Imagem da matéria: Riscos e falta de transparência na tributação de brasileiros em corretoras estrangeiras
Foto: Shutterstock

O mercado de criptoativos vem se consolidando no mundo inteiro como fruto da nova economia, havendo recentemente um país independente, El Salvador, oficializado o próprio Bitcoin como uma moeda local. 

Apesar da intensa volatilidade, é perceptível que esse mercado tem se tornado cada vez mais robusto, atraindo a confiança de novos investidores. No cenário brasileiro, os serviços vinculados aos criptoativos não param de crescer, havendo inclusive uma exchange brasileira, a Mercado Bitcoin, se tornado neste mês o mais novo unicórnio, que é quando uma empresa é avaliada em mais de R$ 1 bilhão. 

Publicidade

No entanto, a confiabilidade deste mercado poderá ser colocada em xeque em breve pela Receita Federal (RFB), especificamente no que toca a operações realizadas em exchanges estrangeiras.

Isso porque, em março/2021, a RFB publicou a Solução de Consulta nº 05, por meio da qual informou que a remessa de valores para futura compra de criptoativos no exterior equivale a uma operação de câmbio, devendo ser cobrado o IOF de 1,1% sobre tais operações. 

Afastado o juridiquês, na prática, isso significa que todo o valor que um brasileiro deposita numa exchange estrangeira pode lhe gerar uma cobrança de imposto de 1,1% quando da sua utilização para compra de criptoativos.

Além disso, caso o tributo não seja pago em dia, sua cobrança será realizada mediante lavratura de auto de infração, acrescida de multa de 75% além de juros de mora calculados pela Selic. 

Publicidade

É preciso destacar, ainda, que a Instrução Normativa nº 1888/2019 determina em seu art. 6º, §1º que as pessoas físicas ou jurídicas que transacionam acima de R$ 30 mil em exchanges estrangeiras possuem a obrigação de transmitir mensalmente uma declaração à RFB, sob pena de aplicação de multa de até 3% do valor da operação. No caso das exchanges brasileiras, a obrigação mensal recai sobre a exchange, e não sobre o investidor. 

Ao transacionar com exchanges como a Coinbase ou Binance, a maior parte do público sequer sabe que está enviando dinheiro para o exterior. Ou seja, a maioria dos usuários não tem a menor ideia das repercussões e obrigações tributárias envolvidas nestes casos.

Fazendo um paralelo com o mercado tradicional, seria como realizar uma aquisição de produto no site do Mercado Livre, mas no anúncio o vendedor omitisse o local de onde a mercadoria será enviada e, ao receber o bem, o consumidor fosse surpreendido com impostos de importação, pelo fato do bem ter sido enviado da China

Neste contexto, apesar da competição entre players sediados no Brasil e no exterior se mostrar saudável e, em geral, benéfica aos consumidores, entendemos que as exchanges estrangeiras possuem o dever de comunicar com maior transparência aos seus usuários quais suas obrigações e riscos, principalmente destacando que as obrigações acessórias são de responsabilidade do próprio usuário. 

Publicidade

Por fim, é importante que o investidor se atente quando realizar “operações no exterior”, de modo a evitar as indesejadas surpresas proporcionadas pela Receita Federal do Brasil.

Sobre o autor 

Thiago Barbosa Wanderley é advogado tributarista, sócio da área tributária do Ogawa, Lazzerotti e Baraldi Advogados

VOCÊ PODE GOSTAR
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais