Imagem da matéria: Neta de Picasso afirma que família continuará criando NFTs de suas obras de arte
Reprodução estática de um dos NFTs “Man and Beat” de Marina e Florian Picasso. (nft.manandthebeat.com)

Na quinta-feira (17), Marina Picasso, neta do famoso pintor e escultor Pablo Picasso, publicou, via YouTube, uma declaração em resposta à coleção de tokens não fungíveis (ou NFTs, na sigla em inglês) desenvolvidos no Ethereum por ela e seu filho adotivo Florian após um desentendimento entre a família vir a público.

No vídeo, ela demonstrou apoio à tecnologia NFT e compartilhou que seu tio, Claude Picasso, agora apoia o projeto. No futuro, Marina diz que ela e Florian vão “continuar produzindo NFTs”.

Publicidade

NFTs são tokens exclusivos que existem em redes blockchains, como Ethereum ou Solana, e demonstram a propriedade de um ativo digital ou físico.

No caso dos NFTs de Marina e Florian Picasso, cada token concede a propriedade de um arquivo de arte em MP4 inspirado por uma das obras de Pablo Picasso.

“Tenho um filho de 30 anos que é apaixonado por NFTs”, disse Marina em francês no vídeo, cuja voz está sobreposta por uma intérprete que reproduz o que ela diz em inglês.

“Me interessou, então pesquisei sobre o assunto e descobri que é uma tecnologia moderna que permite que nos conectemos com a arte. Realmente me chamou a atenção. E é dessa forma que decidi, com meu filho, criar nossa primeira coleção de NFTs”, disse ela.

Publicidade

Sua coleção de NFTs, chamada “Man and the Beat”, lutou para ser vendida a seu alto preço de emissão de 2 ETH (quase US$ 5,8 mil) desde relatos de que Claude Picasso, líder da Picasso Administration, não ter aprovado inicialmente os NFTs.

Apesar de celebridades, como o cantor John Legend, promoverem o projeto, poucos foram vendidos, já que a coleção foi lançada há quase três semanas.

O mercado descentralizado Origin Protocol ainda está com a coleção disponível em um site próprio. Atualmente, 100 NFTs foram vendidos, ou seja, 90% da coleção ainda está disponível para compra.

“Infelizmente, nossas ideias não foram comunicadas como deveriam ter sido e, em relação a membros específicos da minha família que já tinham uma diferença de opinião, realmente houve um mal-entendido que não fez bem a ninguém”, disse Marina no vídeo.

Publicidade

“Tenho o apoio de meu tio, Claude Picasso… Ele dedicou sua vida a proteger o legado de meu avô, seu pai.”

Marina acrescentou que, agora, Claude “aprova” a coleção de NFTs e que a família “continuará produzindo NFTs”.

Em janeiro, um advogado da Picasso Administration havia contado ao Associated Press que apenas Claude poderia aprovar o projeto NFT como um projeto oficial de NFTs de Pablo Picasso.

Agora, parece que essa possibilidade voltou a ser considerada.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Silhueta de pessoa jogando videogame À frente de TV

Os maiores tokens de jogos lançados em 2024 – até agora

O Notcoin aparece na lista dos maiores tokens de jogos deste ano, ao lado de Pixels, Portal, Saga e muito mais
Imagem da matéria: Caitlyn Jenner promove sua própria memecoin, mas comunidade suspeita de hackers

Caitlyn Jenner promove sua própria memecoin, mas comunidade suspeita de hackers

Memecoin de Caitlyn Jenner já vale quase US$ 30 milhões, mas o mercado ainda tem dúvidas sobre a veracidade do ativo
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso