Imagem da matéria: Projeto da Inmetro estuda dar criptomoedas para motoristas que compartilham dados sobre uso de carros
Shutterstock

O Inmetro anunciou o lançamento de um projeto que pretende usar criptomoedas e blockchain para fomentar a construção de uma base de dados sobre o uso da frota de veículos do Brasil.

O plano é utilizar dados veiculares e inteligência artificial para estimar o consumo energético dos automóveis em condições de uso e gerar a partir daí informações para diversos setores da indústria automobilística.

Publicidade

O uso de cripto é para monetizar os motoristas que mantiverem seus dados atualizados no sistema. A blockchain entra como recurso para o registro e envio desses pagamentos. A entidade estatal não detalhou se os benefícios serão em um token próprio ou uma criptomoeda já existente. 

“É possível criar modelos de negócio em que o condutor que compartilha as informações colhidas de seu veículo é recompensado com cripto créditos em uma plataforma blockchain”, afirma Wilson Souza de Mello, membro do Laboratório de Informática do Inmetro.  

O servidor explica que o cidadão poderá pegar esse conjunto de informações sobre o próprio carro e “negociar com empresas interessadas nas informações, sejam elas montadoras, seguradoras, distribuidoras de combustível, concessionárias de estradas, entre outras”. 

Segundo o comunicado oficial do Inmetro, as informações que o motorista irá monetizar serão coletadas usando dados reais e inteligência artificial para estimar, com menor incerteza, o consumo energético dos automóveis em condições de uso do dia a dia, e seu comportamento em diferentes situações, algo difícil de se conseguir apenas com ensaios em laboratório, por exemplo. 

Publicidade

Esse sistema será desenvolvido em parceria com as universidades federais do Rio Grande do Norte e da Paraiba (UFRN e UFPB) e foi contemplado com recursos financeiros do Programa Rota 2030, denominado “Descarbonize.ai: Sistema Integrado para Análise, Monetização e Descarbonização do Tráfego Veicular”. 

O projeto tem duração de 24 meses, e conta com recursos coordenados pela Fundação de Desenvolvimento de Pesquisa (Fundep). Ao final será entregue um protótipo que será disponibilizado à indústria nacional por meio de transferência de tecnologia.

You May Also Like
Imagem da matéria: Spot ETFs para marcar o próximo capítulo do bitcoin e crescimento diversificado a longo prazo

Spot ETFs para marcar o próximo capítulo do bitcoin e crescimento diversificado a longo prazo

A aprovação da SEC de 11 ETFs de bitcoin spot, sendo 8 deles em parceria com a Coinbase, representa um momento marcante para a expansão da criptoconomia.
Tela de celular do Telegram

Jogo do Telegram, Notcoin tem 25 Milhões de jogadores e um token que em breve será real

“É basicamente um experimento sobre como distribuir moedas de maneira justa para uma enorme quantidade de pessoas”, afirma criador
Imagem da matéria: Milionários de Solana esperam ROI de 4.600% em 2024 com este token obrigatório

Milionários de Solana esperam ROI de 4.600% em 2024 com este token obrigatório

Pullix é uma plataforma de negociação híbrida que integra segurança, alta liquidez e comissão zero nas transações
Criptomoedas formam círculo com bitcoin no centro

Ligação entre cripto e terrorismo é “exagerada”, mas regulação é necessária, dizem especialistas

Especialistas afirmam que “os criptoativos são o compliance com esteroides”, creditando às blockchains sua transparência fundamental