade de bitcoin e é igual a 0,00000001 BTC ou US$ 0,000471.

A empresa disse que também iria “discutir e dispensar agressivamente em âmbito judicial” com a acusação e, em seguida, obter indenização de Anderson e Dolika.

Os problemas jurídicos da Tether

Em fevereiro, a procuradora-geral de Nova York Letitia James ordenou a Tether e a corretora de criptomoedas Bitfinex, empresa-irmã com acionistas e gestão em comum, suspendesse a negociação em Nova York e pagasse US$ 18,5 milhões, após investigações estatais concluírem que a Tether não tinha reservas suficientes para lastrear o número de tokens USDT em circulação.

Em outubro deste ano, as duas empresas foram envolvidas em mais má imprensa quando a reguladora independente de derivativos dos EUA, a Comissão para a Negociação de Futuros de Commodities (ou CFTC), multou a Tether em US$ 41 milhões.

Publicidade

A Bitfinex foi multada em US$ 1,5 milhão.

A CFTC alegou que a Tether só possuía reservas suficientes em fiduciárias para lastrear o número de tokens USDT em circulação para um pouco a mais de ¼ do tempo ao longo de um período de 26 meses entre 2016 e 2018.

Quatro dias após a multa da CFTC, Alex Mashinsky, CEO da plataforma de empréstimos com criptoativos Celsius, disse ao Financial Times que a Tether ocasionalmente emite sua criptomoeda lastreada ao dólar como um empréstimo em troca de criptomoedas como o bitcoin (BTC) e ether (ETH); isso viola os próprios termos da empresa e os princípios fundamentais das stablecoins.

Mashinsky afirmou que stablecoins emitidas são destruídas quando são pagas para que não aumentem o fornecimento em circulação.

Por parte da Tether, a empresa tentou ser mais transparente este ano. Em agosto, publicou um relatório de garantia realizado pela auditora Moore Cayman.

O relatório revelou que quase metade das reservas da Tether eram na forma de títulos comerciais e certificados de depósito. Apenas 10% está em dinheiro e em depósitos bancários.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Manhã Cripto: Ethereum sobe 2,6% e flerta com US$ 4 mil; PEPE bate novo recorde

Com ganhos de 10% no dia, PEPE foi capaz de atingir um novo preço recorde de US$ 0.000017
Imagem da matéria: O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real

O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real

Fabrício Tota, diretor do MB, discutiu no Ethereum Rio como empresas podem tirar o máximo proveito da tecnologia blockchain através da tokenização
Imagem da matéria: Gnosis (GNO) dispara 20% após lançamento de plano para reviver o token

Gnosis (GNO) dispara 20% após lançamento de plano para reviver o token

Um programa de crescimento com aporte milionário de fundo cripto está sendo votado neste momento pelos usuários do GNO