Orlando Telles analista Mercurius Crypto falando no Youtube
Imagem: Reprodução/Youtube)

Depois de atuar por mais de quatro anos na casa de análise Mercurius Crypto, o analista de criptomoedas Orlando Telles, que era o principal rosto do negócio, resolveu deixar a empresa em dezembro do ano passado. Mas só agora, em uma thread no Twitter na noite de quinta-feira (02), ele explicou sobre a decisão — o que não agradou o ex-colega de trabalho e gerente de portfólio da empresa, Gabriel Bearlz.

“O tempo se foi, a música acabou, pensei que tinha algo mais a dizer”, escreveu, em inglês, Telles no tweet.

Publicidade

A frase é da música Time, da banda Pink Floyd, mas Telles atribuiu ao cofundador da Polkadot (DOT), Gavin Wood, dita por ele quando anunciou sua saída do Ethereum.

Na sequência, Telles disse que achou o momento certo para explicar sua saída e enalteceu o tempo que se dedicou à empresa e também sua convivência com o time. Contudo, explicou, “hoje tenho um desalinhamento de valores e visão sobre a empresa com relação aos demais sócios, o que inviabiliza minha permanência”.

Telles afirmou que não deixará de atuar no mercado, mas que no momento vai tirar um tempo para reflexões e concluiu:

“Para mim é importante, por uma questão de respeito, expressar o que estou sentindo. Podem ter certeza que independente de qualquer cenário, cada hora sem dormir que gastei para produzir conteúdo para vocês valeu a pena!”.

Publicidade

Reação da Mercurius Cripto

Algumas horas depois da publicação de Telles, também em uma thread, Gabriel Bearlz, um dos sócios da Mercurius Crypto, supostamente reagiu à publicação do ex-colega de trabalho.

“A equipe de análise continua a mesma e a Mercurius não perde de nada em capital intelectual. Processos de reestruturação são complicados e exigem a paciência de todos, mas nunca estive mais confiante como agora”.

Antes ele explicou sobre as mudanças, ressaltando que na empresa “sempre tivemos na nossa cabeça a ideia de criar uma força tarefa de profissionais talentosos que juntos gerariam a maior quantidade de valor para os nossos clientes, que sempre foram nossa prioridade”.

Ele disse que a Mercurius tem um processo de análise desenhado junto com outros fundos de investimento, com um time de analistas “extremamente equilibrado” que, por trás das câmeras, “escrevem tudo que é falado”, mas que “lá atrás” foi cometido um erro ao decidirem “que uma pessoa seria a porta voz de todas as análises e se tornaria a cara da Mercurius”.

Publicidade

“Nós somos um time, uma equipe, uma família. Nós criamos a falsa impressão de que existia uma pessoa responsável por tudo que acontece dentro da empresa e reduzimos a importância do nosso bem mais precioso que é nosso time de análise”, ressaltou.

Bearlz também destacou que devido a movimentos recentes foi necessário uma reestruturação no processo de produção de conteúdo, que ele descreveu como “complicado”, pois teve que contratar e treinar pessoas para falar com o público.

“Mudanças bruscas são sempre difíceis de serem feitas e essa não vem sendo fácil, mas estamos no caminho”, disse ele, acrescentando: Agora, como uma equipe e não como indivíduos.

Último vídeo na Mercurius Crypto

Segundo informação no site da empresa, cujo um dos slogans é “Domine o mercado cripto!”, a entidade, que conta com 4 mil assinantes, oferece, além dos conteúdos cripto, “imersão e mentoria” e aplicações em um fundo multimercado, registrado tanto na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) quanto na Anbima, conforme verificou a reportagem em ambas entidades.

O último vídeo em que Orlando Telles aparece promovendo a empresa foi publicado há cerca de dois meses no canal da casa de análises no Youtube. Sua última aparição nas redes, contudo, ocorreu há um mês, quando falou em um evento junto com o time. O vídeo foi publicado no Instagram da Mercurius Crypto.

Publicidade

Conforme verificou a reportagem nas redes, desde então, Telles pode não ter participado mais das peças nas quais ele aparecia com frequência nas publicidades do Youtube sobre investimentos em criptomoedas. Porém, não se sabe se a suposta ausência nas gravações dos conteúdos da Mercurius Crypto tem a ver com sua saída.

Procurados para comentar o assunto na tarde desta sexta-feira (03), as partes destacadas neste artigo não retornaram às mensagens até a publicação da reportagem. O espaço segue aberto.

  • Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Trump ou Biden? Por que as criptomoedas podem decidir o próximo presidente dos EUA

Trump ou Biden? Por que as criptomoedas podem decidir o próximo presidente dos EUA

Dados de pesquisas mostram que o apoio das criptomoedas pode desequilibrar a balança em uma disputa acirrada pela Casa Branca. Veja como isso poderia afetar Biden e Trump
Ariana Grande posa para foto

Memecoin ‘Michi’ salta 18% após Ariana Grande compartilhar a foto do gato

A estrela pop publicou o meme antes da valorização do Michi, gerando debate sobre se ela sabe ou não da conexão do meme com as criptomoedas
Imagem da matéria: Drake perde R$ 2,7 milhões em Bitcoin apostando nas finais da NBA

Drake perde R$ 2,7 milhões em Bitcoin apostando nas finais da NBA

Drake gastou um monte de Bitcoin com o Mavericks — e ele também pode perder a mesma quantia nas finais da Copa Stanley da NHL
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos