O que levou o que Bitcoin a desabar em setembro e ficar abaixo de US$ 8.000
Foto: Shutterstock

O bitcoin segue em queda e, nesta quinta-feira (26) às 13h15min (horário de Brasília), foi negociado abaixo de US$ 8.000 pela primeira vez desde o início de junho.

No Brasil, a criptomoeda também opera em forte queda e é negociada a R$ 33.650.

Publicidade

O movimento de baixa teve início na segunda (23), quando rompeu o suporte dos US$ 10.000. O dia também foi marcado pelo início das operações da Bakkt, tradicional bolsa de commodities de Chicago onde serão negociados contratos futuros de bitcoin.

Na terça, a queda se intensificou e o Bitcoin caiu mais de 15%, batendo US$ 8.100. Uma leve correção ocorreu nas horas seguintes para US$ 8.700 mas não conseguiu se manter por muito tempo.

Para João Paulo Oliveira, fundador da Nox Bitcoin, os volumes do mercado no mundo todo já estavam baixos, o que mostra uma possível falta de interesse no curto prazo. “Mas a queda, em si, está dentro da volatilidade mensal esperada do bitcoin”, disse.

“Compra no boato, vende no fato”, disse Márcio Gandra, empresário e desenvolvedor blockchain, ao Portal do Bitcoin. Para ele a Bakkt, assim como a CME, são exemplos claros disso. A notícia de uma possível entrada de capital institucional atrelado ao início da Bakkt gerou uma expectativa de injeção de mais alguns bilhões no mercado.

A expectativa, no entanto, foi frustada, já que 75 vezes menos volume entrou na Bakkt em comparação com a CME. “Os grandes players desovam, os pequenos compram lenços e o mercado aguardará mais uma novidade para mais um movimento de alta, que dessa vez deve levar muito mais tempo pra ocorrer”, disse o desenvolvedor, indicando que o próximo grande evento deve ser o halvening, programado para meados de 2020.

Publicidade

O trader Raphael Soffieti, que já trabalhou na corretoras Foxbit e Bitblue, também conectou a queda com o que chamou de volume decepcionante na abertura da Bakkt.

“Isso pode ter mostrado à comunidade que empresas, grandes instituicoes, não estão dispostas a investir em escala no bitcoin”, afirmou.

O trader lembrou também que essas grandes oscilações são recorrentes no Bitcoin: “Quem está operando há alguns anos sabe que é bem comum esse tipo de movimento acontecer”.

Mercado acompanha

Em paralelo, a maioria das criptomoedas do mercado também operam em queda. Ethereum (ETH) e Ripple (XRP) perderam 5,15 e 3,76% respectivamente no dia.

Publicidade

Entre as principais, apenas a Stellar operam em alta de 3%.

A capitalização do mercado de criptoativos também segue em forte queda, voltando a se aproximar dos US$ 200 bilhões após perda de mais de US$ 50 bi apenas nesta semana.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com gráficos de ações e criptomoedas em queda no fundo

Preço de tokens BRC-20 da rede Bitcoin despencam antes do halving — Runes é o culpado?

Em semana crucial para a principal rede de criptomoedas, a ORDI caiu mais de 40%
moeda de bitcoin e logo da grayscale ao fundo

ETF de Bitcoin da Grayscale já perdeu 50% de suas reservas de BTC desde janeiro

No mesmo período, os ETFs de Bitcoin da BlackRock e Fidelity ganharam até 32% de participação de mercado
Ilustração de moeda gigante de Bitcoin observada por investidores e prestes a ser cortada ao meio

Alta do Bitcoin pode ser retomada após o halving e alvo é US$ 150 mil, diz Bernstein

Analistas reiteraram a previsão de US$ 150 mil para o Bitcoin até o final de 2025
Paolo Ong, da SEC Filipinas

Termina prazo para saída da Binance das Filipinas e reguladores avisam: “Não há como sacar fundos após bloqueio”

“Não podemos endossar nenhum método de como retirar seu dinheiro agora que a ordem de bloqueio foi emitida”, disse o regulador filipino