Imagem da matéria: Investidores processam empresa de criptomoedas por impedir saques de R$ 680 milhões
Foto: Shutterstock

A a empresa de empréstimos de criptomoedas Nexo está sendo processada em Londres por uma família de empreendedores que alegam que companhia congelou saques de até 107 milhões de euros (cerca de R$ 680 milhões) de seus ativos e depois os intimidou a vender tudo para a própria Nexo, com um desconto de 60%. 

De acordo com uma matéria da City AM, os irmãos Jason e Owen e o primo Shane Morton detinham juntos milhões de tokens nativos NEXO da Nexo, além de dezenas de milhões de dólares em bitcoin e outras criptomoedas.

Publicidade

Eles afirmam ter manifestado preocupações sobre a conformidade e transparência da Nexo pela primeira vez em dezembro de 2020. Depois de não receber resposta do credor cripto, eles começaram a sacar parte da reserva de US$ 126 milhões em março, vendendo a posição do token NEXO em parcelas para não impactar o preço do ativo.

No entanto, em 22 de março de 2021, a Nexo impôs um limite de US$ 150 mil para saques diários. No dia seguinte, os Mortons afirmam que seus botões de “saque” tinham sido desativados, sem ser possível clicá-los. Eles também não podiam converter NEXO para outras criptomoedas, já que o botão “converter” havia sido bloqueado da mesma forma.

Os investidores alegam que, quando entraram em contato com o gerente da Nexo responsável por suas contas, ele disse que as medidas foram tomadas para “apoiar o preço dos tokens nativos”. Ele então supostamente fez um acordo que eles não poderiam recusar: vender a reserva de NEXO de volta para a exchange com um desconto de 60%.

O processo alega que a Nexo violou o contrato ao impor limites de retirada “sob medida” e que as táticas de negociação subsequentes da empresa representaram uma “intimidação”.

Publicidade

De sua parte, a Nexo respondeu ao processo antes que ele se tornasse público, emitindo uma declaração há dez dias chamando-o de “oportunista” e argumentando que “todas as transações, incluindo a venda de seus tokens NEXO foram concluídas de boa fé, documentadas e aceitas como definitivas pelos requerentes na execução”.

Nexo em problemas?

A Nexo já está acostumada a protagonizar controvérsias no mercado cripto. Depois que o colapso do ecossistema Terra (LUNA) causou uma onda de problemas de liquidez entre os credores de criptomoedas do setor, eliminando Celsius, Voyager, Vauld, Hodlnaut e muitos outros, um coro de vozes disse que a Nexo seria a próxima.

Em setembro, a empresa de empréstimos cripto foi atingida por ações de execução de oito estados dos EUA, alegando que a Nexo “representa falsamente” a extensão de sua conformidade com os regulamentos estaduais de valores mobiliários.

A Califórnia foi acompanhada por Vermont, Oklahoma, Carolina do Sul, Kentucky e Maryland na apresentação de ordens de cessar e desistir contra a empresa.

Publicidade

O estado de Washington publicou uma declaração de acusações e anunciou que também estava emitindo uma ordem de cessar e desistir, enquanto Nova York anunciou que estava processando a Nexo por alegar “falsamente que cumpre os regulamentos aplicáveis e os requisitos de licenciamento”.

* Traduzido e editado com autorização do Decrypt.co

Procurando uma corretora segura que não congele seus saques? No Mercado Bitcoin, você tem segurança e controle sobre seus ativos. Faça como nossos 3,8 milhões de clientes e abra já sua conta!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Descentralização é o futuro, mas vem com custos mais altos, afirma especialista

Descentralização é o futuro, mas vem com custos mais altos, afirma especialista

O executivo Leo Kahn destacou no Ethereum Rio 2024 que apesar dos custos, indústria cripto deve incentivar ao máximo a descentralização
Imagem da matéria: Ex-diretor da FTX é condenado a 7,5 anos de prisão — mas poderá ficar com seu Porsche

Ex-diretor da FTX é condenado a 7,5 anos de prisão — mas poderá ficar com seu Porsche

Ryan Salame, o ex-colaborador da FTX de Sam Bankman-Fried, foi condenado a 90 meses de prisão nesta terça-feira
Moedas douradas à frente de bandeira do Brasil

Anbima propõe novas regras para fundos de criptomoedas e abre consulta pública

Entre outras regras, Anbima propõe uma padronização na precificação das criptomoedas dos fundos desse tipo; consulta vai até 20 de junho
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide