Imagem da matéria: Mineradora de bitcoin usa excesso de energia para aquecer estufas
Foto: Shutterstock

A empresa de mineração em nuvem de criptomoedas Genesis Mining revelou um novo projeto piloto que visa utilizar o excesso de calor de sua produção para aquecer estufas na Suécia, de acordo com um comunicado de imprensa publicado na terça-feira (15).

De acordo com o anúncio, o projeto baseado em Boden já está em desenvolvimento há mais de um ano. Seu objetivo não é apenas reciclar o excesso de energia, mas também apoiar os planos do governo local de se tornar mais autossuficiente na produção de alimentos.

Publicidade

“Um data center de 1 MW teria a capacidade de fortalecer a autossuficiência local em até 8% com produtos competitivos no mercado”, explicou Mattias Vesterlund, pesquisador sênior do Research Institutes of Sweden (RISE).

Além da Genesis Mining e sua subsidiária filantrópica Hashpower For Science, o projeto também é apoiado pela Systemair, Lulea Technical University, RISE, Boden Business Agency e o município local.

“Este projeto é empolgante porque há uma oportunidade de contribuir para o aumento da escala da indústria de alimentos e ao mesmo tempo cumprir as metas nacionais de eficiência energética. É o primeiro de muitos projetos dentro da Simbiose Energética, e esperamos que os resultados mostrem que é muito possível escalar para uma grande produção comercial”, acrescentou Nils Lindh, diretor de desenvolvimento de data center da Boden Business Agency.

Para o piloto, a Genesis Mining criou contêineres de armazenamento de mineração de Bitcoin especiais que são conectados à estufa por meio de um sistema de duto de ar customizado usado para transferir o excesso de energia.

Publicidade

De acordo com cálculos realizados na Lulea Technical University, um contêiner de mineração de 550 kW é mais do que suficiente para aquecer uma estufa de 300 m2 – mesmo no clima frio da Suécia. “Mas o potencial é muito maior do que isso”, observou Andreas Johansson, professor sênior da Lulea Technical University. ”

“A diferença de temperatura em relação à estufa neste cálculo é de apenas 10 graus, uma vez que assumimos uma temperatura de saída DC de 35 ℃ e uma temperatura de GH de 25 ℃. Se a saída DC for aumentada para 55 ℃, a área de GH pode ser triplicada para 900 m2 ”, explicou ele.

Embora a mineração de criptomoedas seja a espinha dorsal de todos os ativos digitais descentralizados que estão mudando rapidamente o mundo – provavelmente para melhor – esses benefícios “não podem vir à custa do meio ambiente”, disse o CEO e cofundador da Genesis Mining, Marco Streng.

“Estamos ansiosos para dimensionar este projeto e trazê-lo não apenas para mais de nossos próprios datacenters, mas também para outros”, acrescentou.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca
Baleia dourada envolto a moedas de bitcoin

Baleia adormecida por 14 anos movimenta R$ 17 milhões em Bitcoin

As transações dos 50 BTCs oriundos da recompensa de bloco em 2010 ocorreram nesta manhã de segunda-feira (15)
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA
Equipamento de mineração com CPU em uma mesa de escritório com sinal luminoso do Bitcoin atrás

Dificuldade de mineração do Bitcoin bate recorde em último ajuste antes do halving

Recorde significa que mineradores estão correndo para garantir a recompensa de 6,25 BTC por bloco antes do halving