Nubank escritório
Escritório do Nubank (Foto: Shutterstock)

O Nubank fez uma nova rodada de demissões nesta sexta-feira (10) e incluiu uma cláusula de não difamação da empresa em um contrato enviado aos funcionários. Quem assina o documento — ao qual o Portal do Bitcoin teve acesso — recebe um salário adicional e uma extensão de três meses do plano de saúde.

No texto, consta que o empregado não poderá difamar o Grupo Nu. “Difamar significa, sem limitação, fazer comentários ou afirmativas sobre qualquer pessoa ou entidade, inclusive, mas sem limitação, à imprensa, à mídia, em redes sociais diversas […]”, diz o texto que inclui Linkedin, Facebook, Instagram e Twitter como locais nos quais o funcionário não deve se expressar de maneira que prejudique a “honra, boa fama ou reputação” do empregador.

Publicidade

Caso o funcionário descumpra alguma das regras estabelecidas, o contrato prevê uma multa de 50% do valor total contemplado.

Para a advogada especializada em direito do trabalho, Cíntia Fernandes, trata-se de um dispositivo incomum no Brasil. “A empresa está vinculando as duas coisas. Só quem assina e concorda com a cláusula de não difamação é que vai receber o salário a mais e os meses a mais de plano de saúde. Isso é uma vinculação”, diz.

Trecho do documento enviado aos funcionários demitidos

Cortes no Nubank

As demissões não são mais novidade no mercado de fintechs e startups. A diferença é que a maior parte das empresas passaram a demitir de forma rápida e em massa. O Nubank vem fazendo cortes pontuais desde dezembro. Uma funcionária demitida hoje, que conversou com a reportagem, estima que foram cerca de 30 desligamentos nesta sexta-feira.

No Linkedin, onde se tornou uma prática comum relatar a demissão como forma de encontrar novos postos de trabalho ou expressar o descontentamento com o antigo empregador, há pelo menos três relatos de funcionários do Nubank — dois ligados ao setor de contratações e um ligado à área de design de produto.

“Nas demissões anteriores, a orientação da empresa já era de não interagir com o conteúdo postado nas redes sociais para não gerar engajamento. Eu não reagia, por exemplo”, relata a antiga funcionária.

Publicidade

Ela afirma que sempre gostou de trabalhar na fintech, mas que o clima começou a mudar a partir de outubro de 2022.

“Foi se criando um clima tenso. Cortavam coisas pequenas do orçamento como voucher do Ifood em ações internas. Cancelaram até mesmo a festa de final de ano da empresa, mesmo com local marcado. A partir de dezembro, os cortes começaram. Aos poucos, mas de maneira recorrente. Quando marcaram a reunião hoje de manhã, eu sabia que tinha chegado a minha vez”, conta.

Um dos setores mais atingidos foi o de recrutamento. O primeiro corte foi de 22 pessoas em um grupo de 100. A estratégia mostra uma desaceleração também no quadro de contratações. O Nubank nega e diz que seguirá contratando (ver nota abaixo).

A ex-funcionária relatou que recebeu dois documentos. O primeiro continha apenas uma linha e sinalizava o desligamento. O segundo falava de um pacote de benefícios que deveria ser assinado até às 18h de hoje. É neste documento que consta a cláusula de não difamação.

Publicidade

O que diz o Grupo Nu

Por meio da assessoria de imprensa, a empresa enviou a seguinte nota:

O Nubank, como todas as empresas, avalia constantemente sua estrutura e realiza contratações, desligamentos e transferências internas de acordo com as demandas do negócio, performance, necessidade de equipe, entre outros motivos. O Nubank segue contratando, no ritmo adequado para seus planos de negócios em 2023. Em respeito ao sigilo e proteção de dados dos seus funcionários, a empresa não comenta publicamente casos específicos, mas reitera que segue à risca a legislação trabalhista. As obrigações de confidencialidade e de não-difamação são recíprocas e praticadas por diversas empresas do setor. Elas constam nos nossos contratos de trabalho desde o momento de admissão, e são reiteradas nos acordos de desligamento.

*Atualização: a reportagem foi atualizada com uma segunda nota da assessoria de imprensa do Nubank enviada na terça-feira (14). O texto foi alterado.

  • Clique aqui e acompanhe o Portal do Bitcoin no Google Notícias
VOCÊ PODE GOSTAR
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
logo do bitcoin em cima de livro

Goiânia recebe lançamento do livro “101 Perguntas Sobre Bitcoin”

A obra da Editora Portal do Bitcoin escrita pelo engenheiro Breno Brito serve como um guia para compreensão da criptomoeda mais popular do mundo; veja como participar
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Policiais federais fotografados de costas

PF e Receita Federal caçam grupo suspeito de lavagem de dinheiro com criptomoedas

Policiais federais e auditores-fiscais se mobilizaram em quatro estados para cumprir mandados de prisão, busca e apreensão em um esquema de importações ilegais