Imagem da matéria: Problemas da Tether: empresas de fachada e documentos falsos usados para entrar no sistema bancário
Foto: Shutterstock

Os problemas da Tether continuam. De acordo com uma reportagem publicada na sexta-feira pelo Wall Street Journal (WSJ), as empresas que apoiam a maior stablecoin do mundo usaram documentos falsos e empresas de fachada para ajudar sua empresa controladora a entrar no sistema bancário.

O Journal cita e-mails e documentos para afirmar que a empresa por trás do USDT, a criptomoeda mais negociada, fez de tudo para se manter conectada ao sistema financeiro tradicional e abrir contas bancárias.

Publicidade

Citando um e-mail, o WSJ relatou que um grande comerciante chinês tentou “driblar o sistema bancário fornecendo faturas de vendas e contratos falsos para cada depósito e saque”, admitiu Stephen Moore, um dos proprietários da Tether Holdings Ltd.

Moore então decidiu retirar o patrocinador, alegando que era “muito arriscado”, de acordo com o WSJ.

O WSJ também disse ter visto documentos mostrando que o Tether usou terceiros problemáticos que usaram “centenas de milhões de dólares em ativos apreendidos e conexões com uma organização terrorista designada”. Acrescentou que o Departamento de Justiça dos EUA está atualmente investigando o Tether.

Reposta da Tether

A Tether disse em um comunicado na sexta-feira que o relatório do WSJ era “totalmente impreciso e enganoso”.

“Bitfinex e Tether têm programas de conformidade de classe mundial e aderem aos requisitos legais aplicáveis de combate à lavagem de dinheiro, conheça seu cliente e financiamento de terrorismo”, acrescentou a empresa.

O negócio da Tether é cunhar USDT – a terceira maior criptomoeda depois de Bitcoin e Ethereum, com um valor de mercado de US$ 71 bilhões.

Publicidade

O USDT é o ativo digital mais negociado: como uma stablecoin – uma criptomoeda apoiada por um ativo estável, como o dólar americano – as pessoas o usam para entrar e sair rapidamente de negociações sem usar um banco tradicional ou moeda fiduciária. O Tether é particularmente popular em mercados onde os dólares são restritos ou indisponíveis e no DeFi, que busca desintermediar os bancos.

Stablecoins como USDT agilizam o processo de transformar Bitcoin – ou qualquer outra criptomoeda – em dólares, euros ou ienes em uma bolsa.

Mas a Tether é uma empresa controversa há muito tempo. Ainda não forneceu documentação para provar que sua stablecoin é lastreada em dólares americanos e a entidade não é auditada de forma independente.

Em 2021, a Tether concordou em não fazer mais negócios em Nova York depois que uma investigação de dois anos do procurador-geral de Nova York descobriu que ela havia “feito declarações falsas sobre o apoio” de sua stablecoin.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Por que a rede Ethereum de segunda camada Taiko está gastando US$ 100 mil por dia em Blobs

Por que a rede Ethereum de segunda camada Taiko está gastando US$ 100 mil por dia em Blobs

Taiko, uma rede de escalonamento de segunda camada da Ethereum, está gastando enormes quantias de dinheiro em blobs – mas isso é intencional
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Peru abre investigação contra Worldcoin por coleta de dados biométricos

Autoridades acompanham há quase um mês as sete operações da empresa que escaneia o rosto e a íris das pessoas em troca de tokens WLD
Imagem da matéria: Robinhood compra a exchange de criptomoedas Bitstamp por US$ 200 milhões

Robinhood compra a exchange de criptomoedas Bitstamp por US$ 200 milhões

Espera-se que o acordo em dinheiro de US$ 200 milhões seja fechado no primeiro semestre de 2025, sujeito a aprovações regulatórias
Smartphone sobre dólares mostra logo Axie Infinity

Polícia da Noruega recupera e devolve R$ 30 milhões do hack da Axie Infinity

A polícia norueguesa para crimes financeiros recuperou e congelou os fundos do hack de 2022 que envolveu a sidechain Ronin