Imagem da matéria: O consumo de energia do Bitcoin despencou desde a repressão à mineração na China
Foto: Shutterstock

O consumo de energia do Bitcoin caiu pela metade desde a repressão da China à mineração de criptomoedas, de acordo com o Índice de Consumo de Eletricidade Bitcoin da Universidade de Cambridge.

Atualmente, o Bitcoin consome 68 terawatts-hora (TWh) de eletricidade por ano. TWh é uma medida que rastreia uma unidade de energia igual à produção de um trilhão de watts por uma hora – e é usada para rastrear o consumo anual de energia de países inteiros.

Publicidade

No início deste ano – antes que a repressão da China à mineração de Bitcoin realmente começasse a afetar – o Bitcoin consumia até 130 TWh, colocando-o confortavelmente entre alguns dos principais países do mundo em consumo de energia.

Especificamente, o consumo de energia da rede Bitcoin caiu 51% desde 10 de maio, de uma máxima histórica de 141 TWh para 68 TWh.

“É também revelador que vimos um aumento nas entidades de mineração ligadas à China vendendo Bitcoin desde o início, quase certamente devido aos custos de realocação”, disse Jason Deane, analista de Bitcoin da Quantum Economics, ao Decrypt.

Proibição da mineração de Bitcoin na China

A China sofreu um forte baque na indústria de mineração de Bitcoin ao longo de 2021.

No final de fevereiro de 2021, a Mongólia Interior divulgou planos para reduzir o consumo de energia. Esses planos incluíam o fechamento das instalações de mineração de Bitcoin. Em abril de 2021, esses planos foram promulgados e a mineração de Bitcoins não era mais legal na Mongólia Interior, uma região autônoma da da China.

Publicidade

Depois que a Mongólia Interior proibiu a mineração de Bitcoin, outras províncias chinesas, incluindo Qinghai, Yunnan e Xinjiang, seguiram o exemplo.

No início deste mês, Sichuan ordenou que as empresas de energia cortassem a energia das fazendas de mineração de Bitcoin em toda a província, fazendo com que o hashrate de alguns dos maiores pools de mineração despencassem em até 37%.

Historicamente, a China controlou aproximadamente dois terços do hashrate do Bitcoin, então a repressão às fazendas de mineração inevitavelmente afetou o consumo de energia da rede.

O que isso significa para o Bitcoin?

No curto prazo, a queda do Bitcoin no consumo de energia diminui o impacto da rede no meio ambiente.

Em seu pico de 2021 de 141 TWh, a pegada de carbono da rede Bitcoin foi maior do que 60 bilhões de libras de carvão queimado, ou consumo médio de eletricidade de 9 milhões de residências no ano. Desde que a queda no consumo de energia do Bitcoin caiu em mais de 50%, o mesmo acontecerá com o impacto imediato da rede no meio ambiente.

Publicidade

No entanto, a queda na pegada de carbono do Bitcoin provavelmente terá vida curta. Desde a repressão da China, muitos mineradores de Bitcoin estão se mudando para outras jurisdições.

Por exemplo, a empresa de mineração Bitcoin BIT Mining – que operava anteriormente na China – já entregou seu primeiro lote de máquinas de mineração para o Cazaquistão.

VOCÊ PODE GOSTAR
bitcoin brilhando na mão

Semler Scientific investe US$ 40 milhões em Bitcoin e ações disparam 25%

As ações da Semler Scientific subiram 25% após a entidade anunciar a adoção do Bitcoin como principal ativo de reserva do tesouro
Michaël van de Poppe em vídeo no Youtube

“É hora de investir em altcoins como Ethereum além do Bitcoin”, diz Michaël van de Poppe

Citando o Ethereum com uma das opções, o analista diz que o mercado de altcoins já passou por correção e que a tendência agora é de alta
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin e Ethereum abrem em queda e BlackRock supera Grayscale em número de BTC sob custódia

Manhã Cripto: Bitcoin e Ethereum abrem em queda e BlackRock supera Grayscale em número de BTC sob custódia

ETF de Bitcoin da BlackRock agora detém mais BTC do que sua rival, a tradicional Grayscale Bitcoin Trust