bitcoin, queda. manhã cripto, bitcoin hoje, criptomoaedas
Foto: Shutterstock

Antes de iniciarmos a análise, é necessário entender que cada exchange possui uma cotação independente. Isto vale para os diversos países e moedas onde o Bitcoin é negociado, mas também dentro de uma mesma região.

Já tivemos alguns flash crashes, ou seja, quedas bruscas e rápidas, na cotação do Bitcoin. O efeito é mais forte quando cotado em pares menos líquidos, mas mesmo em Dólar ou Tether já presenciamos quedas de 20% ou mais em questão de segundos.

Publicidade
Flash crash na Kraken, cotação em Dólar Canadense, maio de 2019
Flash crash na Binance, cotação em Binance USD, setembro de 2019

Este tipo de falha decorre da execução de uma ordem muito maior do que o total das ofertas de compra, ou mediante alguma falha técnica. O flash crash é caracterizado por um retorno rápido para um patamar próximo ao preço original.

A queda recente para USD 3.800

Nada impede do preço nas diversas exchanges negociar abaixo de US$ 3.000 por algumas horas, ou até mesmo dias, especialmente quando há um temor de uma crise global ou incertezas sobre o Coronavírus, por exemplo.

O nível de US$ 3.000 não é uma estimativa, mas sim um piso determinado pelo período que ficou conhecido como “inverno das criptos” no final de 2018, além de ter funcionado como suporte em setembro de 2017 quando a China baniu exchanges e ICOs na região.

O que impede de cair abaixo disso?

A indisposição dos detentores, ou “holders”, de venderem nestes níveis. Vale ressaltar que o cotação de US$ 3.000 resulta na capitalização de mercado de US$ 55 bilhões, equivalente a 0,6% do total de ouro em circulação.

Publicidade

Este patamar provavelmente continuará funcionando enquanto tivermos um número suficiente de pessoas que acredita no potencial do Bitcoin, seu histórico de 11 anos mantendo as regras de emissão, livre circulação, proteção da rede através dos mineradores, além de forte consenso social trazido pelos usuários que rodam seus nós (nodes).

Conclusão

Excluindo um cenário catastrófico de fechamento temporário das maiores bolsas internacionais, falência de bancos ou grandes corporações, seria difícil acreditar na manutenção do preço do Bitcoin abaixo de US$ 3.000.

Lembre-se que até mesmo o ouro, considerado o melhor instrumento de hedge, ou proteção, encontra-se em queda de 6,5% em dólar no mês de março. Estamos sem dúvida atravessando momentos de incerteza, mas é possível seguir otimista com a tese de segurança e política anti-inflacionária do Bitcoin.


Sobre o autor

José Artur Ribeiro é CEO na Coinext. Economista formado pela Università di Roma (Itália) e investidor em criptomoedas desde 2014. Possui mais de 15 anos de experiência em cargos de liderança. Foi CFO da Hexagon Mining e CFO da Vodafone Brasil. Trabalhou também em multinacionais como Airbus Industries (França) e PricewaterhouseCoopers (Itália e Brasil).

VOCÊ PODE GOSTAR
Paolo Ong, da SEC Filipinas

Termina prazo para saída da Binance das Filipinas e reguladores avisam: “Não há como sacar fundos após bloqueio”

“Não podemos endossar nenhum método de como retirar seu dinheiro agora que a ordem de bloqueio foi emitida”, disse o regulador filipino
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
nathalia arcuri me poupe

Nathalia Arcuri explica o halving do Bitcoin em vídeo no YouTube: “Investir ou não agora?”

Influencer recomenda a compra de um pouco de Bitcoin todos os meses: “A expectativa é sim que o Bitcoin continue subindo”
moeda de bitcoin ao lado de tela com sigla NFT

Binance vai encerrar suporte a NFTs baseados no Bitcoin 

Com o fim do suporte para Ordinals, a Binance aconselha os usuários a transferir esses ativos para fora da plataforma