Imagem da matéria: Parlamento do Peru discute projeto que regula mercado de criptomoedas
Foto: Shutterstock

O Parlamento do Peru irá debater um projeto de lei que busca regulamentar o mercado de criptomoedas no país. O texto foi apresentado no dia 30 de dezembro pelo congressista José Luis Elías Ávalos.

O objetivo da lei é estabelecer regras para o funcionamento de corretoras de criptomoedas. Além disso, a ambição é abrir possibilidades financeiras para o povo peruano.

Publicidade

“O que se quer com esse projeto de lei é a criação de um marco que permita que com a nossa moeda nacional se possa comprar criptomoedas e com isso adquirir bens e serviços em qualquer parte do mundo”, diz o texto

Registro Único

No projeto de lei, fica determinado que para promover a compra e venda de criptomoedas a entidade deve estar registrada como pessoa jurídica no Peru, ter sede no país ou ser uma sucursal de uma empresa estrangeira com presença oficial no território peruano, e se cadastrar na SBS, o equivalente ao Banco Central local.

A principal meta da lei é estabelecer a criação de um Registro Único de Transações de Criptoativos e Criptomoedas, que deverá incluir todas as empresas que prestam esse serviço no país.

O cadastro irá se chamar RUPIC, sigla para a abreviação em espanhol.

Regramentos mais específicos deverão ser criados por um colegiado multissetorial, com um membro da a Superintendência de Bancos, Seguros e Administradoras Privadas de Pensão (SBS), responsável pelo setor bancário; um membro da Superintendência do Mercado de Valores (SMV), que cuida de valores mobiliários é o equivalente a CVM do Brasil; e um membro do Banco Central do Peru.

Publicidade

Exclusividade, staking e holding

A empresa deve incluir na constituição de seu capital social que tem como objetivo exclusivo os serviços de transações de criptoativos.

Porém, as companhias irão poder adicionar serviços correlatos, como staking e holding.

As exchanges terão que adotar medidas para prevenir a lavagem de dinheiro e reportar para as autoridades atividades que pareçam suspeitas.

Riscos inerentes

O texto ressalta que a aquisição de criptomoedas e criptoativos é de responsabilidade da pessoa, que deve buscar se informar sobre os riscos inerentes do setor.

Ávalos reforça diversas vezes que seu objetivo não é promover algum controle junto aos ativos e que “a regulação não irá acabar com a volatilidade desses ativos”.

Publicidade

No final do documento, ao falar sobre o custo-benefício do projeto, o congressista diz a lei irá “eliminar as barreiras financeiras entre os países que estiverem de acordo, possibilitando assim a compra de criptomoedas de uma forma prática e sem estrutura bancária”.

Durante o primeiro semestre de 2021, o uso de criptomoedas em apenas uma exchange do Peru cresceu 613% em comparação com o mesmo período de 2020, conforme aponta reportagem do jornal local La Republica.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
piramide financeira criptomoedas

Ex-diretora da pirâmide OneCoin é condenada a 4 anos de prisão nos EUA

Onecoin foi criada pela búlgara Ruja Ignatova, a famosa “Rainha das Criptomoedas” foragida do FBI
Imagem no escuro sugere hacker confuso

Ataques hacker no mercado cripto caíram pela metade em março, aponta relatório

Levantamento diz que queda na exploração de protocolos DeFi vem ocorrendo mês a mês
Imagem da matéria: Solana encontra solução para lentidão e apressa validadores a atualizar "o mais rápido possível"

Solana encontra solução para lentidão e apressa validadores a atualizar “o mais rápido possível”

Os desenvolvedores da Solana criaram uma correção para o congestionamento e pedem ajuda dos validadores nos testes