Rihanna
A cantora Rihanna (Shutterstock)

Uma fração dos royalties de uma música de sucesso da cantora Rihanna – a faixa “Bitch Better Have My Money” – foi redistribuída para 205 pessoas via 300 Tokens Não Fungíveis (NFTs) da rede Ethereum, em uma coleção que esgotou rapidamente na quinta-feira (9), segundo dados dos contratos no Etherscan.

Jamil “Deputy” Pierre — que produziu essa música de 2015 de Rihanna com o coprodutor Kanye West — parece ter contado com a ajuda de uma empresa cripto europeia, a AnotherBlock, para vender 0,99% de seus direitos de royalties de transmissão da canção como 300 NFTs. 

Publicidade

Cada token blockchain representa a propriedade de mais de 0.0033%  dos direitos autorais da canção, promete a propriedade “vitalícia” dessa parte dos direitos autorais e concede aos titulares a porcentagem de direitos de transmissão da gravação principal.

A mintagem da AnotherBlock para a canção da Rihanna esgotou rapidamente e gerou US$ 63 mil em receitas. Uma valoração de US$ 210,00 por 0,0033% da canção coloca teoricamente um valor total de US$ 6,36 milhões para os royalties da transmissão da canção.

Não está claro, entretanto, qual a porcentagem dos royalties que Deputy ainda reteve privadamente após a venda, uma vez que o Acordo de Propriedade do NFT assinado e publicado no site não detalha o total de participações dele.

O Decrypt entrou em contato com ele, ainda não recebeu respostas, mas uma fonte familiarizada com as divisões de royalties na indústria musical tradicional disse ao Decrypt que um corte total de royalties para um produtor é tipicamente inferior a 5% para qualquer música.

Publicidade

Participação em royalties via NFT

De acordo com o acordo, Deputy contratou a AnotherBlock para lidar com a cunhagem dos NFTs em seu nome. O contrato também permite vendas secundárias dos NFTs e exige que ele pague aos titulares dos NFTs sua porcentagem de quaisquer royalties de streaming obtidos não menos que duas vezes por ano. 

O site da AnotherBlock estima que os retornos “prováveis” para o detentor do NFT dessa canção de Rihanna sejam de aproximadamente 6.5% ao ano, o que equivale a pagamentos de aproximadamente US$ 13,65 por ano.

Isto significa que um comprador original levaria cerca de 15 anos para recuperar seu investimento inicial, o que sugere que este drop tem mais a cara de uma experiência Web3 inovadora para os fãs da cantora do que um investimento financeiro real.

Mas vender uma porcentagem dos direitos musicais como NFTs não é um conceito novo. Por exemplo, Justin “3LAU”, a plataforma de música Web3 de Blau Royal, levantou US$ 16 milhões em 2021 e lançou seu mercado de direitos musicais antecipados em novembro de 2022.

Publicidade

A Royal informa que desde então pagou mais de US$ 132 mil em royalties a seus colecionadores de NFTs.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Trader transforma US$ 27 mil em US$ 2 milhões ao antecipar alta da GameStop

Trader transforma US$ 27 mil em US$ 2 milhões ao antecipar alta da GameStop

O súbito ressurgimento das ações “memes” nesta semana rendeu uma pequena fortuna aos traders que nunca desistiram das loucuras de 2021
máquinas de mineração de criptomoedas apreenidas em

Polícia apreende 396 mineradoras de Bitcoin em casa de ex-deputado paraguaio

Miguel Cuevas, que já foi preso por enriquecimento ilícito, agora pode também ser investigado por furto de energia
HANDS, memecoin, mãos, rug pull,

Criador de memecoin disse que não tinha mãos, então não conseguiria “puxar o tapete” — ele mentiu

“NoHandsNoRug”, o criador da memecoin HANDS, disse que não aplicaria um rug pull. Adivinha o que aconteceu em seguida?
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide