Pessoas formando o mapa do Brasil.
Foto: Shutterstock

A geração Z, que abarca jovens entre 16 e 25 anos, é a que proporcionalmente mais investe em moedas digitais e criptomoedas no Brasil: no total, 5% desse grupo aplica dinheiro nessa classe de ativos.

Os dados são do relatório “Raio X do Investidor Brasileiro”, feito pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) e divulgado nesta quarta-feira (8).

Publicidade

Segundo a pesquisa, dentro da população em geral, cerca de 2% faz investimento na categoria.

De acordo com os números mais recentes do IBGE, a população brasileira é de 214 milhões de habitantes, o que significa que cerca de 4,2 milhões de brasileiros teriam investimento em criptomoedas.

Recorte por geração

Além da geração Z, o levantamento também mostra a quantidade de pessoas de outras faixas demográficas que colocam dinheiro nas criptomoedas.

Entre os millenials (pessoas entre 26 e 40 anos), 4% investem em cripto. O número cai para 1% entre os membros da geração X (41 a 60 anos).

Já olhando para os baby boomers (61 a 75 anos) e mais velhos (mais de 76), não há registro de quantidade mínima de investidores em cripto para gerar alguma porcentagem.

Publicidade
Imagem: Anbima

Posição econômica dos investidores em cripto

A pesquisa mostra que, de forma geral, 2% da população brasileira investe na categoria que foi chamada de “moedas digitais, criptomoedas e criptoativos”.

Dentro desse total, o recorte por classe social é importante. Entre os mais ricos, classes A e B, cerca de 5% investem em cripto. Mas esse número cai para 2% na classe C e para apenas 1% nas classes D e E.

Imagem: Anbima

Definição das classes

Sem a realização do Censo desde 2010, a pesquisa também ajuda a traçar um panorama do país. De acordo com os dados do levantamento, a renda familiar média é de R$ 3.773,00 e a idade média é de 42 anos.

Na distribuição demográfica, 44% da população mora no Sudeste, 26% no Nordeste, 15% no Sul, 8% no Centro-Oeste e 8% no Norte.

Publicidade

As classes A e B são apresentadas em conjunto. É uma parcela da população que tem renda familiar média de R$ 7.943 e 49% tem formação em Ensino Superior. Além disso, 59% dessa população mora no Sudeste.

A pesquisa porém faz uma divisão social mais específica: 3% da população está na classe A e 22% na classe B.

A classe C tem renda familiar média de R$ 2.904 e é a maior: 47% dos brasileiros se enquadram nessa faixa.

As classes D e E também são apresentadas em conjunto. Têm renda média familiar de R$ 1.492 e são 28% da população brasileira.

Metodologia da pesquisa

A pesquisa ouviu 5.878 pessoas nas cinco regiões do país, todas com 16 anos ou mais, sendo 1.393 pessoas da classe A/B e 2.810 pessoas da classe C. Pela primeira vez, foi incluída a classe D/E, com 1.675 entrevistas.

Publicidade

A amostra é composta por pessoas economicamente ativas, aposentadas e inativas que possuem ou não renda. Estima-se que este perfil corresponda a 167,9 milhões de habitantes.

A coleta de dados para a quinta edição do Raio X do Investidor Brasileiro foi realizada em campo, com entrevistas feitas pessoalmente em todas as regiões.

As entrevistas foram realizadas entre os dias 9 e 30 de novembro de 2021. A margem de erro máxima para o total da amostra é de 1 ponto percentual, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%.

VOCÊ PODE GOSTAR
miniaturas de homens e moedas de bitcoin em cima de bandeira da Alemanha

Governo alemão movimenta mais US$ 362 milhões em Bitcoin

Movimentação ocorre um dia após o governo transferir mais de US$ 900 milhões em BTC
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin abre julho em alta de 2,2%; mês promete ser positivo para as criptomoedas

Manhã Cripto: Bitcoin abre julho em alta de 2,2%; mês promete ser positivo para as criptomoedas

Historicamente, julho tende a ser um mês de valorização para as criptomoedas
Pessoa segura smartphone com logo BUSD com as mãos apoiado em uma mesa

SEC encerra investigação sobre stablecoin da Binance sem ações de penalidade

A SEC alegou que a stablecoin BUSD era um valor mobiliário em um processo movido contra a Binance no ano passado
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Justiça dos EUA mantém maior parte do processo da SEC contra a Binance

Autoridade regulatória alega na ação judicial que a maior corretora de criptomoedas vendeu produtos e serviços sem autorização