Imagem da matéria: SEC multa Steven Seagal em R$ 1,5 milhão por promover criptomoeda e omitir valores
Foto: Shutterstock

O ator americano Steven Seagal é mais um a entrar na lista de celebridades que tiveram que fazer um acordo com a SEC dos EUA por terem promovido projetos de criptomoedas. Para não ser processado, Seagal teve que fazer um acordo de mais de US$ 300 mil (cerca de R$ 1,5 milhão).

No entanto, conforme publicou a SEC na quinta-feira (27), não é o projeto de criptomoeda que pesa sobre o ator, mas sim a omissão de valores recebidos por ele para endossar o negócio.

Publicidade

“A SEC anunciou hoje as acusações contra o ator Steven Seagal por não divulgar os pagamentos que recebeu por promover um investimento em uma oferta inicial de moedas (ICO) conduzida pela Bitcoiin2Gen (B2G)”, disse em nota a instituição.

Segundo a SEC, Seagal não divulgou que lhe foram prometidos US$ 250 mil em dinheiro e US$ 750 mil em B2G em troca do seu apoio nas redes sociais.

A B2G (Bitcoiin) está longe de ser um ativo promissor. Atualmente ela ocupa posição na casa de 1800 no Coinmarketcap.

SEC defendeu o direito dos investidores

De acordo com Kristina Littman, chefe da unidade cibernética da SEC, os “investidores tinham o direito de saber sobre o quanto Seagal recebeu para endossar o projeto”.

Publicidade

“As celebridades não têm permissão para usar sua influência nas mídias sociais para divulgar valores mobiliários sem divulgar adequadamente sua remuneração”, argumentou.

De acordo com o órgão, em uma publicação da empresa o ator  incentivava o público a não perder a oferta.

A publicação foi intitulada ‘O mestre zen Steven Seagal se tornou o embaixador da marca no Bitcoiin2Gen’ — ‘zen’ se refere ao budismo, religião de Seagal. Outro comunicado dizia que ele apoiava a ICO de todo o coração, diz a nota.

Conforme a publicação, as promoções de ICOs por celebridade começaram a ocorrer ocorreram poucos meses após um relatório feito pela SEC.

Publicidade

Inclusive, à época, o órgão alertou que as celebridades que resolvessem promover esse tipo de produto teriam que divulgar os valores recebidos pelo endosso.

Celebridades e as criptomoedas

O mesmo aconteceu com o multicampeão de boxe Floyd Mayweather, que ainda em 2017 promoveu a criptomoeda ‘Centra’. Ele publicou o apoio inclusive na sua conta no Instagram. 

A SEC então o convidou para dar explicações sobre os valores por ele recebidos e não contabilizados formalmente em sua receita — US$ 300 mil.

Em novembro de 2018, o órgão o multou em US$ 300 mil em restituição, multa de outros US$ 300 mil e US$ 14.775 de juros, totalizando cerca de R$ 3 milhões.

Na mesma ocasião, o também americano DJ Khaled teve que acertar com a SEC e pelo mesmo motivo. Ambos foram pagos para promoverem a Centra.

Publicidade

Khaled concordou em pagar US$ 50.000 em ônus, multa de US$ 100 mil e US$ 2.725 em juros. 


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Vitalik Buterin criador do Ethereum

A proposta de taxas de gás de Vitalik Buterin tornará o Ethereum mais parecido com a Solana?

Vitalik propõe “taxas de gás multidimensionais” e afirma que é uma busca para um sistema mais personalizado e equitativo
Cauda de baleia sob um mar de moedas de bitcoin

Baleia acorda de sono de uma década para mover R$ 217 milhões em Bitcoin

Carteira recebeu a quantia de 687,33 BTC no dia 12 de janeiro de 2014, quando a cotação do Bitcoin estava em US$ 917
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Imagem da matéria: Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do "Rei do Bitcoin"

Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do “Rei do Bitcoin”

Nova operação da Polícia Federal visando fraudes no portos do Paraná revelou uma curiosa ligação entre o irmão do Roberto Requião e um dos maiores piramideiros do Brasil