Imagem da matéria: Mineradora dos EUA começa a censurar transações de bitcoins "sujos"
Foto: Shutterstock

A Marathon Patent Group, uma das maiores mineradoras de bitcoin dos Estados Unidos, anunciou na quarta-feira (5) que minerou o primeiro bloco “limpo” de bitcoin, 100% compatível com as leis do país.

A empresa afirma que esses foram os primeiros bitcoins gerados que seguem as leis de combate à lavagem de dinheiro e outras normas da Agência de Controle de Ativos Estrangeiros dos EUA.

Publicidade

A novidade foi recebida de forma negativa por parte da comunidade cripto, que acusa a mineradora de censura.

O pool começou a recusar todas as transações de bitcoin de pessoas que estão na lista negra da OFAC, ou que moram em países sancionados pelos Estados Unidos. Isso é possível porque a Marathon consegue escolher quais transações irá processar nos blocos ao usar uma tecnologia criada pela empresa DMG Blockchain.

Em março a empresa anunciou que lançaria o primeiro pool de mineração de bitcoin da América do Norte em total conformidade com as regulações do país.

A Marathon direcionou todo o seu poder de hash para o pool recém-lançado no dia 1º de maio. No início do mês que vem, o pool começa a aceitar outras empresas de mineração sediadas nos EUA.

“Ao excluir transações entre atores nefastos, podemos fornecer aos investidores e reguladores a paz de espírito de que o bitcoin que produzimos é ‘limpo’, ético e está em conformidade com os padrões regulatórios”, disse no anúncio o CEO da Marathon, Fred Thiel. 

Publicidade

Comunidade critica a censura

Uma das preocupações da Marathon é a dominância da China nas validações da rede. Segundo os dados da Universidade de Cambridge, os chineses são responsáveis por 65% de toda mineração do bitcoin.

Nas palavras do CEO da empresa, “o novo pool se tornará mais descentralizado e mais forte à medida que o risco de outros governos interferirem na indústria de mineração for reduzido”.

A novidade foi duramente criticada pela comunidade cripto que diz que a empresa está fazendo o exato oposto ao depender da figura do estado — desta vez dos Estados Unidos — para determinar quem pode ou não usar a rede. 

Ben Carman, desenvolvedor do Bitcoin Core, disse ao CoinDesk que a medida fere a filosofia do bitcoin, uma criptomoeda criada para combater a censura e o controle governamental.

Publicidade

“É totalmente contra o espírito do bitcoin, já que eles estão tentando torná-lo um protocolo que depende de permissão em vez de aberto para todos”.

O Irã faz parte da lista de sanções dos EUA. Ou seja, qualquer transação de bitcoin feita por um cidadão do país pode ser censurada pela Marathon.

Para zoar a empresa, alguns usuários de países sancionados começaram a enviar criptomoedas “não autorizadas” ao seu endereço. Nos exemplos divulgados no Twitter, uma dessas transações vinculou uma mensagem escrita em árabe que diz à Marathon: “obrigado por apoiar a nossa causa”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin ensaia recuperação e Trump diz apoiar a mineração de BTC nos Estados Unidos

Manhã Cripto: Bitcoin ensaia recuperação e Trump diz apoiar a mineração de BTC nos Estados Unidos

Donald Trump disse, após um evento de campanha com mineradores de Bitcoin, que ele quer “todo o Bitcoin restante feito nos EUA”
Pessoa segura moeda de bitcoin à frente de bandeira de El Salvador

El Salvador propõe banco privado de investimento em Bitcoin para impulsionar a economia

BPI ofereceria aos investidores de Bitcoin acesso a serviços financeiros com menos restrições em comparação com os bancos tradicionais
Baleia

Baleias lucram US$ 1,2 bilhão em duas semanas com vendas de Bitcoin

As baleias estão vendendo BTC com mais força do que nunca, o que pode influenciar na queda da criptomoeda
Jerome Powell, presidente do Fed, mostrado em tela de computador

Bitcoin cai para a casa dos US$ 67 mil após Fed manter taxa de juros

Jerome Powell afirmou que a busca do banco central dos EUA pela meta de 2% de inflação ainda não acabou