Imagem da matéria: O que precisa acontecer para o Bitcoin se blindar do crash global
Foto: Shutterstock

O Bitcoin caiu 34% em apenas cinco dias, chegando a testar os US$ 5.600, nível mais baixo em 10 meses. Até mesmo o ouro, que havia atingido sua máxima histórica de US$ 1.700 na semana passada, em alta de 12% no ano, entregou metade dos ganhos, e nesta quinta-feira (12) é negociado na faixa de US$ 1.600.

Não sabemos se esta venda generalizada é um estágio inicial, onde os investidores buscam posições líquidas em espécie ou na conta-corrente, buscando avaliar os impactos e potenciais novas medidas restritivas. A alta do ouro e demais ativos de proteção poderia ocorrer num segundo momento, por isso é cedo para tirar conclusões.

Publicidade

Bitcoin como reserva de valor

Não podemos assumir que o Bitcoin é atualmente considerado um ativo de proteção, independente da queda recente. Esta é a primeira grande crise que a moeda está enfrentando, e de qualquer maneira, a julgar pelos movimentos das bolsas de ações e reações dos governos ao Coronavírus, trata-se de algo sem precedente nas últimas décadas.

Indicador de “saúde” do Bitcoin

As estimativas de custo de mineração são muito imprecisas, pois deve-se levar em conta o preço pago pelo equipamento, energia elétrica e impostos. Uma queda no hashrate, o poder de mineração, seria definitivamente preocupante. Perceba que ainda estamos num patamar próximo da máxima histórica, o que é bastante saudável:

Hashrate do Bitcoin (BTC) – Fonte: blockchain.com

Principais catalizadores para uma alta do Bitcoin

Halving: o corte na produção de novos Bitcoins, marcado pra acontecer dentro de menos de dois meses, fará com que sua inflação equivalente torne-se menor que a do próprio ouro;

Quebra de bancos e financeiras: um eventual cenário similar ao de 2008 traria desconfiança dos investidores no sistema financeiro tradicional;

Publicidade

Resiliência: sustentando algo acima de USD 5.000, o Bitcoin terá caído menos de 50% em seis meses, muito acima dos USD 3.200 em dezembro de 2018. Lembre-se que estamos falando de uma crise global sem precedentes;

Ruptura do SWIFT e BIS: atualmente existe uma estrutura que interliga o sistema financeiro dos diversos países. Havendo algum tipo de conflito mais sério, há um risco deste método de liquidação falhar;

Quebra de confiança no ouro: apesar de funcionar como Reserva de Valor há centenas de anos, a maior parte do ouro hoje depende de custodiantes, responsáveis por seu armazenamento. Se esta cadeia for interrompida, o reflexo no preço do metal poderá ser catastrófico.


Sobre o autor

José Artur Ribeiro é CEO na Coinext. Economista formado pela Università di Roma (Itália) e investidor em criptomoedas desde 2014. Possui mais de 15 anos de experiência em cargos de liderança. Foi CFO da Hexagon Mining e CFO da Vodafone Brasil. Trabalhou também em multinacionais como Airbus Industries (França) e PricewaterhouseCoopers (Itália e Brasil).

VOCÊ PODE GOSTAR
Gary Gensler SEC in GOP Financial Services-Reprodução-Youtube

Presidente da SEC é questionado sobre ETFs de Bonk após aprovação de fundos de ETH

O presidente da SEC, Gary Gensler, adotou uma abordagem menos hostil em relação às criptomoedas em uma nova entrevista e foi questionado sobre o que vem a seguir
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Notcoin doa US$ 1 milhão em tokens NOT para traders do jogo do Telegram

Você comprou ou manteve um dos primeiros vouchers de pré-market da Notcoin? Se sim, o jogo distribuiu 40 milhões de NOT como recompensa
moedas de bitcoin e letras ETF

Analista prevê que ETFs de Ethereum podem capturar até 20% dos fluxos de ETFs de Bitcoin

Performance, contudo, pode depender de como a SEC vai classificar o staking de ETH
Imagem da matéria: MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

“Muitas dessas novidades podem ser acessadas a partir de R$ 1. Isso dinamiza nosso portfólio, e viabiliza a democratização”, diz executivo