Imagem da matéria: Receita Federal dos EUA cria armadilha para quem sonegar impostos sobre criptomoedas
Foto: Shutterstock

A Receita Federal dos Estados Unidos (IRS na sigla em inglês) planeja alterar o formulário de imposto de renda de 2020 de maneira a pegar aqueles que ignoram as regras fiscais sobre criptomoedas, conforme revelou uma reportagem do The Walt Street Journal nesta sexta-feira (25).

A mudança pode não parecer grandiosa de início, uma pergunta será adicionada na primeira página da declaração questionando o contribuinte se no ano de 2020 ele vendeu, comprou, recebeu ou enviou qualquer valor em moedas virtuais. Para essa pergunta, há duas caixas de respostas: “sim” ou “não”. 

Publicidade

Não é a primeira vez que a Receita Federal americana adiciona essa pergunta no formulário de imposto de renda. Em 2019, a questão existiu para uma parcela dos contribuintes, mas muitos sequer tiver que respondê-la.

Agora, ela está na primeira página, logo abaixo do preenchimento de informações básicas, como nome e endereço, conforme revela a reportagem.

A mudança sutil, contudo, gera grandes efeitos práticos, principalmente no meio jurídico dos EUA. Contribuintes assinam esta declaração sob pena de perjúrio, e deliberadamente marcar “não” de maneira mentirosa é uma idéia que se voltará ao contribuinte em caso de processos jurídicos, de acordo com o WSJ.

Juízes americanos geralmente ficam do lado da Receita em casos explícitos de mentiras na declaração de imposto de renda. Assim, a Receita Federal americana obriga aos contribuintes a pagarem impostos sobre ativos virtuais se o contribuinte em questão não quiser ter problemas que antes eram raros de acontecer.

Publicidade

Outro fator importante é que a alteração de local da pergunta sobre criptomoedas do ano passado para este ano é que fica impossível alegar desconhecimento das regras e normas fiscais que envolvem esses bens virtuais, uma vez que agora se pergunta sobre isso logo na primeira página.

A reportagem do The Walt Street Journal chama essa manobra da Receita Federal de “armadilha para evasores de impostos sobre criptomoedas”. Especialistas consultados também afirmam que “esta colocação não tem precedentes”. A preocupação geral é que a declaração trata Bitcoin, Ether e outras criptomoedas como propriedades ao invés de moedas, gerando declarações excessivas de ganho e perda de capital no documento. 

“Comprar um sanduíche com criptomoeda não deve ser um evento tributável”, disse Sean Cover, detentor de criptomoedas, para a reportagem. Ele diz que em 2017 teve mais de 500 transações em várias plataformas e levou 10 horas para preparar seus formulários de criptografia de impostos.

Há uma discussão no Congresso dos EUA sobre criar um limite de US$200 para transações em criptomoedas antes de serem obrigatoriamente relatadas ao IRS. Assim, pequenos detentores de moedas virtuais não sofreriam com tamanha burocracia, enquanto grandes sonegadores cairiam na “malha-fina”.

VOCÊ PODE GOSTAR
máquinas de mineração de criptomoedas apreenidas em

Polícia apreende 396 mineradoras de Bitcoin em casa de ex-deputado paraguaio

Miguel Cuevas, que já foi preso por enriquecimento ilícito, agora pode também ser investigado por furto de energia
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Imagem da matéria: Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

“Alcançamos nosso objetivo e agora, de acordo com o planejado, é hora de nos aposentarmos”, disseram os desenvolvedores do drenador de carteiras cripto
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

GameStop e AMC desabam com fim da euforia do retorno de Roaring Kitty

As ações memes da GameStop e AMC caíram drasticamente após a abertura dos mercados dos EUA na quinta-feira, recuando pelo menos 15%