Imagem da matéria: Mastercard registra patente para controle de pagamentos via Blockchain

Após uma série de pedidos de registros de patentes, a gigante dos cartões de crédito, Mastercard, está estudando o uso do blockchain para acompanhar e manter o controle dos pagamentos de seus consumidores, conforme publicação da Coindesk nesta segunda-feira (17).

De acordo com o site, há similaridades em todos os requerimentos — 201802623352018026081120180260879 — publicados na semana passada pelo Escritório de Marcas e Patentes dos EUA. Um dos exemplos é a descrição de um “livro distribuído para registrar transações ponto-a-ponto à medida em que são processadas”.

Publicidade

Esses registros poderiam, então, ser usados tanto pela própria organização como por seus membros para criarem um registro dos itens adquiridos durante todo o curso dos negócios, explicou a Coindesk.

De acordo com um dos aplicativos sugeridos no pedido de patente, ele poderá ser usado para agilizar o gerenciamento de contas, simplificando o processo de monitoramento e registro de pedidos de compra.

A empresa descreveu uma das patentes requeridas assim:

“O uso de livros-razão, como blockchains, pode facilitar ainda mais os serviços fornecidos por essa plataforma, permitindo que os dados sejam armazenados de forma clara e em um formato que seja facilmente auditáveis pelas entidades participantes”.

O texto também fala sobre a segurança que blockchains oferecem, como imutabilidade e resistência a adulterações, o que aumenta a confiabilidade de dados.

Publicidade

Além disso, na descrição sobre o funcionamento dos novos sistemas, a Mastercard faz uma comparação com sistemas tradicionais.

“Como resultado, tal plataforma pode fornecer um grande número de serviços para as entidades, ao fazê-lo de uma maneira que seja mais segura e transparente do que qualquer número de sistemas dedicados a apenas um dos múltiplos serviços”, diz um trecho de um dos registros.

Outras patentes da Mastercard

A Mastercard está ativamente buscando aplicações da tecnologia blockchain. Em julho,  empresa fez um pedido de registro de patente chamado de ‘Sistema de ligação de ativos baseados em blockchain a contas em moeda fiat’.

Uma descrição chamou a atenção:

“O sistema vai gerenciar ‘reservas fracionárias no blockchain’. Isto permitiria transações de Bitcoin em cartões de crédito, um meio de pagamento certamente muito esperado pelos consumidores entusiastas das criptomoedas.

O usuário de cartão de crédito teria, então, duas contas vinculadas ao seu banco — uma para seu saldo em dinheiro e outra para criptomoedas.

Publicidade

Um mês antes a empresa já tinha registrado o pedido de patente chamado “Método e Sistema para Transação Anônima Coordenada por Blockchain”.

Isto mostra o interesse da Mastercard na tecnologia que surgiu com o Bitcoin, a criptomoeda que, segundo a empresa, já deu muita dor de cabeça.

A Mastercard chegou a culpar todo o mercado de criptoativos pela queda na receita do primeiro trimestre deste ano.


Compre Bitcoin no Celular

A BitcoinTrade é a melhor plataforma para operar criptomoedas do Brasil.
Compre Bitcoin, Ethereum e Litecoin com segurança e liquidez, diretamente pelo app.
Baixe agora e aproveite, acesse: www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin sob nota de dinehiro da nigéria

Tensão entre Binance e Nigéria escala após CEO acusar governo de suborno de R$ 770 mi

Funcionário do governo nigeriano disse que alegações são infundadas e que disputa contra Binance deve ser resolvida na Justiça
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15
Imagem da matéria: Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

A plataforma peer-to-peer focada na moeda de privacidade Monero (XMR) citou “uma combinação de fatores internos e externos” para sua decisão de fechar as portas