Imagem da matéria: Juiz condena Binance a pagar R$ 65 mil para cliente que teve conta na corretora invadida
Foto: Shutterstock

A exchange de criptomoedas Binance foi condenada pela Justiça do Estado de São Paulo na semana passada a ressarcir um cliente que teve sua conta na corretora invadida e seu saldo zerado.

Em sua decisão, juiz fundamenta que os registros de IP mostram que o usuário sempre fez seus acessos de São Paulo – enquanto que os criminosos fizeram o acesso a partir de Santa Catarina.

Publicidade

O cliente afirma no processo judicial que no dia 22 de abril deste ano teve sua conta na Binance invadida, com o desvio de 0,330083 bitcoin de sua carteira. O valor do pagamento devido pela corretora foi estabelecido pelo juiz Danilo Mansano Barioni em R$ 65.730,00, já contando a correção monetária.

O juiz também aponta na decisão que, além da questão geográfica dos IPs de acessos, o endereço de blockchain para o qual as criptomoedas do cliente foram transferidas já estava em uma lista relacionada à fraudes.

“Os documentos demonstram que a operação questionada nestes autos foram realizadas por IP nunca utilizado pelo autor , localizado em Florianópolis, cadastrado em lista pública de fraudes, enquanto o autor reside nesta capital [São Paulo]“, afirma Barioni na decisão.

A decisão é de primeira instância e cabe recurso. O cliente da Binance teve sua defesa no processo feita por Raphael Souza, advogado especialista em criptomoedas.

Publicidade

Procurada, a Binance afirmou que “não comenta ações judiciais em andamento, mas destaca que atua em total acordo com o cenário regulatório do Brasil”. Também diz que “proteção do usuário e segurança são prioridade e que atua em total colaboração com as autoridades para coibir que pessoas mal intencionadas utilizem a plataforma”.

“Braço nacional da corretora”

Na ação (Processo 1058000-98.2022.8.26.0100), a empresa acionada foi a B Fintech, que tem como sócia a Binance. A companhia B Fintech foi aberta no Brasil tendo inicialmente como sócio o empresário Changpeng “CZ” Zhao, criador e CEO da Binance. Os clientes brasileiros da corretoria costumam acionar a B Fintech em casos judiciais para buscar seus direitos, já que a exchange não tem uma sede no Brasil. 

Em sua defesa, a B Fintech disse que não deveria fazer parte da ação, por supostamente não ter responsabilidade sob as ações da Binance e não ter que responder legalmente pelas ações da corretora.

Sobre esse ponto, o juiz Barioni ressaltou que o “sócio da corretora internacional (Binance), correquerida, é o único cotista da requerida B. Fintech, de forma denotar que a B. Fintech é nada além do braço nacional da corretora estrangeira, empresas integradas para viabilizar a atividade de corretagem e custódia de criptomoedas”.

Publicidade

O magistrado segue e afirma que para ele é evidente “que a prestação de serviços é conjunta, integrando assim a cadeia de consumo e assentando, estreme de dúvidas, a legitimidade passiva de ambas”.

Conforme aponta reportagem do Portal do Bitcoin, no dia 4 de abril deste ano a Binance Holdings entrou como sócia na B Fintech.

Procurando uma corretora segura que não congele seus saques? No Mercado Bitcoin, você tem segurança e controle sobre seus ativos. Faça como nossos 3,8 milhões de clientes e abra já sua conta!

VOCÊ PODE GOSTAR
Vitalik Buterin posa para foto na ETH Taipei 2024

Criador do Ethereum, Vitalik Buterin explica qual é o erro dos tokens de celebridades

O veterano do setor cripto criticou a captação de dinheiro pelas estrelas, afirmando que o hype pode ser aproveitado para fazer o bem
Gary Gensler SEC in GOP Financial Services-Reprodução-Youtube

Presidente da SEC é questionado sobre ETFs de Bonk após aprovação de fundos de ETH

O presidente da SEC, Gary Gensler, adotou uma abordagem menos hostil em relação às criptomoedas em uma nova entrevista e foi questionado sobre o que vem a seguir
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Nigéria retira acusações contra executivos da Binance, mas mantém exchange na mira

Dois executivos da Binance foram afastados das acusações de evasão fiscal por uma agência nigeriana, mas ainda enfrentam um caso de lavagem de dinheiro
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Conselho nega recurso do “Faraó do Bitcoin” e mantém condenação de R$ 34 milhões da CVM

CRSFN manteve a condenação, no valor total de R$ 102 milhões, a GAS Consultoria, Glaidson Acácio (o Faraó do Bitcoin) e sua esposa Mirelis Diaz