Imagem da matéria: O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real
Fabrício Tota, diretor de Novos Negócios do MB, durante Ethereum Rio (Foto: Fernando Martines/Portal do Bitcoin)

Tokenizar ativos do mundo real (Real World Assets, ou RWA) tem como meta fornecer liquidez imediata, diminuir custos do processo e democratizar as oportunidades de investimento mas nem tudo é passível de ser tokenizado. O passo a passo foi dado por Fabrício Tota, diretor de Novos Negócios do MB, durante palestra no evento Ethereum Rio na terça-feira (14). 

“Objetivo é tokenizar tudo que tenha valor que esteja fora da blockchain. Não é a intenção nesse processo repetir um token de um projeto que já existe on-chain. É criar representações desses ativos de mercado tradicional, como precatórios e recebíveis. E fazer a ponte entre finanças tradicionais e finanças descentralizadas”, afirmou Tota. 

Publicidade

O executivo apontou que o primeiro passo para tokenizar é olhar para a regulamentação na origem e destino. Ou seja, é importante que exista um arcabouço legal para tokenizar o ativo onde ele está e também onde os compradores irão comprar. 

“Não adianta você dizer que está tudo certo na jurisdição que você está para fazer a emissão do token. Mas e na distribuição? Você vai precisar também de um arcabouço regulatório que te permita vender. No Brasil, por exemplo, não pode entrar valor mobiliário. E não adianta dizer que está regulado na Suíça, em Dubai, na Austrália, a distribuição aqui não será autorizada”, explica. 

Sobre os motivos de tokenizar, o especialista lembra que o primeiro é a liquidez para o ofertante. E dá um exemplo: “No MB, o primeiro precatório que tokenizamos foi de R$ 1,5 milhão. Compramos por R$ 1,2 milhão. Para o dono, fazia mais sentido receber esse dinheiro agora do que esses R$ 300 mil a mais no futuro”. 

Vale lembrar que precatório é uma dívida já confirmada pelo Poder Judiciário que o ente público deve a um cidadão, mas que será paga só após uma fila de outros pagamentos. 

Publicidade

“Do lado dos investidores, esse produto é para aqueles que têm a paciência de esperar a data de pagamento lá na frente do precatório e receber essa diferença”, conta. A liquidez para o comprador também é imediata, já que existe um mercado secundário no qual ele pode vender e sacar antes do precatório ser pago. 

Sobre a redução de custos, Tota lembra que toda a infraestrutura de sistema Web3 permite que um simples contrato inteligente gere toda a custódia e transmissão dos tokens. Em uma estrutura de finança tradicional, é muito mais custoso cada passo se comparado com a blockchain. “É um sistema muito poderoso”, define. 

Sobre a democratização dos investimentos o plano mais visível é do comprador, que passa a ter opções que antes não tinha acesso. Nesse processo, o vendedor também se beneficia: “Você acha bolsos novos para vender os seus ativos”. 

Por fim, Tota ressaltou ser curioso que o caso de tokenização mais bem sucedido é a tokenização do dólar. “Stablecoins nada mais são do que tokenizações do dólar. São hoje US$ 150 bilhões só em tokenização de dólar. É até engraçado que um sistema que nasceu para ser alternativa ao tradicional, acabou sendo altamente dependente do dólar”.

VOCÊ PODE GOSTAR
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Bob Burnquist

Bob Burnquist e sua cruzada para empoderar os artistas por meio da Web3

O skatista é membro ativo de duas DAOs e participou do Ethereum Rio para falar sobre como as comunidades estão se tornando um novo meio de conexão para os artistas
Sheik das criptomoedas Francisley Valdevino

Sheik das Criptomoedas usou “Banco do Crime” para lavar R$ 600 mil da pirâmide Rental Coins

Autoridades apontam a Cash Back como um dos maiores esquemas de lavagem de dinheiro em São Paulo
Imagem da matéria: ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

Ação conjunta da ABcripto e associados visa levantar fundos e doações para desabrigados das inundações