Suspeitos de integrar milícia são presos em AL por sequestro motivado por pirâmide financeira
Armas foram encontradas com os sequestradores (Foto: Polícia Militar)

A cobrança por um investimento de R$ 250 mil em um esquema de pirâmide financeira levou ao sequestro de um empresário em Maceió (AL). E os autores do crime, presos em flagrante, são sogro e genro e suspeitos de integrar milícias no Rio de Janeiro. O caso foi resolvido pela polícia alagoana no último domingo (24).

Segundo o portal Gazeta Web, uma denúncia anônima informou policiais sobre o sequestro de um homem na parte baixa de Maceió e que familiares estavam tentando rastrear o celular da vítima.

Publicidade

A partir da localização acusada pelo aparelho, os policiais chegaram a um motel nas proximidades. No local encontraram a vítima e os autores do crime.

O empresário, que não teve sua identidade revelada, estava com um tecido preto sobre a cabeça e os braços arrarados para trás com um tipo de lacre conhecido como “engasga-gato”.

Ainda de acordo com o Gazeta Web, os suspeitos do crime são do Rio de Janeiro. São o subtenente do Corpo de Bombeiros Carlos Valerio Gonçalves do Amaral, 58, e seu genro Igor Ferreira Coimbra, 32, que atua como guarda municipal. A Promotoria pediu à Justiça a conversão das prisões em flagrante para prisão preventiva.

No local do crime também foram encontradas armas de fogo e munições, material utilizado para o sequestro e um “dossiê” contendo informações da vida da vítima e de seus familiares, além de um script de perguntas a serem feitas ao sequestrado.

Publicidade

Também havia um plano a ser seguido após o sequestro, que incluía encontrar um sócio da vítima em Barra de São Miguel, cidade vizinha a Maceió.

Ligação com milícias

Também é investigada a ligação dos suspeitos do crime com atividades de milícias no Rio de Janeiro — um dos motivadores do pedido de prisão preventiva.

Segundo consta no parecer da Promotoria, a vítima disse que saía de sua residência com a namorada quando, na esquina, teve o carro trancado por outro veículo. Dele desceu um homem encapuzado, que se identificou como policial e disse que ele estava sendo preso por estelionato e pirâmide financeira. A vítima afirmou ainda que o carro onde foi colocado era conduzido por um senhor e que lhe foi exibido um mandado de prisão.

Pela descrição e pelos detidos, pode-se presumir que Amaral dirigia o veículo usado no crime, enquanto Coimbra foi o responsável pela abordagem à vítima.

Publicidade

“Eles foram presos em flagrante, embora eles não confessem todos os termos pelos quais foram presos, a extorsão mediante sequestro, mas a gente não tem dúvida em relação a isso. Têm algumas coisas que a gente ainda precisa esclarecer. Está solucionado, mas a gente pretende ouvir umas duas pessoas antes de concluir e enviar o inquérito à justiça”, disse o delegado da Seção Antissequestro e Crimes Cibernéticos da Polícia Civil, José Carlos dos Santos.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bitcoin ganha estátua no Brasil com Satoshi domando touro, símbolo de otimismo do mercado

Bitcoin ganha estátua no Brasil com Satoshi domando touro, símbolo de otimismo do mercado

O MB inaugurou uma estátua que simboliza a relevância do mercado cripto em 2024, marcado pela adoção institucional e o recorde de preço do BTC
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Rafael Rodrigo , dono da, One Club, dando palestra

Clientes acusam empresa que operava opções binárias na Quotex de dar calote milionário; dono nega

Processos judiciais tentam bloquear R$ 700 mil ligados à One Club, empresa de Rafael Rodrigo
Imagem da matéria: Brasileiro perde R$ 100 mil ao acreditar que ganharia lucro de 87% em duas horas com criptomoedas 

Brasileiro perde R$ 100 mil ao acreditar que ganharia lucro de 87% em duas horas com criptomoedas 

O golpe envolve várias empresas de fachada e foi divulgado por uma falsa influenciadora digital de finanças