Imagem da matéria: Taylor Swift negociou patrocínio de US$ 100 milhões com a corretora falida FTX
Shuttertock

A falida corretora de criptomoedas FTX chegou perto de fechar um acordo de patrocínio com a cantora e estrela pop Taylor Swift poucos meses antes da empresa entrar em colapso e levar parte do setor cripto junto no mês passado. Segundo informações do jornal Financial Times (FT) nesta quarta-feira (07), a parceria com a estrela pop americana custaria cerca de US$  100 milhões.

Leia também: Além de Gisele Bündchen: Lewis Hamilton e Katy Perry promoveram corretora de criptomoedas que desabou

Publicidade

De acordo com a reportagem, a contratação de só não saiu no papel porque departamentos internos da FTX começaram a contestar a contratação da cantora. Conforme explica a reportagem, vários funcionários acharam a parceria com a Swift muito cara e questionaram se os acordos anteriores com celebridades estavam gerando valor pelo dinheiro investido.

Vale lembrar que a FTX supostamente pagou milhões para ter em suas promoções o casal Tom Brady e Gisele Bündchen, além de vários outros famosos.

De acordo com a publicação, pessoas familiarizadas com o assunto afirmaram que o contrato previa a venda de ingressos dos shows da cantora com certificados digitais em NFTs, bem como o endosso ao negócio nas redes sociais. Dentro da FTX, Sam Bankman-Fried (SBF) era o maior fã da cantora, afirmou, sob anonimato, um funcionário da FTX ao FT.

Outro funcionário disse que a cantora não assinou o contrato por não concordar com o acordo — “a discussão girava em torno de um potencial patrocínio de turnê que não aconteceu”, disse ele. Os céticos internos da FTX também questionaram se Swift atingiria o público-alvo da empresa, concluiu a reportagem.

Procurados pelo FT para comentar o assunto, Sam Bankman-Fried e um assessor de Taylor Swift se recusaram a comentar.

FTX falida

A crise na corretora de criptomoedas FTX chegou ao auge no dia 11 de novembro, quando anunciou oficialmente estar quebrada ao entrar com pedido de recuperação judicial do tipo “Chapter 11” — referência ao capítulo da Lei de Falências dos EUA.

Publicidade

Naquela semana, o agora ex-bilionário Bankman-Fried se afastou da direção da empresa. Apesar de ainda não ter sido indiciado pela justiça, SBF é investigado pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) e pelo Departamento de Justiça (DoJ).

O pedido de recuperação judicial abrange a maior parte das companhias do grupo FTX, incluindo o braço americano FTX US, a Alameda Research e aproximadamente 130 outras companhias afiliadas.

Participe da comunidade de WEB3 que mais cresce no Brasil. Clique aqui e venha conversar no Discord com os maiores especialistas do país

VOCÊ PODE GOSTAR
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
Michaël van de Poppe em vídeo no Youtube

“É hora de investir em altcoins como Ethereum além do Bitcoin”, diz Michaël van de Poppe

Citando o Ethereum com uma das opções, o analista diz que o mercado de altcoins já passou por correção e que a tendência agora é de alta