Imagem da matéria: Quem são os maiores gestores de ativos do mundo? Eles podem comprar bitcoin?
Foto: Shutterstock

BlackRock, Vanguard, Fidelity, e UBS. Quantas vezes já escutamos o nome dessas firmas que administram cada uma mais de 3,5 trilhões de dólares?

Para efeito de comparação, a maior gestora brasileira, Banco do Brasil DTVM, administra 220 bilhões de dólares, ou seja, um número 94% menor.

Publicidade

Deste modo, é possível afirmar que estes gigantes são capazes de determinar o sucesso ou fracasso de empresas, e até mesmo de países. Isto porque investem não somente em ações de empresas, mas também em títulos de dívida de governos, além de moedas.

Quem são os maiores gestores?

O ranking é dominado pelos EUA, embora 12 entre os 30 maiores sejam europeus. 

Os 43 trilhões de dólares administrados pelas 20 maiores gestoras é suficiente para comprar todas as empresas listadas na NYSE e Nasdaq. Isso inclui Apple, Microsoft, Google, Facebook, Alibaba, Tesla, e Berkshire Hathaway.

Similarmente, o montante é suficiente para pagar a dívida de 27,4 trilhões de dólares dos EUA, além dos 14,4 trilhões da Europa.

Em suma, é dinheiro que não acaba mais. Além disso, se ampliarmos para as 500 posições do ranking, o número sobe para 100 trilhões de dólares.

Publicidade

De quem é esse dinheiro?

Engana-se quem acredita que estes valores aportados nestes fundos são exclusivamente de multimilionários. Estas gestoras administram também investimentos de empresas, planos de aposentadoria, além de fundos soberanos. Ou seja, há países que investem suas reservas, ou recursos da aposentadoria pública.

Outro ponto importante é que existe o investimento realizado de forma indireta. Vamos imaginar o cliente que aportou valores num fundo multimercado brasileiro, que investe em ações, moedas, e taxas de juros. O gestor desse fundo pode alocar um percentual em produtos no exterior, incluindo estes fundos multi-bilionários.

Esses gigantes podem investir em Bitcoin?

De forma direta, abrindo conta na Coinbase, não. Temos que lembrar que criptomoedas não são valores mobiliários, portanto na prática são percebidos pelos fundos como os imóveis, diamantes, ou obras de arte.

Embora seja possível mudar o estatuto desses fundos, dificilmente um gestor irá tomar este risco. É mais fácil investir indiretamente, através de um veículo listado exclusivo para criptomoedas, como o GBTC – Grayscale Bitcoin Fund.

Publicidade

Outro caminho adotado por alguns gestores é o aporte através do contrato futuro na CME. O mesmo vale para o ouro, imóveis, portos e aeroportos, também investidos de forma indireta.

Por este motivo, uma eventual aprovação do ETF pode facilitar a adoção, melhorando a liquidez e reduzindo custos para o ingresso no Bitcoin. Em resumo, mesmo que seja liberado apenas para investidores profissionais, o ETF poderá atuar como forte catalisador.


Sobre o autor

Marcel Pechman atuou como trader por 18 anos nos bancos UBS, Deutsche e Safra. Desde maio de 2017, faz arbitragem e trading de criptomoedas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Donald Trump ex-presidente dos EUA

Donald Trump recebe compradores de seus NFTs em jantar de luxo

O ex-presidente resolveu aproveitar o dia de folga do Tribunal de Nova York para receber os apoiadores no resort de luxo Mar-a-Lago
bitcoin e ethereum em grafico vermelho de queda

Bitcoin e Ethereum passam a cair e provocam liquidações de US$ 150 milhões

Tanto o Bitcoin quanto o Ethereum despencaram na manhã de sexta-feira (10), provocando uma onda de liquidação de longo prazo
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

Estado dos EUA investe R$ 510 milhões em ETF de Bitcoin da BlackRock

O investimento foi confirmado hoje pelo Conselho de Investimentos do Estado de Wisconsin (SWIB)