Imagem da matéria: Quem ficou bilionário com a recente alta do bitcoin, segundo a Forbes
Foto: Shutterstock

A Forbes destacou na segunda-feira (11) cinco personalidades que ficaram bilionárias com bitcoin e criptomoedas. A eles, a revista atribuiu os termos “investidores inteligentes”, por conseguirem manter suas criptomoedas mesmo com tantos altos e baixos na criptoeconomia.

Com exceção ao cofundador do Ethereum, o canadense Vitalik Buterin, a revista considerou o status de bilionário das criptomoedas os irmãos Cameron e Tyler Winklevoss, donos da Gemini; o CEO da MicroStrategy, Michael Saylor; e o presidente da Bloq, Matthew Roszak.

Publicidade

“Embora o S&P 500 tenha dado um salto agora em janeiro, ninguém está sorrindo mais do que os detentores de bitcoin”, escreveu a publicação, ressaltando o pico recente do bitcoin em 400%, quando rompeu os US$ 40 mil por unidade.

Cameron e Tyler Winklevoss

A Forbes estima que a fortuna dos gêmeos beira a casa dos US$ 3 bilhões — US$ 1,4 bilhão cada. “Estão crescendo novamente”, disse a revista sobre os novos bilionários, ressaltando que estes em destaque são apenas alguns dos investidores em criptomoedas que ficaram muito ricos.

Aos irmãos Winklevoss, a Forbes considerou suas fortunas não só por conta do hold em bitcoin, mas também pelo faturamento diário da Gemini, que é de US$ 300 milhões em negociações. 

 irmãos Cameron e Tyler
Rindo, os irmãos Cameron e Tyler disseram lembrar quando o preço da moeda era de US$ 8 (Foto: Reprodução)

Matthew Roszak

A escalada de Matthew Roszak de US$ 300 milhões para US$ 1,2 bilhão em patrimônio líquido em criptomoedas, deu-se através da Bloq, uma empresa que presta consultoria e que fornece várias soluções de processamento de pagamentos para stablecoins e ajuda bancos a armazenar seus ativos com segurança.

Publicidade

Tim Draper

Veterano do bitcoin, o investidor e empresário americano Tim Draper se deu muito bem ao comprar em um leilão em 2014 cerca de 30 mil unidades da criptomoeda ao custo de US$ 650 cada. Elas haviam sido confiscadas da plataforma Silk Road pela Justiça dos EUA.

De acordo com a revista, Draper se recusa a falar sobre o seu portfólio de criptomoedas. Mas se ele manteve o portfólio intocável, hoje o californiano tem cerca de US$ 1,1 bilhão.

Investidor começou a comprar bitcoins em 2014 (Foto: reprodução)

Michael Saylor

Para destacar a fortuna de Michael Saylor, a Forbes dissertou sobre sua grande tacada com a MicroStrategy, empresa de análise de negócios.

Com o novo cenário do bitcoin, a empresa ‘apostou’ mais de $ 1,1 bilhão em criptomoedas a um preço médio de cerca de US$ 15.964; Hoje, disse a revista, essas moedas valem US$ 2,4 bilhões, e a participação de Saylor pode ser cerca de US$ 1,2 bilhão.

Publicidade
michael saylor
CEO da Microstrategy, Michael Saylor (Foto: Reprodução/Youtube)

Mike Novogratz

“Titã de fundos de hedge do Goldman Sachs e do Fortress Group renasceu como um ‘criptoguru’”, descreveu a Forbes a situação atual de Mike Novogratz, fundador e CEO da Galaxy Investment Partners. Em 2013, ele supostamente fez um investimento pessoal de US$ 7 milhões em bitcoin, diz a publicação. Mais tarde, completou, usou esses ativos como capital inicial da empresa.

Com base nas divulgações de setembro de 2020, a Forbes estima que os ativos em criptomoedas da Galaxy valem cerca de US$ 621 milhões. “Um salto de 300% em quatro meses”, diz a publicação, ressaltando que o empresário detém 77% da empresa. Esses valores somam US$ 478 milhões, mas não inclui o quanto em criptomoeda pode possuir.

Vitalik Buterin

Por fim, o criador da segunda maior criptomoeda do mundo, a Ether, de Vitalik Buterin, cujo valor de mercado ultrapassa os US$ 123 bilhões, pode não estar bilionário, mas certamente tranquilo com seus 333.000 ethers. No mercado atual, o montante vale aproximadamente US$ 360 milhões. Há um ano, disse a Forbes, valia ‘apenas’ US$ 45 milhões.

Uma curiosidade. No final de 2015, Buterin vendeu 500 mil ethers para Novogratz numa transação P2P a uma bagatela de apenas US$ 0,99 cada.

Mercado de “trilhões”, diz Forbes

Segundo a publicação, na última década, os verdadeiros crentes na revolução das criptomoedas transformaram o que antes era considerado bizarro no mercado financeiro em uma classe de ativos de trilhões de dólares. O mercado, contudo, alcançou até agora apenas a casa de 1 trilhão, logo no início do ano.

Publicidade

Para a Forbes, um dos fatores-chave para o frenesi do mercado de criptomoedas foram as ações do governo dos EUA. “Conforme avançava o Covid e o Fed imprimia trilhões de dólares para estimular a economia e evitar uma recessão, os investidores cada vez mais viam o bitcoin como uma proteção contra a inflação”, disse a revista.

E destacou que o hype da vez deu-se por conta da entrada na criptoeconomia tanto de investidores institucionais quanto individuais, ao contrário do que foi em 2017/2018, quando o setor foi alavancado pelo investidor de varejo. Como exemplo, a Forbes citou, respectivamente, a Square e Paul Tudor Jones. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Arte digital mostra mãos operando um celular que projeta moedas

Como declarar tokens de utilidade no Imposto de Renda 2024?

Entenda como declarar os utility tokens, ativos que dão acesso a serviços específicos
Estátua da justiça e martelo de juiz à frente de bandeira do Canadá

Canadá multa Binance em R$ 22,5 milhões por violar as leis de combate à lavagem de dinheiro 

Agência do governo menciona falta de registro e ausência de relatório de transações enquanto corretora operou no país
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
Moeda de Bitcoi sob mapa da América comd estaque para Venezuela

Venezuela quer desativar todas as fazendas de mineração de criptomoedas do país

O governador do estado de Carabobo afirmou que o governo está prestes a publicar um decreto que irá proibir a mineração de criptomoedas