Professor Jorge Stolfi posa para foto
Jorge Stolfi se formou doutor em Ciência da Computação em Stanford (Foto: Wikipédia)

Jorge Stolfi, o professor da Unicamp que se tornou um dos maiores adversários do Bitcoin do mundo, voltou a criticar a maior criptomoeda em artigo recente do site MIT Technology Review. Após a publicação, seus comentários foram discutidos na rede social Mastodon, onde ele chamou as criptomoedas de “ebola tóxico radioativo”, ou seja, comparou as moedas digitais com o vírus que matou mais de 11 mil pessoas na África há cerca de uma década.

O artigo, escrito pela jornalista Amy Castor e que traz o título “Ethereum mudou para PoS. Por que o Bitcoin não pode mudar?”, traz comentários de especialistas no assunto, incluindo o brasileiro. O texto argumenta sobre a questão do uso de eletricidade na mineração e mostra que o tema é discutido no mundo inteiro.

Publicidade

“Não há nenhum obstáculo técnico para mudar o Bitcoin para prova de participação, mas os os mantenedores principais não podem fazer a troca sozinhos”, comenta Stolfi.

Para ele, uma batalha entre PoS e PoW seria decidida pela forma como o preço do Bitcoin é dividido pelos dois sistemas. “Eles insistirão que são o verdadeiro Bitcoin, e o ramo proof-of-stake é apenas mais uma shitcoin”, disse.

“Criptomoedas são vírus”

No Mastodon, a discussão começou como comentário do usuário Erik Jonker, que apresenta como “funcionário público da Holanda”, que postou: “A transição que o Ethereum fez para a prova de participação é impressionante, olhando para trás, correu muito bem. Não é de admirar que as pessoas comecem a se perguntar por que o Bitcoin não pode fazer o mesmo movimento”.

Outro usuário, Troed Sångberg, marcou Stolfi, que respondeu:

“Talvez eles não tenham ‘percebido isso’ porque é verdade. Não há obstáculo TÉCNICO para mudar de BTC para PoS. Quanto a ser ‘menos seguro’, essa não é uma afirmação objetiva. PoW não é seguro: se 2-3 pools entrarem em conluio, eles podem reverter um tx com dezenas de confirmações (como fizeram em 2010 e 2013). Mesmo com PoS. Então?”, escreveu.

Publicidade

“E falo contra a criptografia porque eu (como todo cientista da computação e economista do mundo) posso ver que é o ebola radioativo tóxico”, completou.

Mas o debate não parou por aí. Outro usuário criticou Stolfi, que o rebateu logo em seguida. Sebastian Rieger escreveu: “Parece que você não entendeu o que é um pool de mineração, o que é esse trabalho”.

Stolfi disse: “Bem, um de nós dois não entende isso, mas não sou eu”.

“Investidor de Bitcoin é otário ou vigarista”

Acostumado a tachar o Bitcoin como “loteria maluca” e “Ponzi”, Há cerca de duas semanas, Stolfi fez publicou um tweet que diz: “Há dois tipos de investidores em Bitcoin: o otário, e o vigarista que espera tirar dinheiro dos otários. A única diferença é se o cara já percebeu que investir em Bitcoin é um Ponzi ou não”. As críticas de Stolfi acompanham a hashtag #Bitcoin seguida do famoso emoji de cocô.

Em um tweet ao Portal do Bitcoinno final do ano, Stolfi disse: “Meu conselho é que você arrume outro emprego o quanto antes. Você não quer carregar uma fatia da responsabilidade de ter induzido milhares de pessoas a queimar as economias numa loteria maluca”.

  • Clique aqui e acompanhe o Portal do Bitcoin no Google Notícias
VOCÊ PODE GOSTAR
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

Aprovação do ETF de Ethereum pode acontecer antes do esperado, diz Coinbase

Maior exchange de criptomoedas dos EUA, a Coinbase está confiante de que a SEC aprovará ETFs de Ethereum à vista muito em breve, apesar do pessimismo mais amplo
Celular com logotipo da BInance

Binance anuncia fim do suporte a uma stablecoin que afetará pares com Bitcoin e Ethereum

A exchange também anunciou a listagem de novos pares de negociação com Lira turca
Imagem da matéria: Como um trader cripto ganhou mais de US$ 100 mil com apenas dois tuítes

Como um trader cripto ganhou mais de US$ 100 mil com apenas dois tuítes

“Somente em criptomoeda.” A memecoin Pacmoon recompensou um usuário com um grande airdrop – que foi maior do que o esperado graças ao erro de um amigo
Costas de um policial de Hong Kong

Empresário e filho se entregam à polícia após sequestrarem investidora de criptomoedas

A dupla teria tentado acertar as contas com a mulher de 55 anos que teria intermediado um investimento de cerca de R$ 10 milhões em criptomoedas